James, o neto mais novo da Rainha que acompanhou os primos na homenagem a Isabel II — e usou uma prenda da avó – Observador
817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

James, o neto mais novo da Rainha que acompanhou os primos na homenagem a Isabel II — e usou uma prenda da avó

Este artigo tem mais de 1 ano

Pais não lhe quiseram dar, nem à irmã, os títulos de príncipe e princesa. Em vez disso, James, de 14 anos, é visconde de Severn, e tem sido dos netos mais discretos de Isabel II.

The Coffin Carrying Queen Elizabeth II Is Transferred From Buckingham Palace To The Palace Of Westminster
i

James Alexander Philip Theo Mountbatten-Windsor é o filho mais novo dos condes de Wessex, Eduardo e Sofia

Getty Images

James Alexander Philip Theo Mountbatten-Windsor é o filho mais novo dos condes de Wessex, Eduardo e Sofia

Getty Images

Semblante carregado, fato e gravata pretos, olhos fixados no chão. James, o neto mais novo da Rainha Isabel II, acompanhou os seis primos e a irmã, Louise, na vigília de 15 minutos junto à urna da avó este sábado, naquela que foi uma das últimas homenagens à monarca — e uma das poucas aparições públicas do rapaz que, quando nasceu, não recebeu o título de príncipe por opção dos pais.

James Alexander Philip Theo Mountbatten-Windsor nasceu a 17 de dezembro de 2007, no Hospital de Frimley Park, em Surrey, e é o filho mais novo dos condes de Wessex, Eduardo (que também é o filho mais novo de Isabel II) e Sofia. Quando nasceu, os pais optaram por não lhe dar o título de príncipe (tal como não deram o de princesa à irmã, Louise). Em entrevista ao The Times, Sofia chegou a explicar porquê: “Estamos a tentar educá-los para que percebam que têm de trabalhar para ganharem a vida”, disse.

The Royal Family Disembark The Hebridean Princess

James com os pais em 2010, com apenas três anos

Getty Images

James e a irmã, no entanto, se o quiserem, podem escolher usar os títulos após os 18 anos, mas Sofia acredita que não é provável que isso venha a acontecer. Os dois têm mantido uma postura discreta, longe das luzes da ribalta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em vez de príncipe, James recebeu o título de visconde de Severn, em homenagem às raízes galesas da mãe (Severn é um rio que nasce no País de Gales). Foi batizado em abril de 2008, na Capela do Castelo de Windsor, vestido com uma réplica do tradicional fato de batismo da família real, usado pela primeira vez pela Rainha Vitória. A peça original foi guardada para preservação.

As aparições públicas de James têm sido limitadas — dada a idade, tem aparecido em menos atos públicos do que Louise —, pelo que não há muita informação sobre o visconde. Sabe-se, porém, que teria uma relação próxima com a avó. Numa publicação em jeito de homenagem feita no sábado, no Instagram, os pais sublinharam como James e Louise passaram muito tempo com Isabel II, que lhes transmitiu o gosto por vários “locais e atividades”.

“A morte da Rainha deixou um vazio inimaginável nas nossas vidas. A Sofia e eu congratulamo-nos por termos visto os nossos James e Louise a desfrutarem dos locais e das atividades de que os seus avós tanto gostavam. Dado que a minha mãe nos deixou passar tanto tempo com ela, acho que também gostaria de ver essas paixões a florescer. Esses tempos juntos, essas memórias felizes, tornaram-se agora massivamente preciosas para cada um de nós”, escreveram.

Ao The Times, a mãe, Sofia, já tinha explicado como quando as portas se fechavam, Isabel II era apenas a avó de James e Louise. “Nem toda a gente tem avós que moram num castelo, mas não é isso que importa. Quando estão com a Rainha, ela é a avó”, apontou.

James é o 14.º na linha de sucessão ao trono, antes da irmã — isto porque ambos nasceram antes do “Succession to the Crown Act”, que em 2013 determinou que a ordem de sucessão seria determinada pelo ano de nascimento e não pelo género (é isso que explica que a princesa Charlotte esteja à frente de Louis na sucessão).

O primeiro evento no estrangeiro aconteceu em abril de 2015, quando James acompanhou, com a irmã, os pais numa visita à África do Sul. Desde então participou, por exemplo, nos Jogos da Commonwealth e nas cerimónias militares Trooping the Colour.

Até pelo menos 2020, o neto mais novo de Isabel II estudava na Eagle House School, enquanto Louise se matriculou este ano na Universidade de Sr. Andrews, na Escócia, a mesma universidade onde William conheceu Kate Middleton.

A homenagem à avó

Agora com 14 anos, James juntou-se à irmã, Louise, de 18 anos, e aos primos William e Harry, assim como Peter Phillips e Zara Tindall (filhos da princesa Ana), e Beatriz e Eugenie (filhas do príncipe André), na vigília junto à urna da Rainha Isabel II, durante 15 minutos, para homenagear a avó. E usou pela primeira vez em público um presente da Rainha — as medalhas do Jubileu de Diamante e Platina, que foram desenhadas para as celebrações do Jubileu e que Isabel II ofereceu aos membros da família real.

As homenagens em Westminster Hall

O visconde de Severn tem agora menos um ano do que tinha William quando Diana morreu — e quando teve de caminhar atrás do caixão da mãe. James carregou o mesmo semblante triste, mantendo os olhos fixados no chão durante a vigília. Segundo a revista People, citando uma fonte da família real,  todos os netos fizeram questão de “prestar a sua homenagem” à monarca. Não se sabe ainda, porém, se o neto mais novo da Rainha vai ou não participar na caminhada do cortejo fúnebre, atrás do carro funerário com o caixão da avó, na segunda-feira, na derradeira despedida a Isabel II.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos