David Armstrong-Jones, o sobrinho não tão conhecido de Elizabeth II
Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
PODCAST AH / Monarquia

David Armstrong-Jones, o sobrinho não tão conhecido de Elizabeth II

Conheça a história do filho da princesa Margaret, irmã mais nova de Elizabeth II

Redação Publicado em 23/02/2023, às 15h37

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
David Armstrong-Jones ao lado da Rainha Elizabeth II e do Príncipe Philip, em 2017 - Getty Images
David Armstrong-Jones ao lado da Rainha Elizabeth II e do Príncipe Philip, em 2017 - Getty Images

Nascido em 3 de novembro de 1961, em Clarence House, David Albert Charles, mais conhecido como David Armstrong-Jones é o primeiro filho da princesa Margaret (irmã mais nova de Elizabeth II) e Armstrong-Jone. 

Seu nascimento repercutiu na imprensa da época com um comunicado oficial emitido pela Clarence House: "Sua Alteza Real, a princesa Margaret, condessa de Snowdon, deu à luz um filho às 10h45 de hoje. Tanto a mãe quanto o bebê estão bem".

Apaixonado por arte, David herdou os talentos de seu pai para o design, lançando sua própria empresa de móveis personalizados, após estudar para ser artesão.

No ano de 1993, o sobrinho de Elizabeth II casou-se com Serena Stanhope e seis anos depois tiveram seu primeiro filho, chamado Charles Patrick Inigo Armstrong-Jones. Já em 2002, o casal deu à luz a uma menina, chamada Lady Margarita Elizabeth Rose Alleyne Armstrong-Jones. No entanto, em 2020, o casal anunciou a separação.

Para saber mais sobre a história dos filhos não tão conhecidos da princesa Margaret, ouça agora o podcast abaixo do Aventuras na História, também disponível nas principais plataformas de áudio. 

Confira aqui a programação completa do podcast!

Ouça o episódio abaixo: 


PODCAST AH / SEGUNDA GUERRA

Durante o regime nazista, Testemunhas de Jeová também foram duramente perseguidas, sendo que 10 mil pessoas foram presas e 2 mil foram obrigadas a ir para os campos de concentração. Estima-se, ainda, que entre 1933 e 1945, 600 prisioneiros vieram a óbito sob custódia e 250 foram executados.

Leia mais aqui!