Quem é a princesa Anne, irmã do rei Charles III | Mundo | G1

Por France Presse


Princesa Real, Anne, durante evento que carregou o caixão com o corpo da rainha Elizabeth II até o salão de Westminster — Foto: Martin Meissner/Pool via REUTERS

A princesa Anne, ou também, princesa real, título que ostenta desde 1987 como a filha mais velha da rainha Elizabeth II, é uma das imagens mais surpreendentes das cerimônias de despedida à monarca.

Desde sua simplicidade até o momento em que se curvou diante do caixão da mãe, Anne começou a ganhar destaque internacional, que ela pouco teve durante o período de vida da rainha Elizabeth II.

Rei Charles III, princesa Anne e o príncipe Andrew durante evento em memória da rainha Elizabeth II — Foto: Kai Pfaffenbach/REUTERS

Na segunda-feira (12), ela caminhou ao lado do rei Charles III e de seus dois irmãos durante a procissão que levou o caixão da monarca do castelo de Holyroodhouse até a catedral de Saint Giles.

A situação se repete nesta quarta-feira quando ela acompanha também o transporte do corpo de Buckingham até o salão em Westminster.

Tentativa de sequestro

Princesa Anne durante a disputa dos jogos olímpicos de 1976 em Montreal, no Canadá — Foto: AP Foto/Arquivo

Anne tem a reputação de ser a integrante mais diligente da família, combinando uma carreira no hipismo que a levou a disputar os Jogos Olímpicos (Montreal-1976) com uma vida de compromissos públicos com um ritmo constantes mas discreto, longe dos escândalos nos últimos anos.

Com a mesma sinceridade que caracterizou seu pai, o príncipe Philip, ela já afirmou que seu caráter "não corresponde à imagem que todos têm de uma princesa de conto de fadas".

"Você aprende da maneira mais difícil", disse. "Não há escola para a realeza", acrescentou.

Quem é quem na Família Real Britânica

Quem é quem na Família Real Britânica

Anne, considerada fria e às vezes criticada por seu humor áspero, nunca tentou agradar a imprensa, por considerar que não está em sua posição para "fazer acrobacias".

A princesa, que escreve os próprios discursos, fez seu caminho no sistema real de seus pais, mas escolheu uma vida mais moderna para seus filhos.

Também conquistou respeito por apoiar mais de 300 obras de caridade, ONGs e regimentos militares.

Princesa Anne visita seu guarda-costas que foi baleado durante a tentativa de sequestro, em 1974 — Foto: AP Foto/Arquivo

Em 1974, Anne foi alvo de uma tentativa de sequestro quando seu veículo sofreu um ataque. Dois policiais, o motorista e uma pessoa que passava pelo local foram feridos por tiros.

Um documento publicado pelo Arquivo Nacional revelou mais tarde que o agressor Ian Ball apontou a arma para Anne e disse: "Quero que venha comigo por um dia ou dois porque quero dois milhões de libras. Vai subir no meu carro?".

Anne respondeu sem hesitar: "De nenhuma maneira. E não tenho dois milhões de libras".

Amazona habilidosa

Princesa Anne montada sobre seu cavalo em março de 1973 — Foto: Peter Kemp/AP/Arquivo

Nascida em 15 de agosto de 1950, Anne herdou a paixão de sua mãe por cavalos e rapidamente virou uma amazona habilidosa. Em 1971 venceu o campeonato europeu de concurso completo.

"Via (na carreira esportiva) o meio de demonstrar que tinha algo além da minha família e que a vitória ou derrota dependiam apenas de mim", explicou.

Em 1988 ela se tornou membro do Comitê Olímpico Internacional (COI) e integrou o comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Londres-2012.

Em 1972, seu casamento com o oficial do exército e campeão olímpico de hipismo Mark Phillips foi assistido por 500 milhões de telespectadores.

Membros da família real fazem aparição em famosa varanda durante comemoração do Jubileu de Platina da Rainha — Foto: Jonathan Brady/Pool Photo via AP

O casal teve dois filhos, Peter e Zara, e rompendo a tradição ambos decidiram que Mark Phillips não receberia nenhum título real para que as crianças pudessem ter a liberdade de seguir a própria vida.

Eles se divorciaram em 1992 e, nove meses depois, a princesa se casou com o capitão de fragata Timothy Laurence.

O casamento aconteceu na Escócia porque a Igreja Anglicana não permite uniões de pessoas divorciadas.

Segundo o site da família real, ela ajuda centenas de insituições de caridade.

Veja também

Mais lidas

Mais do G1