Os melhores 8 livros de Karl Marx [PDF] | InfoLivros.org
Home > Autores Clássicos > Karl Marx

Os melhores 8 livros de Karl Marx [PDF]

Hoje trazemos a você um compêndio com os melhores livros de Karl Marx em formato PDF. Mas primeiro, um pouco de história sobre o criador do marxismo.

Karl Heinrich Marx foi um dos nove filhos nascidos de Heinrich e Henrietta Marx em Trier, na Prússia. Seu pai era um advogado de sucesso que venerava Kant e Voltaire, e era um ativista apaixonado pela reforma prussiana.

Embora ambos os pais fossem judeus de ascendência rabínica, o pai de Karl se tornou ao cristianismo em 1816, aos 35 anos de idade. Aos 6 anos de idade, Karl foi batizado junto com as outras crianças.

Marx era um estudante médio. Ele foi educado em casa até os 12 anos de idade e passou cinco anos, de 1830 a 1835, na escola secundária jesuíta em Trier. O diretor da escola, um amigo do pai de Marx, era liberal e kantiano, e desconfiava das autoridades.

Em outubro de 1835, Marx começou a trabalhar na Universidade de Bonn. Em seus dois semestres lá, ele foi preso por embriaguez e perturbação da paz, contraiu dívidas e participou de um duelo. No final do ano, o pai de Marx insistiu para que ele se matriculasse na Universidade de Berlim, mais séria.

Em Berlim, ele estudou direito e filosofia e foi apresentado à filosofia de G.W.F. Hegel. Marx não estava inicialmente apaixonado por Hegel, mas logo se envolveu com os Jovens Hegelianos, incluindo Bruno Bauer e Ludwig Feuerbach, que criticaram os estabelecimentos políticos e religiosos da época.

Em 1836, Marx tornou-se noivo secreto de Jenny von Westphalen, de uma respeitada família em Trier, que tinha quatro anos de idade. Isto, juntamente com seu crescente radicalismo, causou angústia a seu pai.

Marx recebeu seu doutorado da Universidade de Jena em 1841, mas sua política radical o impediu de obter um posto de professor. Ele começou a trabalhar como jornalista e, em 1842, tornou-se editor do Rheinische Zeitung, um jornal liberal em Colônia. Apenas um ano depois, o governo ordenou a supressão do papel. Em junho ele finalmente se casou com Jenny von Westphalen, e em outubro eles se mudaram para Paris.

Em Paris, junto com Arnold Ruge, Marx fundou uma revista política intitulada Anais Franco-Alemães. Apenas um único número foi publicado antes que as diferenças filosóficas entre Marx e Ruge resultassem em seu desaparecimento, mas em agosto de 1844, a revista reuniu Marx com um associado, Friedrich Engels, que viria a se tornar seu colaborador e amigo de toda a vida. Juntos, eles começaram a escrever uma crítica à filosofia de Bruno Bauer. O resultado da primeira colaboração de Marx e Engels foi publicado em 1845 como A Sagrada Família.

Mais tarde naquele ano, Marx mudou-se para a Bélgica depois de ser expulso da França enquanto escrevia para outro jornal radical, Vorwärts! Em Bruxelas, Moisés Hess introduziu Marx no socialismo. Ele escreveu «A Ideologia Alemã», na qual ele desenvolveu pela primeira vez sua teoria do materialismo histórico.

No início de 1846, Marx fundou um Comitê Comunista de Correspondência numa tentativa de ligar socialistas de toda a Europa. Inspirados por suas idéias, os socialistas na Inglaterra realizaram uma conferência e formaram a Liga Comunista, e em 1847, em uma reunião do Comitê Central em Londres, a organização pediu a Marx e Engels que escrevessem o Manifesto do Partido Comunista.

Este trabalho foi publicado em 1848, e logo depois, em 1849, Marx foi expulso da Bélgica. Ele foi para a França, mas também foi deportado de lá. A Prússia se recusou a renaturalizá-lo, então Marx se mudou para Londres. Embora a Grã-Bretanha lhe tenha negado a cidadania, ele permaneceu em Londres até sua morte.

Em Londres, Marx ajudou a fundar a Sociedade Alemã de Educação dos Trabalhadores e uma nova sede para a Liga Comunista. Ele continuou a trabalhar como jornalista por 10 anos como correspondente do New York Daily Tribune de 1852 a 1862, mas nunca ganhou um salário suficiente e foi amplamente apoiado por Engels.

Marx concentrou-se cada vez mais no capitalismo e na teoria econômica e, em 1867, publicou o primeiro volume de seu trabalho sobre economia, «Capital». O resto de sua vida foi passada escrevendo e revisando manuscritos para volumes adicionais, que ele não completou.

Marx morreu de pleurisia em Londres em 14 de março de 1883.

1) O Manifesto Comunista

O Manifesto do Partido Comunista, frequentemente referido simplesmente como o Manifesto Comunista, é um dos tratados políticos mais influentes da história. Trata-se de um manifesto encomendado pela Liga dos Comunistas a Karl Marx e Friedrich Engels entre 1847 e 1848, e publicado pela primeira vez em Londres em 21 de fevereiro de 1848.

É um texto inicial de Marx e Engels, já refletindo os fundamentos do marxismo, incluindo a concepção materialista da história. No entanto, ela ainda é anterior ao desenvolvimento da economia marxista, bem como a eventos históricos que tornaram obsoletos alguns aspectos do manifesto, de acordo com os próprios Marx e Engels.

2) O 18 de Brumário de Luís Bonaparte

O 18 de Brumário de Luís Bonaparte é uma obra escrita entre dezembro de 1851 e março de 1852, publicada na revista «Die Revolution», fundada por Joseph Weydemeyer, amigo de Marx, e publicada em alemão em Nova York.

Neste trabalho, Marx tenta explicar como o golpe de Estado de 2 de dezembro de 1851 em Paris por Louis Bonaparte foi provocado como resultado da luta de classes e das condições materiais que cada classe defendia.

O texto começa com a famosa frase de Marx «A história acontece duas vezes: a primeira como uma grande tragédia e a segunda como uma farsa miserável», parodiando assim o golpe encenado por Louis Napoleão Bonaparte como uma imitação inferior do verdadeiro 18 de Brumaire: o golpe encenado em 9 de novembro de 1799 (18 de Brumaire do ano VIII, segundo o calendário republicano) por Napoleão Bonaparte.

3) Teses sobre Feuerbach

As Teses sobre Feuerbach são onze breves notas filosóficas escritas em 1845. Eles resumem uma crítica às idéias do jovem filósofo pós-Hegeliano Ludwig Feuerbach. Entretanto, este texto é frequentemente visto de forma mais ampla, pois critica o materialismo contemplativo dos jovens Hegelianos em todas as formas de idealismo filosófico.

As teses sublinharam explicitamente o papel que a práxis, a ação, deveria desempenhar de acordo com a visão do mundo marxista. Ao fazê-lo, Marx pretendia fazer a ruptura com Hegel que os idealistas – entre eles Feuerbach – não haviam conseguido alcançar. Estes idealistas, segundo a crítica de Marx, produziram uma filosofia poderosa, mas muito abstrata.

4) Salário, Preço e Lucro

Salários, preço e lucro» é uma transcrição de uma série de palestras em inglês proferidas para a Primeira Associação Internacional do Trabalho dos Trabalhadores, em 20 e 27 de junho de 1865.

Nesta polêmica, Marx tentou refutar a base teórica da política econômica do socialista ricardiano John Weston, que alegou que os aumentos salariais não poderiam melhorar a situação dos trabalhadores e que a atividade dos sindicatos tinha que ser reconhecida como perniciosa, o relatório deu um golpe nos protestantes e nos Lassalleanos, que mantiveram uma atitude negativa em relação à luta econômica dos trabalhadores e em relação aos sindicatos.

No processo de crítica a Weston, Marx explica suas teorias sobre a mais-valia e a queda da taxa de lucro em inglês incisivo.

5) Trabalho Assalariado e Capital

Trabalho Assalariado e Capital é um ensaio sobre economia escrito em 1847 e publicado pela primeira vez em artigos no Neue Rheinische Zeitung, em abril de 1849.

As idéias expressas no ensaio têm uma contemplação econômica muito profunda sobre elas, pois Marx deixou de lado algumas de suas concepções materialistas da história pelo momento.

No entanto, este ensaio começou a mostrar uma base científica maior para suas ideias de trabalho alienado que, na opinião de Marx, levaria eventualmente à revolução proletária.

6) Miséria da Filosofia

A Miséria da Filosofia é um livro escrito em 1847 por Karl Marx e publicado em Paris e Bruxelas. Este livro é uma crítica da Economia e Filosofia de Proudhon fazendo uma ironia com o subtítulo da obra do adversário; uma crítica marxiana, à qual Proudhon nunca respondeu publicamente. É um volume único e foi publicado um ano depois de Contradições.

No início ele vendeu pouco na época, se juntaria à lista dos livros pouco vendidos durante a vida do autor, até se tornar sucesso no meio operário, mas apenas no século XX.

7) Crítica ao Programa de Gotha

A Crítica do Programa Gotha é um trabalho chave escrito em 1875 por ocasião do projeto de programa a ser adotado no Congresso de Gotha, que deveria fundir a Associação Geral dos Trabalhadores Lassalinos da Alemanha e o Partido Social Democrata Marxista dos Trabalhadores da Alemanha num novo partido, o Partido Socialista dos Trabalhadores da Alemanha, que em 1891 deveria tomar o nome do Partido Social Democrata Alemão (SPD).

A crítica de Marx – um documento intitulado «Glosas Marginal no Programa do Partido dos Trabalhadores Alemão» – era inicialmente conhecida apenas por um círculo restrito de líderes, e o trabalho não foi publicado até 1891.

8) A Guerra Civil na França

A Guerra Civil na França foi um panfleto escrito como uma declaração oficial do Conselho Geral da Associação Internacional dos Trabalhadores sobre o caráter e o significado da luta dos comunheiros na Comuna de Paris.

Entre meados de abril e o final de maio de 1871, Karl Marx, então morando em Londres, recolheu recortes de jornais em inglês, francês e alemão sobre o progresso da Comuna de Paris, o que colocou os trabalhadores radicais de Paris contra as forças conservadoras de Versalhes.

A idéia original de Marx era escrever um discurso aos trabalhadores de Paris, e ele fez uma proposta nesse sentido ao conselho geral da Associação Internacional dos Trabalhadores em 28 de março de 1871, uma proposta que recebeu aprovação unânime.