Pacto de Varsóvia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pacto de Varsóvia
Emblema do Pacto de Varsóvia.
No círculo, lê-se: "União da Paz e do Socialismo."
Warsaw Pact in 1990 (orthographic projection).svg

Estados-membros do Pacto de Varsóvia.
Lema "Союз мира и социализма (russo) - "união de paz e socialismo""
Tipo Aliança militar
Fundação 14 de maio de 1955
Extinção 1 de julho de 1991
Sede Moscou,  União Soviética
Membros Bulgária Bulgária

Checoslováquia Checoslováquia
Alemanha Oriental Alemanha Oriental
Hungria Hungria
Polónia Polónia
Roménia Roménia
União Soviética União Soviética
Albânia Albânia (retirou-se em 1968)

A Organização do Tratado de Varsóvia[1] (OTV), oficialmente o Tratado de Amizade, Cooperação e Assistência Mútua,[2] comumente conhecido como Pacto de Varsóvia (PV),[3] foi uma aliança militar assinada em Varsóvia, Polônia, entre a União Soviética e sete outras repúblicas socialistas do Bloco Oriental da Europa Central e Oriental em maio de 1955, durante a Guerra Fria. O Pacto de Varsóvia foi o complemento militar do Conselho para Assistência Econômica Mútua (CoMEcon), a organização econômica regional dos Estados socialistas europeus. O acordo foi criado em reação à integração da Alemanha Ocidental na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN)[4][5][6][7] em 1955, conforme as Conferências de Londres e Paris de 1954.[8][9][10] [11][12][13]

Dominado pela União Soviética, o Pacto de Varsóvia foi estabelecido como um equilíbrio de poder ou contrapeso à OTAN.[14][15] Não houve confronto militar direto entre as duas organizações; em vez disso, o conflito foi travado numa base ideológica e em guerras por procuração. Tanto a OTAN como o Pacto de Varsóvia levaram à expansão das forças militares e à sua integração nos respectivos blocos.[15] Seu maior envolvimento militar foi a invasão da Tchecoslováquia pelo Pacto de Varsóvia em agosto de 1968 (com a participação de todas as nações do Pacto, exceto Albânia e Romênia),[14] que, em parte, resultou na retirada da Albânia do Pacto menos de um mês depois. O Pacto começou a se desfazer com a propagação das Revoluções de 1989 pelo Bloco Oriental, começando com o Movimento Solidariedade na Polônia,[16] seu sucesso eleitoral em junho de 1989 e o Piquenique Pan-Europeu em agosto de 1989.[17]

A Alemanha Oriental retirou-se do Pacto após a reunificação alemã em 1990. Em 25 de fevereiro de 1991, em uma reunião na Hungria, o Pacto foi declarado encerrado pelos ministros da Defesa e das Relações Exteriores dos seis estados membros restantes. A própria URSS foi dissolvida em dezembro de 1991, embora a maioria das ex-repúblicas soviéticas tenham formado a Organização do Tratado de Segurança Coletiva pouco depois. Nos 20 anos seguintes, os países do Pacto de Varsóvia fora da URSS aderiram à OTAN (Alemanha Oriental por meio de sua reunificação com a Alemanha Ocidental; e a República Tcheca e a Eslováquia como países separados), assim como os Estados bálticos que faziam parte da União Soviética.

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

O Palácio Presidencial em Varsóvia, Polônia, onde o Pacto de Varsóvia foi estabelecido e assinado em 14 de maio de 1955

Antes da criação do Pacto de Varsóvia, a liderança da Checoslováquia, com medo de uma Alemanha rearmada, procurou criar um pacto de segurança com a Alemanha Oriental e a Polônia.[12] Esses Estados protestaram fortemente contra a remilitarização da Alemanha Ocidental.[18] O Pacto de Varsóvia foi estabelecido como consequência do rearmamento da Alemanha Ocidental dentro da OTAN. Os líderes soviéticos, como muitos países europeus de ambos os lados da Cortina de Ferro, temiam que a Alemanha voltasse a ser uma potência militar e uma ameaça direta. As consequências do militarismo alemão permaneceram uma memória fresca entre os soviéticos e os europeus orientais.[5][6][19][20][21] Como a União Soviética já tinha presença armada e dominação política em todos os seus Estados satélites do leste, o Pacto foi considerado "supérfluo"[22] e por causa da maneira apressada em que foi concebido, funcionários da OTAN o rotularam como um 'castelo de papelão'.[23]

A Cortina de Ferro, em preto
  Membros do Pacto de Varsóvia
  Membros da OTAN

O ponto preto representa Berlim Ocidental. A Albânia reteve seu apoio ao Pacto de Varsóvia em 1961 devido à ruptura soviético-albanesa e se retirou formalmente em 1968.

A URSS, temendo a restauração do militarismo alemão na Alemanha Ocidental, sugeriu em 1954 que se juntasse à OTAN, mas isso foi rejeitado pelos Estados Unidos e Reino Unido.[24]

O pedido soviético de adesão à OTAN surgiu após a Conferência de Berlim de janeiro-fevereiro de 1954. O ministro das Relações Exteriores soviético Molotov fez propostas para a reunificação da Alemanha [25] e eleições para um governo pan-germânico,[26] sob condições de retirada dos exércitos das quatro potências e neutralidade alemã,[27] mas todas foram recusadas pelos outros ministros de relações exteriores: Dulles (EUA), Eden (Reino Unido) e Bidault (França).[28] As propostas para a reunificação da Alemanha não eram novidade: mais cedo, em 20 de março de 1952, as conversas sobre uma reunificação alemã, iniciadas pela chamada 'Nota de Stalin', terminaram depois que o Reino Unido, a França e os Estados Unidos insistiram que uma Alemanha unificada não deve ser neutra e deve ser livre para aderir à Comunidade Europeia de Defesa (EDC, sigla em inglês) e se rearmar. James Dunn (EUA), que se reuniu em Paris com Eden, Adenauer e Robert Schuman (França), afirmaram que "o objetivo deve ser evitar discussões com os russos e pressionar a Comunidade Europeia de Defesa".[29] De acordo com John Gaddis "havia pouca inclinação nas capitais ocidentais para explorar esta oferta" da URSS.[30] Enquanto o historiador Rolf Steininger afirma que a convicção de Adenauer de que "neutralização significa sovietização" foi o principal fator na rejeição das propostas soviéticas,[31] Adenauer também temia que a unificação alemã pudesse ter resultado no fim da principal força política da CDU no Bundestag alemão.[32]

Consequentemente, Molotov, temendo que a EDC fosse dirigida no futuro contra a URSS e "procurando impedir a formação de grupos de Estados europeus dirigidos contra os outros Estados europeus", fez uma proposta para um Tratado Geral Europeu de Segurança Coletiva na Europa "aberta a todos os Estados europeus sem levar em conta seus sistemas sociais" que incluiria a Alemanha unificada (tornando assim a EDC obsoleta). Mas Eden, Dulles e Bidault se opuseram à proposta.[33]

Um mês depois, a proposta de Tratado Europeu foi rejeitada não apenas pelos partidários da EDC, mas também pelos oponentes ocidentais da Comunidade de Defesa Europeia (como o líder gaullista francês Gaston Palewski) que o consideraram "inaceitável em sua forma atual porque exclui os EUA da participação no sistema de segurança coletiva na Europa". Os soviéticos então decidiram fazer uma nova proposta aos governos dos EUA, Reino Unido e França para aceitar a participação dos EUA na proposta de Acordo Geral Europeu. Como outro argumento utilizado contra a proposta soviética era que ela era percebida pelas potências ocidentais como "dirigida contra o Pacto do Atlântico Norte e sua liquidação",[34] os soviéticos decidiram declarar sua "disposição para examinar conjuntamente com outras partes interessadas a questão da participação da URSS no bloco do Atlântico Norte", especificando que "a admissão dos EUA no Acordo Geral Europeu não deve estar condicionada à concordância das três potências ocidentais com a adesão da URSS ao Pacto do Atlântico Norte".[35]

Um cartaz dos "Grandes Sete Soviéticos", exibindo o equipamento dos militares do Pacto de Varsóvia

Mais uma vez, todas as propostas, incluindo o pedido de adesão à OTAN, foram rejeitadas pelos governos do Reino Unido, Estados Unidos e França pouco depois. Emblemática foi a posição do general britânico Hastings Ismay, um feroz defensor da expansão da OTAN. Ele se opôs ao pedido de adesão à OTAN feito pela URSS em 1954 dizendo que "o pedido soviético de adesão à OTAN é como um ladrão impenitente solicitando ingressar na força policial".[36]

Em abril de 1954, Adenauer fez sua primeira visita aos Estados Unidos, conhecendo Nixon, Eisenhower e Dulles. A ratificação da EDC foi adiada, mas os representantes dos EUA deixaram claro a Adenauer que a EDC teria que se tornar parte da OTAN.[37]

As lembranças da ocupação nazista ainda eram fortes e o rearmamento da Alemanha também era temido pela França.[6] Em 30 de agosto de 1954, o Parlamento francês rejeitou a EDC, garantindo assim seu fracasso e bloqueando um objetivo principal da política dos Estados Unidos para a Europa: associar militarmente a Alemanha Ocidental ao Ocidente. O Departamento de Estado dos EUA começou a elaborar alternativas: a Alemanha Ocidental seria convidada a aderir à OTAN ou, no caso do obstrucionismo francês, seriam implementadas estratégias para contornar um veto francês para obter o rearmamento alemão fora da OTAN.[29]

Um típico jipe militar soviético UAZ-469, usado pela maioria dos países do Pacto de Varsóvia

Em 23 de outubro de 1954 foi finalmente decidida a admissão da República Federal da Alemanha ao Pacto do Atlântico Norte. A incorporação da Alemanha Ocidental à organização em 9 de maio de 1955 foi descrita como "um ponto de virada decisivo na história do nosso continente" por Halvard Lange, então ministro das Relações Exteriores da Noruega.[38] Em novembro de 1954, a URSS solicitou um novo Tratado de Segurança Europeu,[39] a fim de fazer uma tentativa final de não ter uma Alemanha Ocidental remilitarizada potencialmente oposta à União Soviética, mas novamente não obteve sucesso.

Em 14 de maio de 1955, a URSS e outros sete países do Leste Europeu "reafirmando seu desejo de estabelecer um sistema de segurança coletiva europeia baseado na participação de todos os Estados europeus, independentemente de seus sistemas sociais e políticos" estabeleceram o Pacto de Varsóvia em resposta à integração da República Federal da Alemanha na OTAN,[5][7] declarando que: "uma Alemanha Ocidental remilitarizada e a integração desta no bloco do Atlântico Norte [...] aumentam o perigo de outra guerra e constitui uma ameaça à segurança nacional dos Estados pacíficos; [...] nestas circunstâncias, os Estados pacíficos europeus devem tomar as medidas necessárias para salvaguardar a sua segurança".[40]

Um dos membros fundadores, a Alemanha Oriental foi autorizada a se rearmar pela União Soviética e o Exército Nacional do Povo foi estabelecido como as forças armadas do país para combater o rearmamento da Alemanha Ocidental.[41]

Membros[editar | editar código-fonte]

Reunião dos sete representantes dos países do Pacto de Varsóvia em Berlim Oriental em maio de 1987. Da esquerda para a direita: Gustáv Husák, Todor Zhivkov, Erich Honecker, Mikhail Gorbachev, Nicolae Ceaușescu, Wojciech Jaruzelski e János Kádár

Os signatários fundadores do Pacto consistiam nos seguintes governos comunistas:

Observadores[editar | editar código-fonte]

 Mongólia: em julho de 1963, a República Popular da Mongólia pediu para se juntar ao Pacto de Varsóvia sob Artigo 9 do tratado.[48] Por conta da ruptura sino-soviética, no entanto, a Mongólia permaneceu com o estatuto de observador.[48] No que foi a primeira instância de uma iniciativa soviética bloqueada por um membro não soviético do Pacto de Varsóvia, a Romênia bloqueou a adesão da Mongólia ao Pacto de Varsóvia.[49][50] O governo soviético concordou em estacionar tropas na Mongólia em 1966.[51]

No início, China, Coreia do Norte e Vietnã tinham estatutos de observadores, mas a China se retirou após a ruptura sino-soviética no início dos anos 1960.[52]

Durante a Guerra Fria[editar | editar código-fonte]

Tanques soviéticos, marcados com cruzes brancas para distingui-los dos tanques da Tchecoslováquia,[53] nas ruas de Praga durante a invasão da Tchecoslováquia pelo Pacto de Varsóvia, 1968

Por 36 anos, a OTAN e o Pacto de Varsóvia nunca travaram guerra diretamente um contra o outro na Europa; os Estados Unidos e a União Soviética e seus respectivos aliados implementaram políticas estratégicas destinadas à contenção um do outro na Europa, enquanto trabalhavam e lutavam por influência dentro da Guerra Fria no cenário internacional, como na Guerra da Coreia, Guerra do Vietnã, invasão da Baía dos Porcos, Guerra Suja, Guerra Cambojana-Vietnamita e outros.[54][55]

Em 1956, após a declaração do governo de Imre Nagy sobre a retirada da Hungria do Pacto de Varsóvia, as tropas soviéticas entraram no país e removeram o governo.[56] As forças soviéticas esmagaram a revolta nacional, levando à morte de cerca de 2,5 mil cidadãos húngaros.[57]

A única ação conjunta das forças armadas comunistas multinacionais foi a invasão da Tchecoslováquia pelo Pacto de Varsóvia em agosto de 1968.[58] Todos os países membros, com exceção da República Socialista da Romênia e da República Popular da Albânia, participaram da invasão.[59] A República Democrática Alemã forneceu apenas um apoio mínimo.[59]

Fim da Guerra Fria[editar | editar código-fonte]

Em 1989, o descontentamento popular civil e político derrubou os governos comunistas dos países do Tratado de Varsóvia. O início do fim do Pacto de Varsóvia, independentemente do poder militar, foi o Piquenique Pan-Europeu em agosto de 1989. O evento, que remonta a uma ideia de Otto von Habsburg, causou o êxodo em massa de cidadãos da Alemanha Oriental e a população informada pela mídia da Europa Oriental sentiu a perda de poder de seus governantes e a Cortina de Ferro se rompeu completamente. Embora o novo governo de Solidariedade da Polônia sob Lech Wałęsa inicialmente assegurasse aos soviéticos que permaneceria no Pacto,[60] isso quebrou os suportes da Europa Oriental, que não podiam mais ser mantidos unidos militarmente pelo Pacto de Varsóvia.[61][62][63]

Em 25 de fevereiro de 1991, o Pacto de Varsóvia foi declarado dissolvido em uma reunião de ministros da Defesa e das Relações Exteriores dos países restantes do Pacto reunidos na Hungria.[64] Em 1 de julho de 1991, em Praga, o presidente tchecoslovaco Václav Havel[65] encerrou formalmente a Organização de Amizade, Cooperação e Assistência Mútua do Tratado de Varsóvia de 1955 e assim desmantelou o Tratado de Varsóvia após 36 anos de aliança militar com a URSS. [65] A dissolução da própria União Soviética ocorreu em dezembro de 1991.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A organização do Tratado de Varsóvia era dupla: o Comitê Consultivo Político tratava de assuntos políticos e o Comando Combinado das Forças Armadas do Pacto controlava as forças multinacionais designadas, com sede em Varsóvia, Polônia. Embora uma aliança de segurança coletiva aparentemente semelhante, o Pacto de Varsóvia diferia substancialmente da OTAN. De jure, os oito países membros do Pacto de Varsóvia prometeram a defesa mútua de qualquer membro que fosse atacado; as relações entre os signatários do tratado baseavam-se na não intervenção mútua nos assuntos internos dos países membros, no respeito à soberania nacional e na independência política.[66]

No entanto, de facto, o pacto era um reflexo direto do autoritarismo e do domínio indiscutível da URSS sobre o Bloco Oriental, no contexto do chamado Império Soviético, que não era comparável ao dos Estados Unidos sobre o Bloco Ocidental.[67] Todos os comandantes do Pacto de Varsóvia tinham que ser, e têm sido, oficiais superiores da União Soviética ao mesmo tempo e nomeados por um período de mandato não especificado: o Comandante Supremo das Forças Armadas Unificadas da Organização do Tratado de Varsóvia, que comandava e controlava todos os militares dos países membros, era também primeiro vice-Ministro da Defesa da URSS, e o Chefe do Estado-Maior Combinado das Forças Armadas Unificadas da Organização do Tratado de Varsóvia também era primeiro vice-Chefe do Estado-Maior Geral das Forças Armadas Soviéticas.[68]

Apesar da hegemonia estadunidense (principalmente militar e econômica) sobre a OTAN, todas as decisões da Aliança do Atlântico Norte exigiam consenso unânime no Conselho do Atlântico Norte e a entrada dos países na aliança não estava sujeita à dominação, mas sim a um processo democrático natural.[67] No Pacto de Varsóvia, pelo contrário, as decisões eram tomadas apenas pela União Soviética; os países do Pacto de Varsóvia não eram igualmente capazes de negociar sua entrada no pacto e nem a tomada de decisões.[67]

Romênia e Albânia[editar | editar código-fonte]

O Pacto de Varsóvia antes de sua invasão da Tchecoslováquia em 1968, mostrando a União Soviética e seus satélites (vermelho) e os dois membros independentes não soviéticos: Romênia e Albânia (rosa)

A Romênia e até 1968, a Albânia, eram exceções. Junto com a Iugoslávia, que rompeu com a União Soviética antes da criação do Pacto de Varsóvia, esses três países rejeitaram completamente a doutrina soviética formulada para o pacto. A Albânia deixou oficialmente a organização em 1968, em protesto contra a invasão da Tchecoslováquia. A Romênia tinha suas próprias razões para permanecer um membro formal do Pacto de Varsóvia, como o interesse de Nicolae Ceaușescu de preservar a ameaça de uma invasão do pacto para que ele pudesse se vender como nacionalista, bem como acesso privilegiado aos homólogos da OTAN e um assento na vários fóruns europeus que de outra forma ele não teria (por exemplo, a Romênia e o restante do Pacto de Varsóvia liderado pelos soviéticos formaram dois grupos distintos na elaboração do Ato Final de Helsinque).[69] Quando Andrei Grechko assumiu o comando do Pacto de Varsóvia, tanto a Romênia quanto a Albânia, para todos os efeitos práticos, desertaram do pacto. No início da década de 1960, Grechko iniciou programas destinados a impedir que as heresias doutrinárias romenas se espalhassem para outros membros do Pacto. A doutrina de defesa territorial da Romênia ameaçava a unidade e a coesão do Pacto. Nenhum outro país conseguiu escapar do Pacto de Varsóvia como a Romênia e a Albânia. Por exemplo, os esteios dos tanques da Romênia eram modelos desenvolvidos localmente. As tropas soviéticas foram enviadas para a Romênia pela última vez em 1963, como parte de um exercício do Pacto de Varsóvia. Depois de 1964, o Exército Vermelho foi impedido de retornar à Romênia, pois o país se recusou a participar de exercícios conjuntos do pacto.[70]

Um tanque romeno TR-85 em dezembro de 1989 (os tanques TR-85 e TR-580 da Romênia eram os únicos tanques não soviéticos no Pacto de Varsóvia em que restrições foram colocadas sob o Tratado CFE de 1990[71])

Mesmo antes do advento de Nicolae Ceaușescu, a Romênia era, de facto, um país independente, em oposição ao resto do Pacto de Varsóvia. Até certo ponto, era ainda mais independente do que Cuba (um Estado comunista que não era membro do Pacto de Varsóvia).[72][73] O regime romeno era amplamente impermeável à influência política soviética e Ceaușescu foi o único oponente declarado da glasnost e da perestroika. Por causa da relação contenciosa entre Bucareste e Moscou, o Ocidente não responsabilizou a União Soviética pelas políticas seguidas por Bucareste. Não foi o caso de outros países da região, como Tchecoslováquia e Polônia.[74] No início de 1990, o ministro das Relações Exteriores soviético, Eduard Shevardnadze, confirmou implicitamente a falta de influência soviética sobre a Romênia de Ceaușescu. Quando perguntado se fazia sentido para ele visitar a Romênia menos de duas semanas após a Revolução Romena, Shevardnadze insistiu que somente indo pessoalmente à Romênia ele poderia descobrir como "restaurar a influência soviética".[75]

A Romênia solicitou e obteve a retirada completa do Exército Vermelho de seu território em 1958. A campanha romena pela independência culminou em 22 de abril de 1964, quando o Partido Comunista Romeno emitiu uma declaração proclamando que "todo partido marxista-leninista tem o direito soberano... de elaborar, escolher ou mudar as formas e métodos de construção socialista", que "não existe partido 'pai' e partido 'filho', nem partidos 'superiores' e 'subordinados', mas apenas a grande família de partidos comunistas e operários com direitos iguais" e também que "não há e não pode haver padrões e receitas únicas". Isso equivalia a uma declaração de independência política e ideológica de Moscou.[76][77][78][79]

O romeno IAR-93 Vultur foi o único jato de combate projetado e construído por um membro não soviético do Pacto de Varsóvia[80]

Após a retirada da Albânia do Pacto de Varsóvia, a Romênia permaneceu o único membro do Pacto com uma doutrina militar independente que negou o uso de suas forças armadas pela União Soviética e evitou a dependência absoluta de fontes soviéticas de equipamento militar.[81] A Romênia era o único membro não soviético do pacto que não era obrigado a defender militarmente a União Soviética em caso de ataque armado.[82] A Bulgária e a Romênia eram os únicos membros do Pacto de Varsóvia que não tinham tropas soviéticas estacionadas em seu território.[83] Em dezembro de 1964, a Romênia tornou-se o único membro do pacto (exceto a Albânia, que deixaria a organização completamente dentro de quatro anos) do qual todos os conselheiros soviéticos foram retirados, incluindo os dos serviços de inteligência e segurança.[84] Não só a Romênia não participou de operações conjuntas com a KGB, mas também criou "departamentos especializados em contra-espionagem anti-KGB".[85]

A Romênia foi neutra durante a divisão sino-soviética.[86][87][88] Sua neutralidade na disputa sino-soviética, além de ser o pequeno país comunista com maior influência nos assuntos globais, permitiu que a Romênia fosse reconhecida pelo mundo como a "terceira força" do mundo comunista. A independência da Romênia - conquistada no início dos anos 1960 por meio da liberação de seu status de satélite soviético - foi tolerada por Moscou porque a Romênia não fazia fronteira com a Cortina de Ferro - sendo cercada por Estados socialistas - e porque seu partido no poder não abandonaria o comunismo.[89][90]

Embora certos historiadores, como Robert King e Dennis Deletant, argumentem contra o uso do termo "independente" para descrever as relações da Romênia com a União Soviética, favorecendo o termo "autonomia" por conta da participação contínua do país no Comecon e no Pacto de Varsóvia ao longo com seu compromisso com o socialismo, esta abordagem não explica por que a Romênia bloqueou em julho de 1963 a adesão da Mongólia ao Pacto de Varsóvia, por que a Romênia votou a favor de uma resolução da ONU para estabelecer uma zona livre de armas nucleares na América Latina em novembro de 1963 quando o outros países socialistas se abstiveram, ou por que em 1964 a Romênia se opôs à "forte resposta coletiva" proposta pelos soviéticos contra a China (e estes são exemplos apenas do período 1963-1964).[91] A desinformação soviética tentou convencer o Ocidente de que o empoderamento de Ceaușescu era uma dissimulação em conivência com Moscou.[92] Até certo ponto isso funcionou, pois alguns historiadores passaram a ver a mão de Moscou por trás de cada iniciativa romena. Por exemplo, quando a Romênia se tornou o único país do Leste Europeu a manter relações diplomáticas com Israel, alguns historiadores especularam que isso ocorreu por capricho de Moscou. No entanto, esta teoria falha após uma inspeção mais detalhada.[93] Mesmo durante a Guerra Fria, alguns pensavam que as ações romenas foram feitas a mando dos soviéticos, mas a raiva soviética por essas ações era "persuasivamente genuína". Na verdade, os soviéticos não deixaram de se alinhar publicamente com o Ocidente contra os romenos às vezes.[94]

Estratégia[editar | editar código-fonte]

A estratégia por trás da formação do Pacto de Varsóvia era impulsionada pelo desejo da União Soviética de impedir que a Europa Central e Oriental fosse usada como base para seus inimigos. Sua política também foi impulsionada por razões ideológicas e geoestratégicas. Ideologicamente, a União Soviética se arrogou o direito de definir o socialismo e o comunismo no mundo e agir como líder do movimento socialista global. Um corolário disso era a necessidade de intervenção se um país parecesse estar violando as ideias socialistas centrais, explicitamente declaradas na Doutrina Brezhnev.[95]

Pós-Pacto de Varsóvia[editar | editar código-fonte]

Expansão da OTAN antes e depois do colapso do comunismo em toda a Europa Central e Oriental

Em 12 de março de 1999, a República Tcheca, a Hungria e a Polônia aderiram à OTAN; Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia e Eslováquia aderiram em março de 2004; a Albânia aderiu em 1 de abril de 2009.[96][97]

A Rússia e alguns outros estados pós-URSS aderiram à Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO) em 1992, ou os Cinco de Xangai em 1996, que foi renomeada para Organização de Cooperação de Xangai (SCO) após a adição do Uzbequistão em 2001. 

Em novembro de 2005, o governo polonês abriu seus arquivos do Tratado de Varsóvia para o Instituto de Memória Nacional, que publicou cerca de 1,3 mil documentos desclassificados em janeiro de 2006, mas o governo polonês reservou a publicação de 100 documentos, aguardando sua desclassificação militar. Eventualmente, 30 dos 100 documentos reservados foram publicados; 70 permaneceram secretos e inéditos. Entre os documentos publicados estava o plano de guerra nuclear do Tratado de Varsóvia, Sete Dias para o Rio Reno – uma invasão e captura curta e rápida da Áustria, Dinamarca, Alemanha e Países Baixos a leste do rio Reno, usando armas nucleares após um suposto primeiro ataque da OTAN.[98][99]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Milestones: 1953–1960 - Office of the Historian». history.state.gov 
  2. «Text of Warsaw Pact» (PDF). United Nations Treaty Collection. Consultado em 22 de agosto de 2013. Arquivado do original (PDF) em 2 de outubro de 2013 
  3. «Introduction». www.php.isn.ethz.ch 
  4. Yost, David S. (1998). NATO Transformed: The Alliance's New Roles in International Security. Washington, DC: U.S. Institute of Peace Press. p. 31. ISBN 1-878379-81-X 
  5. a b c «Formation of Nato and Warsaw Pact». History Channel. Consultado em 22 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2015 
  6. a b c «The Warsaw Pact is formed». History Channel. Consultado em 22 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2015 
  7. a b "In reaction to West Germany's NATO accession, the Soviet Union and its Eastern European client states formed the Warsaw Pact in 1955." Citation from: NATO website. «A short history of NATO». nato.int. Consultado em 24 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 26 de março de 2017 
  8. Broadhurst, Arlene Idol (1982). The Future of European Alliance Systems. Boulder, Colorado: Westview Press. p. 137. ISBN 0-86531-413-6 
  9. Christopher Cook, Dictionary of Historical Terms (1983)
  10. The New Fontana Dictionary of Modern Thought, third edition, 1999, pp. 637–8
  11. The Columbia Enclopedia, quinta edição (1993) p. 2926
  12. a b The Warsaw Pact Reconsidered: International Relations in Eastern Europe, 1955–1969 Laurien Crump Routledge, p. 21–22, 11.02.2015
  13. The Oder-Neisse Line: The United States, Poland, and Germany in the Cold War Debra J. Allen page 158 "Treaties approving Bonn's participation in NATO were ratified in May 1955...shortly thereafter Soviet Union...created the Warsaw Pact to counter the perceived threat of NATO"
  14. a b Amos Yoder (1993). Communism in Transition: The End of the Soviet Empires. [S.l.]: Taylor & Francis. p. 58. ISBN 978-0-8448-1738-5. Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  15. a b Bob Reinalda (11 de setembro de 2009). Routledge History of International Organizations: From 1815 to the Present Day. [S.l.]: Routledge. p. 369. ISBN 978-1-134-02405-6. Consultado em 1 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de janeiro de 2016 
  16. [1] Arquivado 2015-12-23 no Wayback Machine Cover Story: The Holy Alliance By Carl Bernstein Sunday, June 24, 2001
  17. Thomas Roser: DDR-Massenflucht: Ein Picknick hebt die Welt aus den Angeln (German – Mass exodus of the GDR: A picnic clears the world) in: Die Presse 16 August 2018
  18. Europa Antoni Czubiński Wydawn.
  19. World Politics: The Menu for Choice page 87 Bruce Russett, Harvey Starr, David Kinsella – 2009 The Warsaw Pact was established in 1955 as a response to West Germany's entry into NATO; German militarism was still a recent memory among the Soviets and East Europeans.
  20. "When the Federal Republic of Germany entered NATO in early May 1955, the Soviets feared the consequences of a strengthened NATO and a rearmed West Germany".
  21. "1955: Depois de se opor à admissão da Alemanha na OTAN, a União Soviética junta-se à Albânia, Bulgária, Tchecoslováquia, Alemanha Oriental, Hungria, Polônia e Romênia na formação o Pacto de Varsóvia."
  22. The Warsaw Pact Reconsidered: International Relations in Eastern Europe, 1955–1969 Laurien Crump Routledge, pp. 17, 11.02.2015
  23. The Warsaw Pact Reconsidered: International Relations in Eastern Europe, 1955–1969 Laurien Crump Routledge, p. 1, 11.02.2015
  24. "1954: Soviet Union suggests it should join NATO to preserve peace in Europe.
  25. Molotov 1954a, pp. 197,201.
  26. Molotov 1954a, p. 202.
  27. Molotov 1954a, pp. 197–198, 203, 212.
  28. Molotov 1954a, pp. 211–212, 216.
  29. Steininger, Rolf (1991). The German Question: The Stalin Note of 1952 and the Problem of Reunification. [S.l.]: Columbia Univ Press 
  30. Gaddis, John (1997). We Know Now: Rethinking Cold War History. [S.l.]: Clarendon Press 
  31. Steininger, Rolf (1991). The German Question: The Stalin Note of 1952 and the Problem of Reunification. [S.l.]: Columbia Univ Press 
  32. Steininger, Rolf (1991). The German Question: The Stalin Note of 1952 and the Problem of Reunification. [S.l.]: Columbia Univ Press 
  33. Molotov 1954a, p. 214.
  34. Molotov 1954a, p. 216,.
  35. «MOLOTOV'S PROPOSAL THAT THE USSR JOIN NATO, MARCH 1954». Wilson Center. Consultado em 1 de agosto de 2013. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2014 
  36. Ian Traynor (17 de junho de 2001). «Soviets tried to join Nato in 1954». the Guardian. Consultado em 18 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 16 de fevereiro de 2017 
  37. Adenauer 1966a, p. 662.
  38. «West Germany accepted into Nato». BBC News. 9 de maio de 1955. Consultado em 17 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 6 de janeiro de 2012 
  39. "Indivisible Germany: Illusion or Reality?"
  40. «Text of the Warsaw Security Pact (see preamble)». Avalon Project. Consultado em 31 de julho de 2013. Arquivado do original em 15 de maio de 2013 
  41. «No shooting please, we're German». The Economist. 13 de outubro de 2012. Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 23 de agosto de 2018 
  42. a b c d e «The Warsaw Pact is formed - May 14, 1955 - HISTORY.com». Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 18 de agosto de 2018 
  43. Webb, Adrian (9 de setembro de 2014). Adrian Webb, Routledge, 9 sept. 2014, Longman Companion to Germany Since 1945, p. 59. [S.l.: s.n.] ISBN 9781317884248 
  44. Bozo, Édéric (2009). Frédéric Bozo, Berghahn Books, 2009, Mitterrand, the End of the Cold War, and German Unification, p. 297. [S.l.: s.n.] ISBN 9781845457877 
  45. Winkler, Heinrich August (2006). Heinrich August Winkler, Oxford University Press, 2006, Germany: 1933-1990, p. 537. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-19-926598-5 
  46. Childs, David (17 de dezembro de 2014). David Childs, Routledge, 17 dec. 2014, Germany in the Twentieth Century, p. 261. [S.l.: s.n.] ISBN 9781317542285 
  47. Gray, Richard T.; Wilke, Sabine (1996). Richard T. Gray, Sabine Wilke, University of Washington Press, 1996, German Unification and Its Discontents, p. 54 (LIV). [S.l.: s.n.] ISBN 9780295974910 
  48. a b Mastny, Vojtech; Byrne, Malcolm (1 de janeiro de 2005). A Cardboard Castle?: An Inside History of the Warsaw Pact, 1955-1991. [S.l.]: Central European University Press. ISBN 9789637326080. Consultado em 23 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2018 – via Google Books 
  49. Crump, Laurien (11 de fevereiro de 2015). Laurien Crump, Routledge, Feb 11, 2015, The Warsaw Pact Reconsidered: International Relations in Eastern Europe, 1955-1969, p. 77. [S.l.: s.n.] ISBN 9781317555308 
  50. Lüthi, Lorenz M. (19 de março de 2020). Lorenz M. Lüthi, Cambridge University Press, Mar 19, 2020, Cold Wars: Asia, the Middle East, Europe, p. 398. [S.l.: s.n.] ISBN 9781108418331 
  51. «Soviet Troops to Leave Mongolia in 2 Years». 3 de março de 1990. Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 10 de outubro de 2018 – via LA Times 
  52. ABC-CLIO (3 de março de 1990). «Warsaw Treaty Organization». Consultado em 29 de agosto de 2020 
  53. «1968 - The Prague Spring». Austria 1989 - Year of Miracles (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2019. Arquivado do original em 8 de julho de 2019 
  54. «America Wasn't the Only Foreign Power in the Vietnam War». 2 de outubro de 2013. Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 12 de junho de 2018 
  55. «Crisis Points of the Cold War - Boundless World History». courses.lumenlearning.com. Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 23 de agosto de 2018 
  56. «The Hungarian Uprising of 1956 - History Learning Site». Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 23 de agosto de 2018 
  57. Percival, Matthew. «Recalling the Hungarian revolution, 60 years on». CNN. Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 23 de agosto de 2018 
  58. «Soviets Invade Czechoslovakia - Aug 20, 1968 - HISTORY.com». Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 23 de agosto de 2018 
  59. a b Nosowska, Agnieszka. «Warsaw Pact invasion of Czechoslovakia». www.enrs.eu. Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 23 de agosto de 2018 
  60. Trainor, Bernard E. (22 de agosto de 1989). «Polish Army: Enigma in the Soviet Alliance». The New York Times. Consultado em 29 de maio de 2021. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2017 
  61. Miklós Németh in Interview with Peter Bognar, Grenzöffnung 1989: „Es gab keinen Protest aus Moskau“ (German - Border opening in 1989: There was no protest from Moscow), in: Die Presse 18 August 2014.
  62. „Der 19.
  63. Michael Frank: Paneuropäisches Picknick – Mit dem Picknickkorb in die Freiheit (German: Pan-European picnic - With the picnic basket to freedom), in: Süddeutsche Zeitung 17 May 2010.
  64. «Warsaw Pact and Comecon To Dissolve This Week». Csmonitor.com. 26 de fevereiro de 1991. Consultado em 4 de junho de 2012. Arquivado do original em 4 de agosto de 2012 
  65. a b Greenhouse, Steven (2 de julho de 1991). «DEATH KNELL RINGS FOR WARSAW PACT». The New York Times. Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 23 de agosto de 2018 
  66. «How the Russians Used the Warsaw Pact». Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 23 de agosto de 2018 
  67. a b c «Differences Between Nato and the Warsaw Pact». Atlantische Tijdingen (57): 1–16. 1967. JSTOR 45343492. Consultado em 9 de janeiro de 2022 
  68. Fes'kov, V. I.; Kalashnikov, K. A.; Golikov, V. I. (2004). Sovetskai͡a Armii͡a v gody "kholodnoĭ voĭny," 1945–1991 [The Soviet Army in the Cold War Years (1945–1991)]. Tomsk: Tomsk University Publisher. p. 6. ISBN 5-7511-1819-7 
  69. Ben-Dor, Gabriel; Dewitt, David Brian (1987). Gabriel Ben-Dor, David Brian Dewitt, Lexington Books, 1987, Conflict Management in the Middle East, p. 242. [S.l.: s.n.] ISBN 9780669141733 
  70. Goldman, Emily O.; Eliason, Leslie C. (2003). Emily O. Goldman, Leslie C. Eliason, Stanford University Press, 2003, The Diffusion of Military Technology and Ideas, pp. 140-143. [S.l.: s.n.] ISBN 9780804745352 
  71. «Office of Public Communication, Bureau of Public Affairs, 1991, US Department of State Dispatch, Volume 2, p. 13». 1991 
  72. Tismaneanu, Vladimir; Stan, Marius (17 de maio de 2018). Vladimir Tismaneanu, Marius Stan, Cambridge University Press, 17 May, 2018, Romania Confronts Its Communist Past: Democracy, Memory, and Moral Justice, p. 132. [S.l.: s.n.] ISBN 9781107025929 
  73. Cook, Bernard A.; Cook, Bernard Anthony (2001). Bernard A. Cook, Bernard Anthony Cook, Taylor & Francis, 2001, Europe Since 1945: An Encyclopedia, Volume 2, p. 1075. [S.l.: s.n.] ISBN 9780815340584 
  74. Lévesque, Jacques (28 de maio de 2021). Jacques Lévesque, University of California Press, May 28, 2021, The Enigma of 1989: The USSR and the Liberation of Eastern Europe, p. 192-193. [S.l.: s.n.] ISBN 9780520364981 
  75. Service, Robert (8 de outubro de 2015). Robert Service, Pan Macmillan, 8 October 2015, The End of the Cold War: 1985 - 1991, p. 429. [S.l.: s.n.] ISBN 9781447287285 
  76. McDermott, Kevin; Stibbe, Matthew (29 de maio de 2018). Kevin McDermott, Matthew Stibbe, Springer, May 29, 2018, Eastern Europe in 1968: Responses to the Prague Spring and Warsaw Pact Invasion, p. 195. [S.l.: s.n.] ISBN 9783319770697 
  77. Eyal, Jonathan (18 de junho de 1989). Jonathan Eyal, Springer, Jun 18, 1989, Warsaw Pact and the Balkans: Moscow's Southern Flank, p. 68. [S.l.: s.n.] ISBN 9781349099412 
  78. Valdez, Jonathan C. (29 de abril de 1993). Jonathan C. Valdez, Cambridge University Press, Apr 29, 1993, Internationalism and the Ideology of Soviet Influence in Eastern Europe, p. 51. [S.l.: s.n.] ISBN 9780521414388 
  79. Burks, Richard Voyles (8 de dezembro de 2015). Richard Voyles Burks, Princeton University Press, Dec 8, 2015, Dynamics of Communism in Eastern Europe, p. XVI. [S.l.: s.n.] ISBN 9781400877225 
  80. «Radio Free Europe/Radio Liberty, Incorporated, 1994, RFE/RL Research Report: Weekly Analyses from the RFE/RL Research Institute, Volume 3, p. 3». 1994 
  81. Leebaert, Derek; Dickinson, Timothy (1992). Derek Leebaert, Timothy Dickinson, Cambridge University Press, 1992, Soviet Strategy and the New Military Thinking, pp. 102, 110 and 113-114. [S.l.: s.n.] ISBN 9780521407694 
  82. Eyal, Jonathan (18 de junho de 1989). Jonathan Eyal, Springer, Jun 18, 1989, Warsaw Pact and the Balkans: Moscow's Southern Flank, p. 74. [S.l.: s.n.] ISBN 9781349099412 
  83. Dickerson, M. O.; Flanagan, Thomas (1990). M. O. Dickerson, Thomas Flanagan, Nelson Canada, 1990, An Introduction to Government and Politics: A Conceptual Approach, p. 75. [S.l.: s.n.] ISBN 9780176034856 
  84. Crampton, R. J. (15 de julho de 2014). R. J. Crampton, Routledge, Jul 15, 2014, The Balkans Since the Second World War, p. 189. [S.l.: s.n.] ISBN 9781317891178 
  85. Carey, Henry F. (2004). Henry F. Carey, Lexington Books, 2004, Romania Since 1989: Politics, Economics, and Society, p. 536. [S.l.: s.n.] ISBN 9780739105924 
  86. Brinton, Crane; Christopher, John B.; Wolff, Robert Lee (1973). Crane Brinton, John B. Christopher, Robert Lee Wolff, Prentice-Hall, 1973, Civilization in the West, p. 683. [S.l.: s.n.] ISBN 9780131350120 
  87. Ebenstein, William; Fogelman, Edwin (1980). William Ebenstein, Edwin Fogelman, Prentice-Hall, 1980, Today's Isms: Communism, Fascism, Capitalism, Socialism, p. 68. [S.l.: s.n.] ISBN 9780139243998 
  88. Shafir, Michael (1985). Michael Shafir, Pinter, 1985, Romania: Politics, Economics and Society : Political Stagnation and Simulated Change, p. 177. [S.l.: s.n.] ISBN 9780861874385 
  89. Ascoli, Max (1965). «Max Ascoli, Reporter Magazine, Company, 1965, The Reporter, Volume 33, p. 32» 
  90. «Yong Liu, Institutul Național pentru Studiul Totalitarismului, 2006, Sino-Romanian Relations: 1950's-1960's, p. 199» 
  91. Dragomir, Elena (12 de janeiro de 2015). Elena Dragomir, Cambridge Scholars Publishing, 12 January 2015, Cold War Perceptions: Romania's Policy Change towards the Soviet Union, 1960-1964, p. 14. [S.l.: s.n.] ISBN 9781443873031 
  92. Abraham, Florin (17 de novembro de 2016). Florin Abraham, Bloomsbury Publishing, Nov 17, 2016, Romania since the Second World War: A Political, Social and Economic History, p. 61. [S.l.: s.n.] ISBN 9781472529923 
  93. Navon, Emmanuel (Novembro de 2020). Emmanuel Navon, University of Nebraska Press, 2020, The Star and the Scepter: A Diplomatic History of Israel, p. 307. [S.l.: s.n.] ISBN 9780827618602 
  94. Alexander, Michael (2005). Michael Alexander, Royal United Services Institute, 2005, Managing the Cold War: A View from the Front Line, pp. 85-86. [S.l.: s.n.] ISBN 9780855161910 
  95. ' 'The Review of Politics Volume' ', 34, No. 2 (abril de 1972), p. 190–209
  96. «Archived copy» (PDF). Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original (PDF) em 12 de abril de 2019 
  97. «NATO Update: Seven new members join NATO - 29 March 2004». Consultado em 23 de agosto de 2018. Arquivado do original em 12 de março de 2018 
  98. Watt, Nicholas (26 de novembro de 2005). «Poland risks Russia's wrath with Soviet nuclear attack map». The Guardian. Consultado em 14 de junho de 2013 
  99. «Poland reveals Warsaw Pact war plans». International Relations And Security Network. Consultado em 23 de dezembro de 2014 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Faringdon, Hugh. Confrontation: the strategic geography of NATO and the Warsaw Pact. (London: Routledge & Kegan Paul, 1986.)
  • Heuser, Beatrice (1998). «Victory in a Nuclear War? A Comparison of NATO and WTO War Aims and Strategies». Contemporary European History. 7 (3): 311–327. doi:10.1017/S0960777300004264 
  • Mackintosh, Malcolm. The evolution of the Warsaw Pact (International Institute for Strategic Studies, 1969)
  • Kramer, Mark N. "Civil-military relations in the Warsaw Pact, The East European component," International Affairs, Vol. 61, No. 1, Winter 1984–85.
  • Lewis, William Julian (1982). The Warsaw Pact: Arms, Doctrine, and Strategy. Cambridge, Mass.: Institute for Foreign Policy Analysis. ISBN 978-0-07-031746-8 
  • Mastny, Vojtech; Byrne, Malcolm (2005). A Cardboard Castle ?: An Inside History of the Warsaw Pact, 1955–1991. Budapest: Central European University Press. ISBN 978-963-7326-07-3 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Pacto de Varsóvia