Emily in Paris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emily in Paris
Emily em Paris (BR)
Informação geral
Formato série
Gênero
Duração 24–34 minutos
Criador(es) Darren Star
País de origem  Estados Unidos
Idioma original inglês
francês
Produção
Produtor(es)
  • Stephen Joel Brown
  • Shihan Fey
  • Jake Fuller
  • Lily Collins
  • Raphaël Benoliel
Produtor(es) executivo(s)
Editor(es)
  • Alex Minnick
  • Laura Weinberg
  • Jesse Gordon
  • John Rafanelli
Cinematografia
  • Steven Fierberg
  • Alexander Gruszynski
Elenco
  • Lily Collins
  • Philippine Leroy-Beaulieu
  • Ashley Park
  • Lucas Bravo
  • Samuel Arnold
  • Bruno Gouery
  • Camille Razat
Empresa(s) produtora(s)
Exibição
Emissora original Netflix
Transmissão original 2 de outubro de 2020 (2020-10-02) – presente
Temporadas 1
Episódios 10

Emily in Paris (no Brasil, Emily em Paris) é uma série de televisão norte-americana de comédia dramática criada por Darren Star e lançada em 02 de outubro de 2020 na Netflix.[1] Produzida pela Jax Media e MTV Studios, a série foi originalmente desenvolvida para a Paramount Network, onde foi encomendada uma primeira temporada em 2018. Em 2020, a série passou da Paramount Network para a Netflix. As filmagens ocorreram na França, principalmente na cidade de Paris e seus subúrbios.

A série é protagonizada por Lily Collins como a personagem titular, Emily, uma mulher americana de Chicago, que se muda para Paris para uma oportunidade de emprego e que experimenta um choque cultural. O elenco também conta com Ashley Park, Philippine Leroy-Beaulieu, Lucas Bravo, Samuel Arnold, Camille Razat e Bruno Gouery. Em novembro de 2020, a Netflix renovou a série para uma segunda temporada.[2]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Emily in Paris segue Emily, uma norte-americana de Chicago, na casa dos 20 anos, que se muda para Paris em busca de uma oportunidade de trabalho inesperada. Ela tem a tarefa de apresentar um ponto de vista americano a uma venerável empresa de marketing francesa. As culturas se chocam enquanto ela se ajusta aos desafios da vida em Paris, e com diversos malabarismos em sua carreira, novas amizades e vida amorosa.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Regular[editar | editar código-fonte]

  • Lily Collins como Emily Cooper, uma americana de 20 e poucos anos que se muda de Chicago para Paris, para um emprego de estratégia de mídia social na Savoir.
  • Philippine Leroy-Beaulieu como Sylvie, a dura chefe francesa de Emily na Savoir em Paris.
  • Ashley Park como Mindy Chen, uma babá e primeira amiga de Emily em Paris.
  • Lucas Bravo como Gabriel, o atraente vizinho de baixo de Emily, ele é um chef e o interesse amoroso de Emily. Ele também é ex-namorado/namorado de Camille.
  • Samuel Arnold como Julien, um colega de trabalho de Emily, moderno e dramático, ele faz uma dupla divertida com Luc.
  • Bruno Gouery como Luc, o outro colega peculiar de Emily, ele faz uma dupla engraçada com Julien.
  • Camille Razat como Camille, a nova amiga de Emily e namorada de Gabriel.

Recorrente[editar | editar código-fonte]

  • Kate Walsh como Madeline Wheeler, a chefe americana de Emily em Chicago que não pode aceitar o emprego em Paris depois de saber que está grávida.
  • William Abadie como Antoine Lambert, cliente de Emily que possui uma empresa de perfumes chamada Maison Lavaux e está tendo um caso com Sylvie.
  • Arnaud Viard como Paul Brossard, o proprietário da Savoir.

Convidado[editar | editar código-fonte]

  • Roe Hartrampf como Doug, o namorado de Emily em Chicago.
  • Charley Fouquet como Catherine Lambert, esposa de Antoine.
  • Eion Bailey como Randy Zimmer, um conhecido proprietário de hotel.
  • Jean-Christophe Bouvet como Pierre Cadault, um famoso designer francês extravagante e tio de Mathieu.
  • Charles Martins como Mathieu Cadault, um homem de negócios que se torna um interesse amoroso de Emily.
  • Aleksandra Yermak como Klara, representante da Hästens, uma fabricante sueca de camas de luxo.
  • Julien Floreancig como Thomas, um esnobe francês, professor de filosofia.
  • Carlson Young como Brooklyn Clark, uma jovem e famosa atriz americana.
  • Elizabeth Tan como Li, a melhor amiga de Mindy, que trouxe suas cinco damas de honra a Paris para comprar o vestido de noiva.
  • Victor Meutelet como Timothée, o irmão mais novo de Camille.
  • Camille Japy como Louise, a mãe de Camille.
  • Christophe Guybet como Gerard, pai de Camille.
  • David Prat como Théo, o outro irmão de Camille.
  • Faith Prince como Judith Robertson, membro dos American Friends of the Louvre.
  • Claude Perron como Patricia.
  • Isaiah Hodges como um dos dois designers do Gray Space.
  • Christophe Tek como um dos dois designers do Gray Space.

Episódios[editar | editar código-fonte]

1.ª temporada (2020)[editar | editar código-fonte]

na
série
na
temporada
Título Original
Título no Brasil
Dirigido porEscrito porLançamento
11 "Emily in Paris"
"Emily em Paris"
Andrew FlemingDarren Star2 de outubro de 2020 (2020-10-02)
22 "Masculin Féminin"
"Palavras Masculina"
Andrew FlemingDarren Star2 de outubro de 2020 (2020-10-02)
33 "Sexy or Sexist"
"Sexy ou Sexista"
Andrew FlemingDarren Star2 de outubro de 2020 (2020-10-02)
44 "A Kiss a Kiss Is Just A Kiss"
"Um Beijo é Só Um Beijo"
Zoe CassavetesKayla Alpert2 de outubro de 2020 (2020-10-02)
55 "Faux Amis"
"Falsos Amigos"
Zoe CassavetesAli Waller and Joe Murphy2 de outubro de 2020 (2020-10-02)
66 "Ringarde"
"Básica"
Andrew FlemingMatt Whitaker2 de outubro de 2020 (2020-10-02)
77 "French Ending"
"Final Francês"
Andrew FlemingEmily Goldwyn and Sarah Choi2 de outubro de 2020 (2020-10-02)
88 "Family Affair"
"Em Família"
Andrew FlemingGrant Sloss2 de outubro de 2020 (2020-10-02)
99 "An American Auction in Paris"
"O Leilão"
Peter LauerAlison Brown2 de outubro de 2020 (2020-10-02)
1010 "Cancel Culture"
"Desfile Cancelado"
Peter LauerGrant Sloss2 de outubro de 2020 (2020-10-02)

Produção[editar | editar código-fonte]

A Maison Moreau na Place de l'Estrapade, endereço de Emily

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em 5 de setembro de 2018, foi anunciado que a Paramount Network havia dado à produção uma ordem para uma primeira temporada composta por dez episódios. A série foi criada por Darren Star, que também atua como produtor executivo ao lado de Tony Hernandez.[3] A série é produzida pela Jax Media. Em 13 de julho de 2020, foi relatado que a série havia passado da Paramount Network para a Netflix.[4] Em 11 de novembro de 2020, a Netflix renovou a série para uma segunda temporada.[5]

Seleção de elenco[editar | editar código-fonte]

Em 3 de abril de 2019, Lily Collins foi escalada para o papel principal.[6] Em 13 de agosto de 2019, Ashley Park se juntou ao elenco principal.[7] Em 19 de setembro de 2019, Philippine Leroy Beaulieu, Lucas Bravo, Samuel Arnold, Camille Razat e Bruno Gouery se juntaram ao elenco em papéis principais, enquanto Kate Walsh, William Abadie e Arnaud Viard foram escalados em papéis recorrentes.[8]

Filmagens[editar | editar código-fonte]

As gravações da série deveriam começar no início de 2019 na França, na cidade de Paris e seus subúrbios, mas começaram em agosto. Algumas cenas foram filmadas no Cité du Cinéma, um complexo de estúdios de cinema em Saint-Denis. Um episódio foi filmado no Château de Sonnay, no departamento de Indre-et-Loire.[9] Outras filmagens ocorreram em Chicago durante novembro de 2019.[10]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

A série foi lançada na Netflix em 2 de outubro de 2020.[1]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Resposta da crítica[editar | editar código-fonte]

“Darren Star fez isso novamente: centrou uma série inteira em uma mulher branca, magra e levemente delirante, que explora caprichosamente uma grande área metropolitana em alta costura extremamente cara, comprada com um salário de nível médio.”

— Rachel Handler, Vulture[11]

Daniel D'Addario da Variety descreveu a série como "um deleite que levanta a questão do que realmente significa crescer, em um cenário verdadeiramente convidativo", e que Collins é "uma artista intrinsecamente cativante que nunca foi tão bem usado como ela está aqui".[12] Kristen Baldwin da Entertainment Weekly deu à série um "B" e escreveu: "Se você precisa de cinco horas de férias para o cérebro, Paris é um destino que vale a pena."[13] O The New Zealand Herald considerou o show "visualmente delicioso" e que "Collins tem um charme de pixie que a torna cativante", mas também que o show é "tão efêmero quanto algodão-doce".[14] No entanto, Kristen Lopez do IndieWire escreveu uma resenha MetaCritic com nota 23 de 100, elogiando Collins por ser uma "joia, não se engane" e que "Emily in Paris é tão assistível e frívola quanto sua protagonista", mas alertando os espectadores "Emily in Paris é como navegar pelo Instagram. É uma ótima maneira de perder tempo olhando fotos bonitas sem profundidade".[15]

No entanto, nem todos os críticos foram gentis com a personagem de Emily. Emma Gray do HuffPost, chamou Emily de personagem branda, afirmando "O programa nem mesmo faz um esforço para deixá-la peculiar ou dar a ela uma aspereza mais identificável de uma garota ao lado: ela está sempre imaculadamente arrumada, maquiada e vestida em roupas que chamam a atenção. Mas não há muito na personagem, exceto por uma enorme quantidade de autoconfiança e a capacidade inexplicável de atrair novos amigos e interesses amorosos em cada esquina."[16] Rebecca Nicholson do The Guardian deu à série uma de cinco estrelas: "se for uma tentativa de afofar a comédia romântica para a era do streaming, então ele cai sobre os saltos de 15 centímetros."[17]

Alguns críticos pareceram ambivalentes, como Jo Ellison escrevendo para o Financial Times. Por um lado, ela expressa admiração pela maneira como Darren Star consegue retratar "uma versão da feminilidade em que a promiscuidade, o autoritarismo e o vício em compras são descritos como qualidades a serem celebradas"; por outro, "os principais enredos podem ter sido escritos na década de 1940 e os franceses são rotineiramente considerados vaidosos, arrogantes e paroquiais". Ela conclui "Cheio de clichês e completamente desatualizado: 'Sex and the Cité' de Darren Star, sem dúvida, será um sucesso monstruoso."[18]

Muitos críticos franceses condenaram a série por estereotipar negativamente parisienses e franceses.[12] Charles Martin escreveu na Première que o programa estereotipou e retratou injustamente os franceses como "preguiçosos e nunca chegam ao escritório antes do fim da manhã, que são paqueradores e não estão realmente apegados ao conceito de lealdade, que são sexistas e retrógrados, e têm [...] relação duvidosa com o banho".[13][14][19][15][20]

Para a série, o site agregador de resenhas Rotten Tomatoes relatou uma taxa de aprovação de 64% com base em 55 resenhas, com uma classificação média de 5,81/10. O consenso dos críticos do site diz: "Embora sua representação da França seja tré clichê, Emily in Paris é uma fantasia rom-com no seu melhor, espetacularmente vestida e cheia de performances charmosas."[21] No website Metacritic, a série recebeu uma média ponderada de 60 em 100 com base em 17 comentários, indicando "comentários mistos ou médios".[22]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Na semana de 5 de outubro de 2020, Emily in Paris alcançou a lista dos dez programas de streaming mais assistidos por Nielsen.[16]

Referências

  1. a b «Do criador de 'Sex and the city', 'Emily em Paris' estreia em outubro». Correio Braziliense. 1 de setembro de 2020. Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  2. Eloi, Arthur (11 de novembro de 2020). «Emily em Paris é renovada para a 2ª temporada pela Netflix». Omelete. Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  3. «'Younger' Moves To Paramount Network For Season 6, Net Orders New Darren Star Series 'Emily In Paris', Sets Dramedy Night». 5 de setembro de 2018. Consultado em 14 de julho de 2020 
  4. «'Emily In Paris' Picked Up By Netflix; Darren Star's Comedy Series Starring Lily Collins Moves To Streamer From Paramount Network». 13 de julho de 2020. Consultado em 14 de julho de 2020 
  5. «'Emily In Paris' Renewed At Netflix For Season 2». Deadline Hollywood. 11 de novembro de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  6. «Lily Collins To Star In Darren Star's 'Emily In Paris' Dramedy At Paramount Network As Star's 'Younger' Eyes TV Land Return». 3 de abril de 2020. Consultado em 14 de julho de 2020 
  7. «Ashley Park To Co-Star In Darren Star's Paramount Network Series 'Emily In Paris'». 13 de agosto de 2020. Consultado em 14 de julho de 2020 
  8. «'Emily In Paris': Darren Star's Paramount Network Dramedy Rounds Out Cast; Sets Directors, Costume Designers». 19 de setembro de 2020. Consultado em 14 de julho de 2020 
  9. «Hollywood en Touraine : dans les coulisses d'un tournage !». 19 de outubro de 2019. Consultado em 14 de julho de 2020 
  10. «New series from 'Sex and the City' creator briefly filming in Chicago». 20 de novembro de 2019. Consultado em 14 de julho de 2020 
  11. Handler, Rachel (3 de outubro de 2020). «Would Emily in Paris's Bot-like Instagram Actually Go Viral? We Asked 3 Parisian Influencers». Vulture. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  12. a b D'Addario, Daniel; D'Addario, Daniel (30 de setembro de 2020). «'Emily in Paris' Merges French Light With American Gumption: TV Review». Variety (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  13. a b «Netflix's 'Emily in Paris' is the very silly show we need right now: Review». EW.com (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  14. a b «Emily in Paris review: 'Pure escapism' with much to like, but flaws too». NZ Herald (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  15. a b Lopez, Kristen; Lopez, Kristen (2 de outubro de 2020). «'Emily in Paris' Review: Lily Collins' American in Paris Tires Quickly». IndieWire (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  16. a b Fallon, Claire; Gray, Emma (2 de outubro de 2020). «'Emily in Paris' Is As Boring And Basic As A Sponsored Instagram Story». HuffPost (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  17. «Emily in Paris review – an excruciating exorcism of French cliches». the Guardian (em inglês). 2 de outubro de 2020. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  18. «"Emily in Paris — as cheesy as Brie" | Financial Times». www.ft.com. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  19. «Yes, Emily In Paris is unrealistic. But reality is overrated | Hadley Freeman». the Guardian (em inglês). 17 de outubro de 2020. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  20. Mitchell, Victoria Coren (31 de outubro de 2020). «The latest Netflix controversy is sunny, silly and pokes fun at the French. Where do you stand?». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  21. «Emily in Paris: Season 1 (2020)». Rotten Tomatoes. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  22. «Emily in Paris: Season 1». Metacritic. Consultado em 18 de novembro de 2020