Rainha Elizabeth II é sepultada; relembre os principais momentos do funeral | CNN Brasil
Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rainha Elizabeth II é sepultada; relembre os principais momentos do funeral

    Monarca foi a mais longeva da história do Reino Unido e morreu no dia 8, aos 96 anos; Charles III é o novo rei

    Da CNN Brasil

    A rainha Elizabeth II foi sepultada nesta segunda-feira (19), no Castelo de Windsor. A monarca faleceu no dia 8 de setembro, aos 96 anos, após 70 anos de reinado –o que a torna a mais longeva da história do Reino Unido.

    Em um comunicado oficial, o site da família real confirmou: “A Rainha foi enterrada junto com o Duque de Edimburgo, na Capela Memorial Rei Jorge VI”.

    A despedida seguiu tradições seculares, reuniu milhares de pessoas em luto em toda a Grã-Bretanha e mobilizou líderes mundiais.

    Além das procissões desde o Castelo de Balmoral, na Escócia, onde ela morreu, até o Palácio de Buckingham, foi realizado um grandioso funeral de Estado, que contou com um forte esquema de segurança.

    Essa é a primeira cerimônia do tipo na Grã-Bretanha desde a morte de Winston Churchill, em 1965, e marca o clímax de um longo período de luto. Centenas de milhares fizeram fila por várias horas para ver o caixão no Westminster Hall, do Parlamento britânico, e eventos memoriais foram realizados em vilas, cidades e vilarejos de todo o país.

    Por onde passou o caixão da rainha

    Na manhã desta segunda (no horário de Brasília), o caixão foi retirado do catafalco onde estava por um grupo de carregadores do 1º Batalhão de Guardas de Granadeiros e levado em procissão de Westminster Hall para a Carruagem de Armas do Estado da Marinha Real.

    De acordo com a tradição, a carruagem de armas fez uma curta viagem de New Palace Yard à Abadia de Westminster, onde houve uma cerimônia com a presença da primeira-ministra Liz Truss. O rei Charles III e outros membros da família real seguiram atrás do caixão.

    Trajeto de despedida da rainha Elizabeth II
    Trajeto de despedida da rainha Elizabeth II / Arte/CNN Brasil

    Após o funeral de Estado, o caixão foi transportado do salão para o arco de Wellington –novamente com o rei Charles III liderando alguns membros da família real a pé, enquanto Camilla, a rainha consorte e outros seguiram de carro– antes de fazer sua jornada final de Londres para Windsor.

    O destino foi a Capela de São Jorge, já dentro dos terrenos do Castelo de Windsor, onde foi celebrada uma missa, conduzida pelo Reitor de Windsor.

    Um funeral privado para a família foi realizado na parte da tarde, e a rainha foi sepultada ao lado de falecido marido, o príncipe Philip, na Capela Memorial do Rei George VI.

    Objetos reais acompanham o caixão

    Charles deixa mensagem no caixão da mãe

    O rei Charles III prestou uma singela homenagem no funeral de sua mãe, Elizabeth II, nesta segunda-feira (19). Um cartão colocado em cima do caixão da rainha, ao lado das flores, diz: “Em memória amorosa e dedicada. Charles R.”

    Rei Charles deixa bilhete manuscrito junto a flores no caixão da rainha / 19/9/2022 REUTERS/Toby Melville

    Gaiteiro que acordou a rainha todas as manhãs toca para ela descansar

    Durante a maior parte de seu reinado, a rainha foi despertada pelo som de gaitas de foles tocadas sob sua janela –em todas as suas residências ao redor do país. O “Piper to the Sovereign”, o Gaiteiro para o Soberano, funciona há décadas como um despertador pessoal, tocando por 15 minutos todas as manhãs, bem como em ocasiões de estado.

    Mas na segunda-feira (19), o gaiteiro teve um papel diferente. A música que sinalizou o início das manhãs da rainha agora sinaliza o fim de seu funeral, enquanto ele toca um lamento final, ao passo que o caixão é baixado na abóbada real sob a Capela de São Jorge no Castelo de Windsor.

    Paul Burns, gaiteiro oficial da realeza. / Reprodução/CNN

    Minuto de silêncio

    O Reino Unido ficou um minuto em completo silêncio em homenagem à morte rainha Elizabeth II neste domingo (18).

    Os britânicos se calaram em respeito à monarca no momento que em que o relógio Big Ben tocou às 20h, no horário de Londres (16h no horário de Brasília).

    Militares ficaram em posição de ordem e toda a nação da Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte se colocou em admiração à rainha.

    Cidadãos enfrentam horas de fila

    Pessoas de várias partes do Reino Unido lotaram as ruas de Londres pela chance de ver de perto o caixão da rainha Elizabeth II e prestar uma última homenagem à monarca, em sinal de respeito.

    A fila, também conhecida como The Queue, se estendeu por vários quilômetros ao longo de dias. As pessoas esperaram por horas, principalmente durante a noite, com pouca oportunidade de descansar enquanto a fila continua em movimento.

    Veja quem são as pessoas que esperaram horas para dar o adeus à rainha

    Uma das pessoas que decidiram se juntar à multidão de súditos e esperar para se despedir da monarca foi o ex-jogador da Inglaterra David Beckham, um dos maiores ídolos da seleção do país.

    Beckham disse que todos estavam lá para celebrar a rainha, descrevendo a experiência como “especial”.

    Rei Charles e príncipe William cumprimentam súditos

    O rei Charles III e o príncipe William, o príncipe de Gales, surpreenderam o público e visitaram as pessoas que esperam horas na fila para ver o caixão da rainha no sábado (17).

    A realeza foi vista apertando a mão de simpatizantes perto de Lambeth Bridge.

    Algumas pessoas gritaram “Deus salve o rei” quando Charles passou e uma mulher ergueu um brinquedo Paddington Bear – o urso fictício tornou-se associado à rainha desde que ela apareceu em um esboço ao lado do personagem durante as celebrações do Jubileu de Platina.

    Bolsonaro visita caixão e assina livro de condolências

    O presidente Jair Bolsonaro (PL) chegou na manhã de domingo (18) a Londres, para acompanhar as cerimônias de despedida de Elizabeth II. Ao lado da primeira-dama, Bolsonaro visitou o caixão da rainha em Westminster Hall.

    Em seguida, o presidente assinou o livro de condolências e prestou uma homenagem à rainha: “Nossos sentimentos à família rainha e ao povo do Reino Unido. No Brasil, temos forte em nossa lembrança ainda sua passagem por lá, em 1968. Por tudo que ela representou para o seu país e para o mundo, o momento é de pesar e de reconhecimento de tudo que ela fez pelo mundo”.

    Guarda desmaia durante velório

    Um dos oficiais que guardava o caixão da rainha Elizabeth II, em Westminster Hall, o parlamento do Reino Unido, desmaiou e precisou ser socorrido. Detalhes sobre o incidente não foram divulgados.

    A imagem mostra que enquanto os guardas estavam conduzindo a troca, o homem cai com o rosto no chão, sendo amparado posteriormente.

    Mudança do hino

    Com a morte da rainha Elizabeth II, o hino britânico mudou e voltou a saudar o “rei” do Reino Unido.

    Desde que a monarca subiu ao trono, em 1952, a letra dizia “God Save the Queen”, que, em tradução livre, significa “Deus, salve a Rainha”.

    Mas como o título e os trechos da canção são adaptados conforme o gênero do atual monarca, agora, com o rei Charles III ascendendo ao trono, os britânicos voltarão a cantar “God Save the King”, ou seja, “Deus, salve o Rei”, assim como na época do rei George VI, pai de Elizabeth.

    Manifestações

    Enquanto milhares de pessoas foram às ruas para lembrar a rainha Elizabeth II, críticos da monarquia aproveitaram a oportunidade para protestar, segurando cartazes como “Not my king” – “Não é meu rei”, uma referência ao novo Rei Charles III.

    A polícia interveio e, em alguns casos, prendeu manifestantes, levantando sérias questões sobre a maneira como a dissidência está sendo reprimida no país.

    Liberty, um grupo de defesa dos direitos civis, expressou sua preocupação, dizendo em um comunicado: “É muito preocupante ver a polícia aplicando seus amplos poderes de uma maneira tão pesada e punitiva para reprimir a liberdade de expressão”.

    (publicado por Tiago Tortella, da CNN)

    *com informações de CNN e Reuters