Vampiro de Highgate

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Vampiro de Highgate foi uma sensação midiática em torno de relatos de suposta atividade sobrenatural no Cemitério de Highgate em Londres, Inglaterra, Reino Unido, na década de 1970. O relato mais completo da história é dado pelo folclorista Bill Ellis na revista Folklore, publicada em 1993.[1]

Publicidade inicial[editar | editar código-fonte]

Em 31 de outubro de 1968, um grupo de jovens interessados em ocultismo visitou o Cemitério do Parque Tottenham, numa época em que era regularmente vandalizado por intrusos.[2] De acordo com uma reportagem do London Evening News de 2 de novembro de 1968:

Essas pessoas organizaram flores retiradas de sepulturas em padrões circulares com setas de flores apontando para uma nova sepultura, que foi descoberta. Um caixão foi aberto e o corpo dentro "perturbado". Mas seu ato mais macabro foi enfiar uma estaca de ferro em forma de cruz através da tampa e no peito do cadáver.

Embora as identidades e motivações dos responsáveis nunca tenham sido apuradas, o consenso geral na época ligava a profanação aos eventos que cercavam o caso do Vampiro de Highgate.[3]

Então, em uma carta ao Hampstead and Highgate Express em 6 de fevereiro de 1970, David Farrant escreveu que ao passar pelo Cemitério de Highgate em 24 de dezembro de 1969, ele vislumbrou "uma figura cinza", que ele considerava sobrenatural, e perguntou se outras pessoas tinham visto qualquer coisa semelhante. No dia 13, várias pessoas responderam, descrevendo uma variedade de fantasmas que supostamente assombram o cemitério ou a vizinha Swains Lane. Esses fantasmas foram descritos como um homem alto de chapéu, um ciclista espectral, uma mulher de branco, um rosto brilhando através das barras de um portão, uma figura entrando em um lago, uma forma pálida deslizando, sinos tocando e vozes chamando.[4]

Sean Manchester afirmou que a "figura cinza" de Farrant era um vampiro e a mídia rapidamente se agarrou, embelezando a história com histórias do vampiro sendo o rei dos vampiros ou praticando magia negra.[5]

Multidão de março de 1970[editar | editar código-fonte]

A publicidade que se seguiu foi reforçada por uma crescente rivalidade entre Farrant e Manchester, cada um alegando que poderia e iria expulsar ou destruir o espectro. Manchester declarou que faria um exorcismo na sexta-feira 13 de março de 1970.[6][5] A ITV conduziu entrevistas com Manchester, Farrant e outros que afirmaram ter visto figuras sobrenaturais no cemitério, que foram transmitidas no início da noite do dia 13; em duas horas, uma multidão de 'caçadores' de toda Londres e além invadiu os portões e paredes do cemitério trancado, apesar dos esforços da polícia para controlá-los.[7]

Alguns meses depois, em 1 de agosto de 1970, os restos carbonizados e sem cabeça do corpo de uma mulher foram encontrados não muito longe da catacumba.[8][9] A polícia suspeitava que tivesse sido usado em magia negra. Farrant foi encontrado pela polícia no cemitério ao lado do cemitério em uma noite de agosto, carregando um crucifixo e uma estaca de madeira. Ele foi preso, mas quando o caso chegou ao tribunal, foi arquivado.[10]

Alguns dias depois, Manchester voltou ao Cemitério de Highgate. Ele afirma que desta vez ele e seus companheiros arrombaram as portas de um cofre da família (indicado por seu ajudante psíquico). Ele diz que levantou a tampa de um caixão, acreditando ter sido misteriosamente transferido para lá da catacumba anterior. Ele estava prestes a enfiar uma estaca no corpo que ela continha quando um companheiro o convenceu a desistir. Relutantemente, ele fechou o caixão, deixando alho e incenso no cofre.[11]

Consequências[editar | editar código-fonte]

Houve mais publicidade sobre Farrant e Manchester quando se espalharam rumores de que eles se encontrariam em um "duelo de mágicos" em Parliament Hill na sexta-feira, 13 de abril de 1973, o que nunca ocorreu.[12] Farrant foi preso em 1974 por danificar memoriais e interferir com restos mortais no Cemitério de Highgate—vandalismo e profanação que ele insistia terem sido causados por satanistas, não por ele.[13]

Farrant e Manchester escreveram e falaram repetidamente sobre o Vampiro de Highgate, cada um enfatizando seu próprio papel em detrimento do outro.[14] Cada um tentou controlar a narrativa em torno do vampiro, resultando em animosidade e rivalidade contínuas entre os dois. A rivalidade continuou por décadas, marcada por insultos e vingança, até a morte de Farrant em abril de 2019.[15]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ellis (1993), p.13-39
  2. R. D. Altick, To Be in England (1969), 194-95, and various press reports,cited in Ellis (1993) 19-20
  3. Medway, Gareth Lure of the Sinister: The Unnatural History of Satanism, New York University Press (1 April 2001)
  4. Hampstead and Highgate Express, 6 February 1970, 26; 13 February 1970, 25; 20 February 1970, 1, 27; 27 February 1970, 6. Cited in Ellis (1993) 20-21; some also in Farrant (1991) 6-8.
  5. a b «The Bloody Truth About Vampires». National Geographic News. 26 de outubro de 2016. Arquivado do original em 27 de outubro de 2016 
  6. Hampstead and Highgate Express,6 March 1970, 1; Hampstead and Highgate Express, 27 February 1970, 1; Manchester (1991) 69-70, 75; Ellis (1993) 24
  7. Such behaviour exemplifies, in an extreme form, a fondness for legend tripping. Hampstead and Highgate Express, 13 March 1970, 1; The Evening News 14 March 1970, 1; Ellis (1993) 24-25.
  8. Ellis, Bill. Raising the Devil: Satanism, New Religions and the Media (University Press of Kentucky, 2000), 215-36.
  9. Melton, J. Gordon. The Vampire Book: The Encyclopedia of the Undead (Detroit, Washington and London, Visible Ink Press, 1994)
  10. Camden, Highgate and Hampstead Record, 21 August 1970, 1; 28 August 1970, 1; 2 October 1970, 1.
  11. Hornsey Journal, 28 August 1970, 36
  12. The Sunday People, 8 April 1973; Ellis (1993) 30-31.
  13. Press coverage was very extensive, in both local and national papers, see Ellis (1993) 31-33 and the list of press sources in his note 81.
  14. Matthew Beresford (15 de dezembro de 2008). From Demons to Dracula: The Creation of the Modern Vampire Myth. [S.l.]: Reaktion Books. pp. 180–. ISBN 978-1-86189-742-8. (pede registo (ajuda)) 
  15. Garcia, Francisco; Bethell, Chris. «The Decades-Long Rivalry of London's Two Vampire Hunters». Vice.com. Vice Media. Consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  16. Ellis, Bill. «The Highgate Cemetery Vampire Hunt». Folklore. 104 
  17. Dampyr issue 45, Bonelli official website.
  18. «Episode 388: The Vampire Hunters of Highgate Cemetery». directory.libsyn.com (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2019 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Barlay, Nick. (10 July 2004) The Times "Zzzzz London;Z is for...;A-Z;London Life" Section: Features; Page 31.
  • Beresford, Matthew. From Demons to Dracula: The Creation of the Modern Vampire Myth (London: Reaktion Books, 2008), 175-92.
  • Campbell, Ramsey. "The Strange Case of Seán Manchester" in Ramsey Campbell, Probably (PS Publishing, 2002, ISBN 1-902880-40-4). The essay is expanded in the revised edition of the book (ISBN 978-1-848639-11-9).
  • Ellis, Bill. "The Highgate Cemetery Vampire Hunt", Folklore 104 (1993), 13-39. This journal can be read online via the JStor site.
  • Ellis, Bill. (1993) Folklore ["The Highgate Cemetery vampire hunt: the Anglo-American connection in satanic cult lore"] Volume 104; Issue 1/2; Page 13.
  • Farrant, David. Beyond the Highgate Vampire (London: British Psychic and Occult Society, 1991).
  • Farrant, David. In the Shadow of the Highgate Vampire: An Autobiography Volume 1 (London: British Psychic and Occult Society, 2011)
  • Farrant, David. Out of the Shadows: An Autobiography Volume 2 (London: British Psychic and Occult Society, 2011)
  • Manchester, Sean. The Highgate Vampire (London: British Occult Society Gothic Press, 1985)
  • Manchester, Sean. From Satan To Christ (London: Holy Grail, 1988)
  • Manchester, Sean. The Vampire Hunter's Handbook (London: Gothic Press, 1997)
  • Financial Times (27 April 1988) Observer: Missing Manchester Page 22.
  • Holly, Donald H Jr; Cordy, Casey E; (Summer 2007) Journal of American Folklore "What's In a Coin? Reading the Material Culture of Legend Tripping and Other Activities" Volume 120, Number 477, pp. 335–354.
  • Underwood, Peter. The Vampire's Bedside Companion (1975; revised ed., 1976).
  • McKay, Sinclair. (6 May 2006) The Daily Telegraph "The loved ones of London Sinclair McKay is beguiled by an account of how the capital once dealt with its dead" Section: Books; Page 5.
  • Page, Carol, "Blood Lust: Conversations with Real Vampires, (HarperCollins, 1991, Dell, 1992, Warner, ULK, 1993)
  • Simpson, Jacqueline. (1 April 2003) Folklore "Raising the Devil: Satanism, New Religions, and the Media" Volume 114; Issue 1; Page 123.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • The Highgate Vampire [1] Archive BBC film footage and interviews with Sean Manchester.
  • David Farrant In Search of the Highgate Vampire [2] Archive documentary film produced by David Farrant.