Camilla, amor de longa data do rei Charles e nova rainha consorte do Reino Unido | CNN Brasil
Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Camilla, amor de longa data do rei Charles e nova rainha consorte do Reino Unido

    Com ascensão de Charles ao trono após morte da rainha Elizabeth, Camilla assume papel proeminente; veja quem é a figura divisiva da família real

    Max Fosterda CNN Londres

    Com a ascensão de seu marido ao trono após a morte da rainha Elizabeth II, na quinta-feira (8), Camilla se tornou rainha consorte e assumirá um novo e mais proeminente papel ao lado do rei Charles III.

    Pouco mais de 25 anos após a morte da primeira esposa de Charles, Diana, a princesa de Gales, Camilla continua sendo uma figura divisiva na Grã-Bretanha.

    Desde que ela e Charles se casaram em 2005, Camilla trabalhou duro como membro da realeza, ficando ao lado de Charles e defendendo instituições de caridade que ajudam mulheres e crianças. Mas muitas pessoas acham difícil esquecer, ou perdoar, o caso romântico de longa data do casal e a dor que isso causou à Diana.

    O drama da Netflix, “The Crown”, trouxe esse período turbulento para o foco nas últimas temporadas, apresentando Camilla a alguns espectadores e lembrando outros de seu passado.

    Então, o que podemos esperar da nova rainha consorte da Grã-Bretanha?

    Camilla Shand nasceu em julho de 1947 e foi criada no interior da Inglaterra, onde desenvolveu uma paixão por cavalos.

    Ela teria conhecido o príncipe Charles em uma partida de pólo em Windsor, em 1970, e eles se tornaram amigos. No ano seguinte, Charles ingressou na Marinha Real e, enquanto estava fora, Camilla se casou com o oficial de cavalaria Andrew Parker Bowles. O casal teve dois filhos durante a década de 1970.

    Charles se casou com Lady Diana Spencer em 1981 em uma cerimônia aparentemente de conto de fadas e assistida por milhões de pessoas em todo o mundo. Mas ele admitiu em 1994 que estava tendo um caso extraconjugal com Camilla.

    Diana confirmou a infidelidade dele e a dela no ano seguinte durante uma entrevista bombástica para a BBC, quando ela disse: “havia três de nós neste casamento, então estava um pouco tumultuado”.

    Camilla se divorciou de Andrew Parker Bowles em 1995. Charles e Diana se divorciaram no ano seguinte e Camilla praticamente desapareceu da vida pública quando o apoio da população e da mídia passou para o lado da princesa. O sentimento pró-Diana e anti-Camilla foi agravado pela manifestação de simpatia por Diana depois que ela morreu em um acidente de carro em alta velocidade em Paris, em 1997.

    Príncipe Charles e Lady Diana Spencer abrindo a Exposição Mountbatten em Broadlands / Getty Images

    Em 1999, a Clarence House embarcou em um programa para reintroduzir Camilla ao público com uma primeira aparição com Charles cuidadosamente orquestrada, do lado de fora do Ritz Hotel em Londres. Ela se mudou para a Clarence House para ficar com Charles e seu nome começou a aparecer na papelada oficial.

    Seis anos depois, a história de amor de décadas do casal atingiu seu clímax quando eles se casaram em Windsor, com o consentimento da rainha. Camilla, agora conhecida como Sua Alteza Real a Duquesa da Cornualha, foi confirmada como consorte oficial de Charles e futura rainha do Reino Unido.

    A duquesa se lançou na vida como uma realeza sênior, apoiando Charles em compromissos oficiais no Reino Unido e em viagens ao exterior, apesar de seu profundo medo de voar. Ela rapidamente se tornou um trunfo para a família real e o governo britânico com seu toque comum e capacidade de dissipar a tensão em uma sala.

    “É sempre bom ter alguém do seu lado”, disse o príncipe Charles à CNN em 2015. “Ela é um apoio enorme. O melhor de tudo é que rimos muito porque ela vê o lado engraçado da vida, graças a Deus. Se você parar para pensar, isso adiciona muito à coisa toda”.

    Camilla também definiu seu próprio papel real, defendendo causas próximas que tocam seu coração, como alfabetização de crianças e apoio a vítimas de violência doméstica. Ela disse à CNN durante uma visita a um abrigo para mulheres em Bristol, na Inglaterra, em 2017, que conseguiu usar sua posição para destacar a situação das “mulheres corajosas” que sofreram nas mãos de seus parceiros. “Ver é acreditar, ouvir é acreditar”, disse ela.

    Dame Esther Rantzen apresenta Camilla, Duquesa da Cornualha à fundadora da Silver Stories, Elisabeth Carney Haworth, durante uma visita à Charlestown School em 19 de julho de 2022 em St. Austell, Cornwal / Getty Images

    A duquesa também trabalhou para aumentar a conscientização sobre a osteoporose, uma doença que afetou tanto sua mãe quanto sua avó. “Ela se sente tocada profundamente com isso”, disse o príncipe Charles à CNN, em 2015.

    Ele acrescentou: “Acho que ela fez coisas maravilhosas com toda a questão da violência contra as mulheres, estupro e violência sexual. Acho que foi bastante notável o que ela fez nessa frente. E novamente com todo o seu trabalho de alfabetização, porque ela é louca por leitura e seu pai era um grande leitor e acho que a encorajou dessa forma, então ela devora livros de todos os tipos”.

    “Eu sou muito orgulhoso dela e entre tudo isso, ela tenta me apoiar, o que é maravilhoso da parte dela”, disse Charles.

    À medida que a família de Camilla crescia, uma nova paixão se desenvolveu – pelos netos. “Ela é uma avó profissional”, disse um de seus assessores à CNN, em 2013.

    No momento em que seu marido se tornou rei, Camilla automaticamente se tornou rainha. No entanto, há muito se pensava que ela não usaria o título, pois a Clarence House emitiu uma declaração em 2005 dizendo que ela seria conhecida como “Princesa Consorte”.

    Na época, alguns no palácio sentiram que o público não estava pronto para Camilla receber um título que havia sido destinado a Diana.

    Mas ao longo dos anos, as atitudes em relação a Camilla suavizaram. Em 2015, uma pesquisa da CNN descobriu que um em cada quatro britânicos passou a gostar dela, cada vez menos pessoas se opunham a ela usar o título de rainha.

    Então, em fevereiro de 2022, a rainha usou o marco histórico de seu Jubileu de Platina para dar sua bênção para que a duquesa da Cornualha fosse conhecida como rainha quando chegasse a hora.

    Em uma mensagem comemorando o 70º aniversário de sua ascensão ao trono britânico, ela disse: “Quando, na plenitude do tempo, meu filho Charles se tornar rei, eu sei que vocês darão a ele e sua esposa Camilla o mesmo apoio que deram mim; e é meu desejo sincero que, quando chegar a hora, Camilla seja conhecida como rainha consorte, pois continua seu próprio serviço leal”.

    Em resposta, um porta-voz de Charles e Camilla disse que eles estavam “tocados e honrados pelas palavras de Sua Majestade”.

    Foi uma intervenção extremamente significativa da monarca, a única pessoa que pode definir títulos reais.

    O movimento de Elizabeth para tornar a monarquia à prova do futuro enfatizou que Camilla não era mais vista – nem publicamente nem dentro dos muros do palácio – como a amante real, mas sim como uma figura central no coração da “firma”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original