rodadas gratis cassino - jogos de casino a dinheiro real

USP promove evento psicoeducacional para cuidadores de idosos com demência

2023-05-28 03:59:54

🏆rodadas gratis cassino🏆【365bet.bet】⚡️Inscreva-se agora e reivindique seu bônus⚡️

Em meio às discussões sobre a devolução de relíquias em posse de museus europeus a seus países de origem, volta à tona uma velha história envolvendo o Nobel de Literatura nigeriano Wole Soyinka, a cidade de Salvador, a Interpol e uma relíquia sagrada da Nigéria. O caso rocambolesco, que remonta a meados dos anos 1970, deve virar um longa-metragem misturando ficção e documentário, “The african pride”. O escritor, que está de passagem pelo Rio, onde participou do festival Back2Black, escreve o roteiro em parceria com dois brasileiros: a historiadora Carolina Maíra Morais e o produtor Diler Trindade.

No centro da polêmica aparece Ori Olokun, a Cabeça de Bronze de Ifé, uma escultura de liga de cobre datada do século XII. Desenterrada em 1938 em Ifé (Nigéria), local sagrado do antigo povo iorubá, junto com outras 18 esculturas, ela desapareceu do seu país de origem no ano seguinte. Seu paradeiro ainda era desconhecido quando Wole Soyinka dava aulas na Universidade de Ifé, em 1975.

Nessa época, surgiram rumores de que uma peça idêntica a Ori Olokun fora vista em Salvador, mais especificamente na galeria particular de Hector Julio Páride Bernabó, o Carybé. O autor nigeriano consultou então seu amigo e colega de cátedra Pierre Verger. Vivendo entre Paris, Ifé e Salvador, o etnógrafo francês já havia visitado a casa de Carybé. Durante uma festa em que estava um tanto embriagado, Verger confirmou sem titubear: a Ori Olokun original estava mesmo na capital baiana.

— Tendo a confirmação, Soyinka e um grupo de professores foram visitar Carybé em Salvador, com a desculpa de que queriam convidá-lo para ser curador de um evento — conta Carolina Maíra Morais, mestre em História Africana e que desde quinta-feira está acompanhado o Nobel nigeriano em sua nova visita ao Brasil. — Soyinka deu um jeito de colocar a estátua de bronze na bolsa dele, e voltou para o hotel. Vale lembrar que hoje essa peça tem o valor monetário de uma Mona Lisa.

A estatueta Ori Olokun, no Museu Britânico de Londres — Foto: Reprodução/ Wikipedia

No fim, a “missão” se revelou desastrosa para o escritor, pelo menos do ponto de vista pessoal. Análises de estudiosos na África constataram que se tratava de uma cópia feita pelo Museu Britânico (como apontava as iniciais BM em um canto da escultura). A original estava, portanto, na Inglaterra.

Se, por um lado, os nigerianos sabiam agora a localização de Ori Olokun, por outro, foi o fim da amizade entre Soyinka e Verger. O etnógrafo ignorava o plano do Soyinka e, até a sua morte, em 1996, nunca mais pisou na Nigéria, nem falou com o escritor. Em sua biografia “You must set forth at dawn” (2006), o nigeriano conta que o rompimento foi uma de suas maiores tristezas. Inclusive evita falar de Verger em entrevistas.

— Pelo menos alguma verdade saiu desse exercício — consola-se Soyinka. — Agora podemos apontar onde está o original e lutarmos por sua devolução.

Foi, aliás, o que o obstinado nigeriano tentou fazer ainda na década de 1970, elaborando uma ousada retirada do objeto do Museu Britânico. Dessa vez o plano fracassou, rendendo a inclusão de seu nome em uma lista da Interpol por alguns anos. Cinquenta anos depois, ele continua obstinado em recuperar as riquezas africanas.

— Cada vez que entro em um museu europeu e vejo artefatos africanos, quero roubar de volta o que me pertence —diz Soyinka. — Recentemente, a Itália devolveu à Etiópia um obelisco de Aksoum (roubado por Mussolini na Segunda Guerra) e o significado deste monumento para os etíopes está além do que você e eu conseguimos entender. Para o meu país, se dá o mesmo em relação a essa estatueta.

Soyinka faz esforços financeiros para adquirir sozinho, sem ajuda de nenhuma organização, artefatos africanos espalhados pelo mundo. Sua coleção particular é vasta e volta e meia algumas dessas peças são doados a museus.

Refletindo hoje sobre a devolução de artefatos antigos, o nigeriano é categórico: não basta reparação monetária. É preciso um trabalho de conscientização entre os povos. Esse pensamento guia o roteiro do filme em produção brasileira-nigeriana:

— Entre os países europeus, a Inglaterra é o mais inflexível quanto à devolução de peças roubadas — diz Morais. — O Museu Britânico nunca citou a possibilidade de devolver Ori Olokun. O ponto de vista do filme é como se a riqueza deles estivesse atrelada à manutenção da arte iorubá. Porque não é só o valor monetário, é uma energia espiritual que os ingleses querem guardar.