Diana, Princesa de Gales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Diana
Princesa de Gales (mais)
Diana em junho de 1997.
Nascimento 1 de julho de 1961
  Sandringham, Norfolk, Inglaterra
Morte 31 de agosto de 1997 (36 anos)
  Paris, França
Sepultado em 6 de setembro de 1997, Althorp, Northamptonshire, Inglaterra
Nome completo Diana Frances Spencer
Marido Carlos, Príncipe de Gales (c. 1981; div. 1996)
Casa Spencer (por nascimento)
Windsor (por casamento)
Pai John Spencer, 8.º Conde Spencer
Mãe Frances Shand Kydd
Irmãos Sarah McCorquodale
Jane Fellowes, Baronesa Fellowes
Charles Spencer, 9.º Conde Spencer
Filho(s) Guilherme, Duque de Cambridge
Henrique, Duque de Sussex
Religião Anglicanismo
Assinatura Assinatura de Diana
Brasão O brasão de armas da Princesa Diana.

Diana, Princesa de Gales (nascida Diana Frances Spencer; Sandringham, 1.º de julho de 1961Paris, 31 de agosto de 1997), conhecida também como Lady Di, foi uma aristocrata e filantropa nascida no Reino Unido. Ela foi um membro da Família Real Britânica, por seu casamento com Carlos, Príncipe de Gales, primogênito e herdeiro aparente da rainha Isabel II do Reino Unido.[1] Ela é mãe dos príncipes Guilherme, Duque de Cambridge, 2.º na linha de sucessão ao trono,[2] e Henrique, Duque de Sussex. Lady Di foi uma influente personalidade global nas últimas décadas do século XX, sendo apelidada como “princesa do povo” devido ao seu carisma, simpatia, espontaneidade e dedicação a causas sociais.[3]

Sendo a terceira filha do 8.º conde Spencer, nasceu da alta aristocracia britânica. Após uma juventude conturbada em uma família dividida por problemas conjugais,[4] Diana atraiu imensa atenção do público e da mídia com o anúncio do seu casamento com o príncipe de Gales, ocorrido em 1981. Diana também foi reconhecida por seu envolvimento em diversas causas sociais, particularmente seus esforços para a desestigmatização das pessoas afetadas pela AIDS e na campanha pela proibição das minas terrestres.[5] Após uma série de conflitos e casos extraconjugais de ambas as partes,[6] ela e o Príncipe de Gales se divorciaram em 1996 e, embora afastada da realeza, Diana continuou sendo bastante popular, com a perseguição da mídia em torno de sua imagem tornando-se cada vez mais frenética.[7]

A inesperada morte de Diana, na sequência de um acidente de carro na cidade de Paris, em 1997, gerou comoção mundial e culminou em um amplo luto público pelo Reino Unido. Seu funeral foi acompanhado por cerca de um milhão de pessoas[8] em Londres e foi o evento não esportivo transmitido ao vivo para televisão mais assistido da história do país[9] e um dos mais assistidos do mundo, com uma audiência global estimada em 2,5 bilhões de pessoas.[10]

Após sua morte, foi criado um fundo memorial que leva seu nome. Em 1997, a Campanha Internacional de Proibição das Minas Terrestres, causa pela qual Diana advogou, recebeu o Nobel da Paz[11]. Foi considerada a “mulher mais fotografada do mundo”[12], nomeada como a 3.ª maior personalidade britânica de todos os tempos e uma das pessoas mais importantes do século[13]. Diana tornou-se um ícone popular e teve sua imagem mitificada por muitos após sua morte, que, embora tenha sido apontada como o resultado de um trágico acidente após anos de investigação,[14] segue envolta de inúmeras teorias conspiratórias.[15] A "princesa do povo" continua sendo uma figura relevante na imprensa britânica e, em menor escala, a nível mundial, servindo de tema para muitos livros, jornais, revistas, documentários e filmes, mesmo após mais de duas décadas de seu falecimento.[16] É dito que a influência da princesa, tanto em vida quanto após a morte, impactou positivamente a monarquia britânica, que modernizou-se e se tornou mais próxima do povo,[17] especialmente na figura dos seus filhos.

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Família Spencer
A residência principal da Família Spencer, Althorp. Na época do nascimento e da infância de Diana, era residência de seu avô Albert e a princesa frequentava o lugar. Em 1975, o pai de Diana, John, herdou o lugar.

Diana Frances Spencer nasceu em 1º de julho de 1961 em Park House, Sandringham, Norfolk.[18] Ela era a quarta de cinco filhos de John Spencer, Visconde Althorp e de Frances Ruth Burke Roche, Viscondessa Althorp. A família Spencer foi intimamente aliada da família real britânica por várias gerações e as avós de Diana, Cynthia Spencer, Condessa Spencer e Ruth Burke Roche, Baronesa Fermoy, serviram como damas de honra da Rainha Isabel, a Rainha Mãe.[19] Os seus pais demoraram uma semana para escolher o seu nome, uma vez que eles esperavam o nascimento de um menino que fosse o herdeiro varão da família Spencer. Eles decidiram por Diana Frances, em homenagem a sua mãe e Lady Diana Spencer, uma antepassada que também foi cogitada a ser uma futura Princesa de Gales.[20]

Diana descende de dois reis da dinastia Stuart: o rei Carlos II da Inglaterra (através de Henry FitzRoy, 1.º Duque de Grafton e Carlos Lennox, 1.º Duque de Richmond, filhos que teve com suas amantes Barbara Palmer, 1.ª Duquesa de Cleveland e Louise Renée de Pennancoet de Kéroualle, respectivamente) e também o rei Jaime II da Inglaterra, através de Henriqueta FitzJames, filha que teve com sua amante Arabella Churchill, o que faz de Diana prima distante do primeiro-ministro Winston Churchill.[21][22][23][24] Diana também é prima distante de Camila Parker Bowles.[25]

Em 30 de agosto de 1961, Diana foi batizada na Igreja de Santa Maria Madalena, Sandringham.[26] Ela cresceu com três irmãos: Sarah, Jane e Charles. Seu irmão mais novo, John, morreu pouco depois de seu nascimento, um ano antes de Diana nascer.[27] Diana cresceu em Park House, situada na propriedade de Sandringham House.[28] Os Spencers alugaram Park House à sua proprietária, a Rainha Isabel II. A família real costumava passar férias na propriedade vizinha Sandringham House, e Diana brincava com os filhos da rainha, o Príncipe André e o Príncipe Eduardo.[29]

Diana tinha sete anos quando seus pais se divorciaram.[30] Mais tarde, sua mãe começou um relacionamento com Peter Shand Kydd e se casou com ele em 1969. Diana morou com sua mãe em Londres durante a separação de seus pais em 1967, mas durante as férias de Natal daquele ano, Lord Althorp recusou-se a permitir que Diana voltasse a Londres com Lady Althorp. Pouco depois, ele ganhou a custódia de Diana com o apoio de sua ex-sogra, Lady Fermoy.[31] Em 1976, Lord Althorp casou-se com Raine, Condessa de Dartmouth. O relacionamento de Diana com sua madrasta era particularmente ruim. Posteriormente, ela descreveu sua infância como "muito infeliz" e "muito instável, em tudo".[32][33] Diana ficou conhecida como Lady Diana por causa do pai que herdou o título de Conde Spencer em 1975, momento em que o pai dela mudou a família inteira de Park House para Althorp, a sede da família Spencer em Northamptonshire.[34]

Educação e pós-estudos[editar | editar código-fonte]

West Heath School, um internado em Sevenoaks, Kent. Diana estudou neste lugar de 1973 até 1977.

Diana foi inicialmente educada em casa sob a supervisão de sua governanta, Gertrude Allen.[35] Ela começou sua educação formal na Silfield Private School em Gayton, Norfolk, e se mudou para Riddlesworth Hall School, um colégio interno para meninas perto de Thetford, quando tinha nove anos de idade.[36] Ela se juntou às irmãs na West Heath Girls' School em Sevenoaks, Kent, em 1973.[37] Ela não se destacou academicamente, sendo reprovada duas vezes nos níveis O. Ela deixou West Heath quando ela tinha dezesseis anos.[38] Seu irmão Charles lembra que ela era bastante tímida até então, e demonstrou um talento para a música como uma pianista talentosa. Ela também se destacou em natação e mergulho, e estudou balé e sapateado.[39]

Depois de frequentar o Instituto Alpin Videmanette (uma escola de fim de ano em Rougemont, Suíça) por um período e partir após a Páscoa de 1978.[36] Diana voltou a Londres, onde dividiu o apartamento de sua mãe com duas amigas da escola.[40] Em Londres, ela fez um curso avançado de culinária, mas raramente cozinhava para as colegas de quarto. Ela conseguiu uma série de empregos de baixa remuneração; Ela trabalhou como instrutora de dança para jovens até que um acidente de esqui a fez perder três meses de trabalho.[41] Ela então encontrou trabalho como assistente de pré-escola em um grupo de recreação, fez alguns trabalhos de limpeza para sua irmã Sarah e vários de seus amigos, e agiu como uma anfitriã em festas. Ela passou um tempo trabalhando como babá para os Robertsons, uma família americana que vivia em Londres e trabalhava como auxiliar de professora de jardim de infância na Young England School em Pimlico.[41][42] Em julho de 1979, sua mãe comprou para ela um apartamento em Coleherne Court em Earls Tribunal como presente de aniversário de 18 anos. Ela morou lá com três colegas de quarto até 25 de fevereiro de 1981.[43]

Relação com Carlos de Gales[editar | editar código-fonte]

Lady Diana conheceu Carlos, Príncipe de Gales, o filho mais velho da rainha Isabel II e herdeiro da coroa britânica, quando ela tinha 16 anos em novembro de 1977. Ele tinha então 29 anos e namorava sua irmã mais velha, Lady Sarah.[44][45] Anos depois, ela foi convidada para um fim de semana no campo durante o verão de 1980, quando ela o viu jogar pólo e ele se interessou muito por Diana, uma possível namorada. O relacionamento progrediu quando ele a convidou a bordo do iate real Britannia para um passeio de fim de semana em Cowes. Isso foi seguido por um convite a Balmoral (a residência escocesa da família real) para se juntar à família em um fim de semana em novembro de 1980.[46][47] Lady Diana foi bem recebida pela Rainha, pela Rainha Mãe e pelo Duque de Edimburgo. Mais tarde, o príncipe Carlos cortejou Diana em Londres. O príncipe a pediu em casamento em 6 de fevereiro de 1981 no Castelo de Windsor, e Lady Diana aceitou, mas o noivado foi mantido em segredo por duas semanas e meia.

Noivado e casamento[editar | editar código-fonte]

O noivado foi oficializado em 24 de fevereiro de 1981.[35] Diana escolheu seu próprio anel de noivado.[35] Após o noivado, Diana deixou sua ocupação como ajudante de professora de berçário e viveu por um breve período na Clarence House, que era sua casa. Depois viveu no Palácio de Buckingham até o casamento, onde, de acordo com a biógrafa Ingrid Seward, sua vida foi incrivelmente solitária.[48] Diana foi a primeira mulher inglesa a se casar com o primeiro sucessor ao trono desde que Ana Hyde se casou com Jaime II, mais de 300 anos antes, e ela também foi a primeira noiva real a ter um emprego remunerado antes de seu noivado.[48] Ela fez sua primeira aparição pública com o príncipe Carlos em um baile beneficente em março de 1981 em Goldsmiths' Hall, onde ele conheceu Grace, Princesa de Mônaco.[48]

Princesa Diana em seu icônico vestido de casamento, desenhado por David e Elizabeth Emanuel, em julho de 1981.

Diana, de 20 anos, tornou-se princesa de Gales quando se casou com Carlos em 29 de julho de 1981. O casamento aconteceu na Catedral de São Paulo, que oferecia mais lugares do que a Abadia de Westminster, uma igreja geralmente usada para os casamentos reais.[38][35] O serviço religioso foi amplamente descrito como um "casamento de conto de fadas" e foi assistido por uma audiência mundial de televisão de 750 milhões enquanto 600 mil espectadores se enfileiravam nas ruas para ver o casal a caminho da cerimônia.[49] No altar, Diana inadvertidamente inverteu a ordem dos dois primeiros nomes de Carlos, dizendo em vez disso "Felipe Carlos" Artur Jorge.[49] Ela não disse que o "obedeceria"; esse voto tradicional foi omitido a pedido do casal, o que gerou alguns comentários na época.[50] Diana usava um vestido avaliado em £ 9.000 (equivalente a £ 34.750 em 2019) com uma cauda de 25 pés (7,62 metros).

Depois de se tornar Princesa de Gales, Diana adquiriu automaticamente a classificação como a terceira mulher mais alta na ordem de precedência britânica (depois da Rainha e Rainha Mãe), e foi a quinta ou sexta na ordem de precedência de seus outros reinos, seguindo o Rainha, o vice-rei correspondente, o Duque de Edimburgo, a Rainha Mãe e o Príncipe de Gales. Poucos anos após o casamento, a rainha estendeu a Diana os sinais visíveis de pertencer à família real; emprestou-lhe a Tiara Cambridge Lover's Knot da Rainha Maria,[51] e concedeu-lhe a insígnia da Ordem da Família Real da Rainha Isabel II.[52]

Filhos[editar | editar código-fonte]

O casal morava no Palácio de Kensington e Highgrove House, perto de Tetbury. Em 5 de novembro de 1981, a gravidez de Diana foi anunciada.[53] Em janeiro de 1982, com 12 semanas de gravidez, Diana caiu de uma escada em Sandringham, sofrendo alguns hematomas. O ginecologista real Sir George Pinker foi convocado de Londres; o feto saiu ileso.[54] Diana posteriormente confessou que havia se jogado escada abaixo intencionalmente porque se sentia "tão inadequada".[55] Em fevereiro de 1982, imagens de uma Diana grávida de biquíni foram publicadas na mídia enquanto ela estava em feiras. A Rainha posteriormente emitiu um comunicado chamando-o de "o dia mais negro da história do jornalismo britânico".[56] Em 21 de junho de 1982, Diana deu à luz o primeiro filho do casal, o Príncipe Guilherme.[57] Ela posteriormente sofreu de depressão pós-parto após a primeira gravidez.[58] Em meio a algumas críticas da mídia, ela decidiu levar Guilherme, que ainda era um bebê, em suas primeiras grandes viagens pela Austrália e Nova Zelândia, e a decisão foi aplaudida pelo público. Um segundo filho, o Príncipe Henrique, nasceu em 15 de setembro de 1984.[59] A princesa disse que ela e Carlos eram mais próximos durante a gravidez de Henrique. Ela sabia que seu segundo filho era um menino, mas não compartilhou o conhecimento com ninguém, incluindo Carlos.[60]

Diana deu aos filhos experiências mais extensas do que costumava acontecer com as crianças reais.[35][61] Ela raramente se referia a Carlos ou à família real e costumava ser intransigente quando se tratava de crianças. Ela escolheu seus primeiros nomes, despediu uma babá da família real (e contratou uma de sua própria escolha), selecionou suas escolas e roupas, planejou passeios e os levou para a escola com a freqüência que sua programação permitia. Ele também organizou suas funções públicas em torno de seus horários.[62]

Deu a eles uma educação magnífica e valores humanísticos, e com eles realizou atividades que não eram típicas da monarquia, com a firme determinação de que teriam uma infância como qualquer outra pessoa que não tivesse essa condição: ela os levou a restaurantes fast food, parques temáticos ou centros de tratamento para doentes e abrigos para os necessitados, garantindo que seus filhos conheçam em primeira mão a situação das pessoas sem recursos.[63]

Divórcio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra dos Galeses
A Princesa de Gales na Rússia em 1995.

Em 20 de novembro de 1995, o jornalista Martin Bashir entrevistou Diana para o programa Panorama da BBC,[64] onde a princesa discutiu seus próprios casos extraconjugais e os de seu marido.[65] Referindo-se ao relacionamento de Carlos com Camila Parker Bowles, ela disse: "Bem, havia três de nós neste casamento, então era um pouco lotado." Ela também expressou dúvidas sobre a idoneidade de seu marido para a realeza. Os autores Tina Brown, Sally Bedell Smith e Sarah Bradford apóiam a admissão de Diana na entrevista de que ela sofria de depressão, "bulimia galopante" e havia se envolvido várias vezes no ato de automutilação; a transcrição do programa registra Diana confirmando muitos de seus problemas de saúde mental, incluindo que ela "machucou [seus] braços e pernas".[66] A combinação de doenças das quais a própria Diana disse ter sofrido resultou na opinião de alguns de seus biógrafos que ela tinha transtorno de personalidade limítrofe.[67]

Em 20 de dezembro, o Palácio de Buckingham anunciou que a rainha havia enviado cartas a Carlos e Diana, aconselhando-os a se divorciar.[68] A mudança da rainha foi apoiada pelo primeiro-ministro e por conselheiros privados seniores e, de acordo com a BBC, foi decidida após duas semanas de negociações.[69] Charles concordou formalmente com o divórcio em uma declaração escrita logo depois.[68] Em fevereiro de 1996, Diana anunciou seu acordo após negociações com Charles e representantes da Rainha,[70] irritando o Palácio de Buckingham ao fazer seu próprio anúncio do acordo de divórcio e seus termos. Em julho de 1996, o casal concordou com os termos do divórcio.[71] Isso aconteceu logo após a acusação de Diana de que a assistente pessoal de Carlos, Tiggy Legge-Bourke, havia abortado seu filho, após o que Legge-Bourke instruiu seu advogado Peter Carter-Ruck a exigir um pedido de desculpas.[72] O secretário particular de Diana, Patrick Jephson, renunciou pouco antes da história estourar, mais tarde escrevendo que ela havia "exultado em acusar Legge-Bourke de ter feito um aborto".[73] Os rumores do suposto aborto de Legge-Bourke foram aparentemente espalhados por Martin Bashir como um meio de obter sua entrevista no Panorama com a princesa.

O decreto foi concedido em 15 de julho de 1996 e o ​​divórcio foi finalizado em 28 de agosto de 1996.[74] Diana foi representada por Anthony Julius no caso.[75] Ela recebeu um acordo de quantia fixa de 17 milhões de libras (equivalente a 32 623 216 libras em 2020), bem como 400 000 libras por ano. O casal assinou um termo de confidencialidade que os proibia de discutir os detalhes do divórcio ou de sua vida conjugal.[71] Dias antes, cartas patentes foram emitidas com regras gerais para regular os títulos reais após o divórcio. Diana perdeu o estilo "Sua Alteza Real" e, em vez disso, foi denominada "Diana, Princesa de Gales". Como a mãe do príncipe em linha de sucessão ao trono, ela continuou a ser considerada um membro da família real e recebeu a mesma precedência de que desfrutou durante seu casamento.[76] A rainha supostamente queria deixar Diana continuar a usar o estilo de "Alteza Real" após seu divórcio, mas Carlos insistiu em removê-lo.[71] Diz-se que o príncipe Guilherme tranquilizou sua mãe: "Não se preocupe, mamãe, vou devolvê-lo um dia, quando for rei."[77] Quase um ano antes, de acordo com Tina Brown, o Príncipe Filipe havia avisado Diana: "Se você não se comportar, minha menina, tiraremos o seu título." Diz-se que ela respondeu: "Meu título é muito mais antigo que o seu, Filipe."

Vida pessoal após o divórcio[editar | editar código-fonte]

O Palácio de Kensington foi a residência de Diana durante seu casamento com Carlos e também durante seus últimos anos de vida.

Após seu divórcio em 1996, Diana ficou com um apartamento duplo no lado norte do Palácio de Kensington, que ela havia compartilhado com Carlos desde o primeiro ano de seu casamento. O apartamento permaneceu como sua casa até sua morte no ano seguinte. Ela também mudou seus escritórios para o Palácio de Kensington, mas foi autorizada "a usar os apartamentos do estado no Palácio de St. James".[71][78] Em um livro publicado em 2003, Paul Burrell alegou que as cartas particulares de Diana haviam revelado que seu irmão, Lord Spencer, havia se recusado a permitir que ela morasse na Althorp, apesar do pedido dela. Ela também recebeu uma mesada para administrar seu escritório particular, que era responsável por seu trabalho de caridade e deveres reais, mas a partir de setembro de 1996 ela foi obrigada a pagar suas contas e "quaisquer despesas" incorridas por ela ou em seu nome.[79] Além disso, ela continuou a ter acesso às jóias que havia recebido durante seu casamento, e foi autorizada a usar o transporte aéreo da família real e do governo britânico.[71] Foi oferecida a Diana uma segurança pelo Grupo de Proteção da Realeza da Polícia Metropolitana, do qual ela se beneficiou enquanto viajava com seus filhos, mas que havia recusado nos últimos anos de sua vida, numa tentativa de se distanciar da família real.[80][81]

Diana conhecendo Sri Chinmoy no Palácio de Kensington em maio de 1997.

Diana namorou o cirurgião cardíaco britânico-paquistanês Hasnat Khan, que foi chamado de "o amor de sua vida" por muitos de seus amigos mais próximos após sua morte,[82] e diz-se que ela o descreveu como "Sr. Maravilhoso".[83][84] Em maio de 1996, Diana visitou Laore a convite de Imran Khan, um parente de Hasnat Khan, e visitou a família deste último em segredo.[85] Khan era intensamente privado e o relacionamento era conduzido em segredo, com Diana mentindo aos membros da imprensa que a questionaram sobre o assunto. Seu relacionamento durou quase dois anos com relatos diferentes de quem o terminou.[86] Diz-se que ela falou de sua angústia quando ele terminou seu relacionamento.[82] Entretanto, de acordo com o testemunho de Khan no inquérito sobre a morte da princesa, foi Diana quem terminou seu relacionamento no verão de 1997.[87] Burrell também disse que o relacionamento foi terminado por Diana em julho de 1997. Burrell também alegou que a mãe de Diana, Frances Shand Kydd, desaprovou o relacionamento de sua filha com um homem muçulmano.[88] Por ocasião da morte de Diana em 1997, ela não havia falado com sua mãe em quatro meses.[89] Em contraste, seu relacionamento com sua madrasta afastada havia supostamente melhorado.[90]

Dentro de um mês, Diana iniciou um relacionamento com Dodi Al-Fayed, o filho do empresário egípcio Mohamed Al-Fayed.[91] Durante o verão de 1997, Diana havia considerado levar seus filhos de férias para os Hamptons em Long Island, Nova York, mas as autoridades de segurança haviam lhe impedido. Após decidir não ir a uma viagem à Tailândia, ela aceitou o convite de Fayed para se juntar à sua família no sul da França, onde seu complexo e seus grandes detalhes de segurança não causariam preocupação ao esquadrão de Proteção Real. Mohamed Al-Fayed comprou o Jonikal, um iate multimilionário de 60 metros no qual entreteria Diana e seus filhos.[92]

Aparições públicas[editar | editar código-fonte]

Diana em Halifax, Nova Escócia, em junho de 1983

Após seu noivado com o príncipe Carlos, Diana fez sua primeira aparição pública oficial em março de 1981 em um evento de caridade no Goldsmiths' Hall.[93] Em outubro de 1981, Carlos e Diana visitaram o País de Gales.[38][94] Diana participou da Cerimônia de Abertura do Parlamento pela primeira vez em 4 de novembro de 1981.[95] Seu primeiro compromisso solo foi uma visita a Regent Street em 18 de novembro de 1981 para acender as luzes de Natal.[96] Ela compareceu ao Trooping the Colour pela primeira vez em junho de 1982, fazendo sua aparição na varanda do Palácio de Buckingham depois. A princesa fez sua turnê inaugural no exterior em setembro de 1982, para comparecer ao funeral de estado de Grace, Princesa de Mônaco.[38] Também em 1982, Diana acompanhou Carlos aos Países Baixos e foi honrada como Grã-oficial, da Ordem da Casa de Orange pela Rainha Beatriz.[97] Em 1983, ela acompanhou Carlos em uma turnê pela Austrália e Nova Zelândia com o Príncipe Guilherme. A turnê foi um sucesso e o casal atraiu imensas multidões, embora a imprensa se concentrasse mais em Diana do que em Carlos, cunhando o termo 'Dianamania' como uma referência à obsessão das pessoas por ela.[98] Na Nova Zelândia, o casal se reuniu com representantes do povo Māori.[99] Sua visita ao Canadá em junho e julho de 1983 incluiu uma viagem a Edmonton para abrir a Universíada de Verão de 1983 e uma parada em Newfoundland para comemorar o 400º aniversário da aquisição daquela ilha pela Coroa.[100] Em 1983, ela foi alvo do Exército Escocês de Libertação Nacional, que tentou entregar uma carta-bomba para ela.[101]

Princesa Diana e Príncipe Carlos em Syracuse, Nova York, em abril de 1985

Em fevereiro de 1984, Diana foi a patrocinadora do London City Ballet quando ela viajou para a Noruega sozinha para assistir a uma apresentação organizada pela companhia.[38] Em abril de 1985, Carlos e Diana visitaram a Itália, e mais tarde foram acompanhados pelos filhos.[38] Eles se reuniram com o presidente Alessandro Pertini. A sua visita à Santa Sé incluiu uma audiência privada com o Papa João Paulo II.[102] No outono de 1985, eles voltaram para a Austrália, e sua turnê foi bem recebida pelo público e pela mídia, que se referiu a Diana como "Princesa Di-amond" e a "Jóia da Coroa".[103] Em novembro de 1985, o casal visitou os Estados Unidos,[38] encontrando-se com o presidente Ronald Reagan e a primeira-dama Nancy Reagan na Casa Branca. Diana teve um ano agitado em 1986, enquanto ela e Carlos viajavam pelo Japão, Indonésia, Espanha e Canadá. No Canadá, eles visitaram a Expo 86, onde Diana desmaiou no Pavilhão da Califórnia.[104][105] Em novembro de 1986, ela fez uma excursão de seis dias a Omã, Qatar, Bahrein e Arábia Saudita, onde conheceu o Rei Fahd e o sultão Qaboos bin Said al Said.[106]

Em 1988, Carlos e Diana visitaram a Tailândia e viajaram pela Austrália para as celebrações do bicentenário.[38][106] Em fevereiro de 1989, ela passou alguns dias em Nova York em uma visita solo, principalmente para divulgar as obras da Ópera Nacional Galesa, da qual era patrocinadora.[107] Durante uma visita ao Harlem Hospital Center, ela causou um profundo impacto no público ao abraçar espontaneamente uma criança de sete anos com AIDS.[108] Em março de 1989, ela fez sua segunda viagem aos Estados Árabes do Golfo, na qual visitou o Kuwait e os Emirados Árabes Unidos.

Carlos e Diana com o vice-presidente dos Estados Unidos Dan Quayle e sua esposa Marilyn após a entronização do imperador Akihito em 1990

Em março de 1990, Diana e Carlos visitaram a Nigéria e Camarões.[109] O Presidente de Camarões ofereceu um jantar oficial de boas-vindas em Yaoundé.[109] Os destaques da viagem incluíram visitas de Diana a hospitais e projetos com foco no desenvolvimento da mulher.[109] Em maio de 1990, eles visitaram a Hungria por quatro dias.[110] Foi a primeira visita de membros da família real a "um antigo país do Pacto de Varsóvia".[108] Eles participaram de um jantar oferecido pelo presidente Árpád Göncz e assistiram a uma exibição de moda no Museu de Artes Aplicadas de Budapeste.[108] O Instituto Peto estava entre os lugares visitados por Diana, e ela presenteou seu diretor com uma OBE honorária.[108] Em novembro de 1990, o casal real foi ao Japão para assistir à entronização de Akihito.[38][111]

Em seu desejo de desempenhar um papel encorajador durante a Guerra do Golfo, Diana visitou a Alemanha em dezembro de 1990 para se encontrar com as famílias dos soldados.[108] Posteriormente, ela viajou para a Alemanha em janeiro de 1991 para visitar a RAF Bruggen, e mais tarde escreveu uma carta encorajadora que foi publicada em Soldier, Navy News e RAF News'. [112] Em 1991, Carlos e Diana visitaram a Queen's University em Kingston, Ontário, onde presentearam a universidade com uma réplica de sua carta real. Em setembro de 1991, Diana visitou o Paquistão em uma viagem solo e visitou o Brasil com Carlos.[113] Durante a turnê brasileira, Diana fez visitas a organizações que lutavam contra a falta de moradia entre crianças de rua.[113] Suas últimas viagens com Carlos foram para a Índia e Coréia do Sul em 1992.[38] Ela visitou o hospício de Madre Teresa em Calcutá, Índia, em 1992.[114] As duas mulheres se encontraram novamente naquele ano e desenvolveram um relacionamento pessoal.[114] Foi também durante a turnê indiana que as fotos de Diana sozinha em frente ao Taj Mahal chegaram às manchetes.[115] Em novembro de 1992, ela fez uma viagem solo oficial à França e teve uma audiência com o presidente François Mitterrand.[116]

Em dezembro de 1993, ela anunciou que se retiraria da vida pública, mas em novembro de 1994 disse que desejava "fazer um retorno parcial".[38][108] Na sua qualidade de vice-presidente da Cruz Vermelha Britânica, ela estava interessada em desempenhar um papel importante nas celebrações do 125.º aniversário.[38][108] Mais tarde, a Rainha a convidou formalmente para comparecer às celebrações do aniversário do Dia D.[38] Em junho de 1995, Diana foi ao festival de arte da Bienal de Veneza, e também visitou Moscou, onde recebeu o Prêmio Internacional Leonardo.[117] A princesa visitou muitos outros países, incluindo Argentina, Bélgica, Nepal, Suíça e Zimbábue.[38] Durante sua separação com Carlos, que durou quase quatro anos, ela participou de grandes eventos nacionais como um membro sênior da família real, incluindo "as comemorações dos 50 anos do Dia da Vitória na Europa e Dia da Vitória sobre o Japão" em 1995.[38] A celebração do 36º e último aniversário da princesa foi realizada na Tate Gallery, que também foi um evento comemorativo do 100º aniversário da galeria.[38] Em julho de 1997, Diana compareceu ao funeral de Gianni Versace em Milão, Itália.[118]

Privacidade e questões legais[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 1980, o Sunday Mirror publicou uma história afirmando que Carlos havia usado o trem real duas vezes para um encontro amoroso secreto com Diana, levando o palácio a emitir uma declaração, chamando a história de "uma fabricação total" e exigindo um pedido de desculpas.[119][120] Os editores do jornal, entretanto, insistiram que a mulher que embarcava no trem era Diana e se recusaram a pedir desculpas.[119] Em fevereiro de 1982, fotos de uma Diana grávida em biquíni enquanto estava de férias foram publicadas na mídia. Posteriormente, a Rainha lançou uma declaração e chamou-a de "o dia mais escuro da história do jornalismo britânico".[121]

Em 1993, a Mirror Group Newspapers (MGN) publicou fotografias de Diana que foram tiradas pelo proprietário da academia Bryce Taylor. As fotos mostravam ela se exercitando no ginásio LA Fitness vestindo "um leotardo e calção de ciclismo".[122][123] Os advogados da Princesa imediatamente apresentaram uma queixa criminal que buscava "uma proibição permanente da venda e publicação das fotos" ao redor do mundo.[122][123] Entretanto, alguns jornais fora do Reino Unido publicaram as fotos.[122] Os tribunais concederam uma liminar contra Taylor e MGN que proibia "a continuação da publicação das fotos".[122] A MGN mais tarde emitiu um pedido de desculpas depois de enfrentar muitas críticas do público.[122] Diz-se que a MGN deu à Diana £1 milhão como pagamento por suas despesas legais e doou £200.000 para suas instituições de caridade.[122] Taylor também pediu desculpas e pagou à Diana £300.000, embora fosse alegado que um membro da família real o tinha ajudado financeiramente.[122]

Filantropia[editar | editar código-fonte]

Princesa Diana em visita real para a abertura oficial do centro comunitário em Whitehall Road, Bristol, em maio de 1987.

A partir de meados dos anos 80, Lady Di se tornou cada vez mais associada a numerosas instituições de caridade. Ela realizou 191 engajamentos oficiais em 1988[124] e 397 em 1991.[125] A Princesa desenvolveu um interesse intenso em doenças graves e assuntos relacionados à saúde fora do âmbito do envolvimento real tradicional, incluindo a AIDS e a hanseníase. Em reconhecimento a seu efeito como filantropa, Stephen Lee, diretor do UK Institute of Charity Fundraising Managers, disse: "Seu efeito geral na caridade é provavelmente mais significativo do que o de qualquer outra pessoa no século 20".

Ela era a patrona de instituições de caridade e organizações que trabalhavam com os sem-teto, jovens, viciados em drogas e idosos. Em 1987, Diana foi agraciada com a "Liberdade Honorária da Cidade de Londres", a maior honra que a Cidade de Londres concede a alguém.[126]Em 1988, ela se tornou patrona da Cruz Vermelha Britânica e apoiou suas organizações em outros países como Austrália e Canadá.[108] Ela fazia várias visitas longas a cada semana ao Hospital Royal Brompton, onde trabalhava para confortar pacientes gravemente doentes ou moribundos. Desde 1989, ela foi presidente do Great Ormond Street Hospital for Children. Foi patrona do Museu de História Natural de Londres[127] e presidente da Royal Academy of Music.[72][128] De 1984 a 1996, foi presidente da Barnardo's, uma instituição de caridade fundada pelo Dr. Thomas John Barnardo em 1866 para cuidar de crianças e jovens vulneráveis.[129][128] De 1991 a 1996, ela foi patrona da Headway, uma associação de lesões cerebrais.[128][130]


Em 1992, ela se tornou a primeira patrona do Chester Childbirth Appeal, uma instituição de caridade que ela apoiava desde 1984.[131] A instituição de caridade, que recebeu o nome de um dos títulos reais de Diana, poderia arrecadar mais de £1 milhão com sua ajuda. Em 1994, ela ajudou sua amiga Julia Samuel a lançar a instituição de caridade Child Bereavement UK, que apoia crianças "de famílias militares, vítimas de suicídio, e pais terminais", e tornou-se sua patrona.[132]O Príncipe Guilherme mais tarde substituiu sua mãe como a patrono real da instituição de caridade.[133] Em dezembro de 1995, Diana recebeu o Prêmio Humanitário Unidos de Paralisia Cerebral do Ano em Nova York por seus esforços filantrópicos.[134] Em outubro de 1996, por seus trabalhos com idosos, ela recebeu uma medalha de ouro em uma conferência de saúde organizada pelo Centro Pio Manzù em Rimini, Itália.[135]

No dia seguinte ao seu divórcio, ela anunciou sua demissão de mais de 100 instituições de caridade e reteve patrocínios de apenas seis: Centrepoint, English National Ballet, Great Ormond Street Hospital, The Leprosy Mission, National AIDS Trust e o Royal Marsden Hospital.[136] Ela continuou seu trabalho com a Campanha Internacional para a Eliminação de Minas da Cruz Vermelha Britânica, mas não foi mais listada como patrona.[137]

Em maio de 1997, Diana abriu o Richard Attenborough Centre for Disability and the Arts em Leicester, depois de ser solicitada por seu amigo Richard Attenborough.[138] Em junho de 1997, alguns de seus vestidos e ternos foram vendidos nas casas de leilões da Christie's em Londres e Nova York, e os lucros obtidos com esses eventos foram doados a instituições de caridade.[38] Seu compromisso oficial final foi uma visita ao Northwick Park Hospital, Londres, em 21 de julho de 1997.[38] Ela estava programada para participar de uma angariação de fundos no Centro Osteopático para Crianças em 4 de setembro de 1997, quando retornasse de Paris.[139]

HIV/AIDS[editar | editar código-fonte]

A Princesa começou seu trabalho com pacientes com AIDS nos anos 80 e foi a primeira figura real britânica a fazê-lo.[140] Em 1987, ela deu as mãos a um paciente com AIDS em um de seus primeiros esforços para desestigmatizar a condição.[114][141] Diana observou: "O HIV não torna as pessoas perigosas. Você pode apertar-lhes a mão e dar-lhes um abraço. O céu sabe que elas precisam disso. Além disso, você pode compartilhar suas casas, seus locais de trabalho, seus parques infantis e brinquedos."[108][142][143] Para desapontamento de Diana, a Rainha não apoiou este tipo de trabalho beneficente, sugerindo que ela se envolvesse em "algo mais agradável".[140] Em 1989, ela abriu o Landmark Aids Centre no sul de Londres.[144] Em outubro de 1990, Diana abriu a Grandma's House, um lar para jovens pacientes com AIDS em Washington, D.C.[145] Ela também era uma patrona do National AIDS Trust.[108] Em 1991, ela abraçou um paciente durante uma visita à ala de AIDS do Hospital Middlesex[108], que ela havia aberto em 1987 como a primeira unidade hospitalar dedicada a esta causa no Reino Unido.[146] Como patrona de Turning Point, uma organização de saúde e assistência social, Diana visitou seu projeto em Londres para pessoas com HIV/AIDS em 1992.[147] Mais tarde, ela estabeleceu e liderou campanhas de arrecadação de fundos para a pesquisa da AIDS.

Em março de 1997, Diana visitou a África do Sul, onde se encontrou com o Presidente Nelson Mandela.[148][149] Sua contribuição para mudar a opinião pública em relação aos portadores da doença foi lembrada em 2001 pelo então presidente americano Bill Clinton:[150]

Em 2 de novembro de 2002, Mandela anunciou que o Nelson Mandela Children's Fund se uniria ao Fundo Memorial de Diana, Princesa de Gales para ajudar as pessoas com AIDS: "Quando ela acariciou os membros de alguém com hanseníase ou sentou-se na cama de um homem com HIV/AIDS e segurou sua mão, ela transformou as atitudes públicas e melhorou as chances de vida de tais pessoas".[151] Diana havia usado seu status de celebridade para "combater o estigma ligado a pessoas vivendo com HIV/AIDS", disse Mandela.[151] Em 2009, um painel incluindo Ian McKellen e Alan Hollinghurst escolheu o retrato de Diana para ser exibido na exposição Gay Icons na National Portrait Gallery, Londres.[152] Em outubro de 2017, a revista Attitude homenageou Diana com seu Prêmio Legado por seu trabalho sobre HIV/AIDS. O Príncipe Henrique aceitou o prêmio em nome de sua mãe.[146][153]

Minas terrestres[editar | editar código-fonte]

Conversa da Primeira Dama Hillary Clinton e Diana na Sala do Mapa após uma campanha de angariação de fundos para as minas terrestres, junho de 1997.

A luta contra as minas terrestres foi outro projeto que recebeu o apoio e o empenho de Diana.[154] Para promover suas ideias do quanto as minas terrestres causavam de prejuízos à humanidade, ela viajou para África, em janeiro de 1997, trabalhando como uma voluntária do Comitê Internacional da Cruz Vermelha. Diana visitou sobreviventes das explosões de minas terrestres em hospitais, excursionou projetos organizados pela HALO Trust e compareceu em aulas de conhecimento sobre minas terrestres que ameaçavam casas e vilarejos.[155][156][157]

Em agosto do mesmo ano, Diana visitou a Bósnia com o Landmine Survivors Network.[157] A princesa tinha interesse em evitar os prejuízos que as minas causavam às pessoas, especialmente às crianças. Como resultado do empenho de Diana, foi assinado, por apelo da Organização das Nações Unidas, o Tratado de Ottawa, que proíbe o uso, a produção, a estocagem e a transferência de minas terrestres.[158] Apresentando a Segunda Leitura do Projeto de Lei sobre Minas Terrestres de 1998 à Câmara dos Comuns Britânica, o Ministro das Relações Exteriores, Robin Cook, prestou homenagem ao trabalho de Diana sobre minas terrestres:

Alguns meses após a morte de Diana em 1997, a Campanha Internacional para Banir as Minas Terrestres ganhou o Prêmio Nobel da Paz.[11]

Câncer[editar | editar código-fonte]

Em 1988, Diana abriu o Children with Leukaemia (mais tarde renomeada Children with Leukaemia UK) em memória de duas jovens vítimas de câncer.[160][161][162] Em novembro de 1987, poucos dias após a morte de Jean O'Gorman por câncer, Diana conheceu sua família.[160][161] As mortes de Jean e seu irmão a afetaram e ela ajudou a família deles a estabelecer a caridade.[160][161][162] Foi aberta por ela em 12 de janeiro de 1988 na Escola Secundária Mill Hill, e ela a apoiou até sua morte em 1997.[160][162] Para sua primeira viagem oficial solo, Diana visitou The Royal Marsden NHS Foundation Trust, um hospital de tratamento de câncer em Londres.[163] Mais tarde, ela escolheu esta instituição de caridade para estar entre as organizações que se beneficiaram do leilão de suas roupas em Nova York.[163] O gerente de comunicação do Trust disse: "A Princesa tinha feito muito para remover o estigma e o tabu associados a doenças como câncer, AIDS, HIV e hanseníase."[163] Diana tornou-se presidente do hospital em 27 de junho de 1989.[164][165][166]

A Unidade de Câncer Infantil Wolfson foi aberta por Diana em 25 de fevereiro de 1993.[164] Em fevereiro de 1996, Diana, que havia sido informada sobre um hospital de câncer recém-inaugurado construído por Imran Khan, viajou ao Paquistão para visitar as enfermarias de câncer infantil e participar de um jantar de arrecadação de fundos em ajuda à instituição de caridade em Lahore.[167] Em junho de 1996, ela viajou para Chicago em sua qualidade de presidente do Hospital Royal Marsden a fim de participar de um evento de arrecadação de fundos no Museu Field de História Natural e arrecadou mais de £ 1 milhão para a pesquisa do câncer.[108] Além disso, ela visitou pacientes no Hospital do Condado de Cook e fez comentários em uma conferência sobre câncer de mama na Northwestern University Pritzker School of Law após conhecer um grupo de pesquisadores sobre câncer de mama.[168] Em setembro de 1996, depois de ser convidada por Katharine Graham, Diana foi a Washington, D.C. e apareceu num café da manhã da Casa Branca a respeito do Nina Hyde Center for Breast Cancer Research.[169] Ela também participou de uma campanha anual de arrecadação de fundos para pesquisa do câncer de mama organizada pelo The Washington Post no mesmo centro.[35][170]

Outras áreas[editar | editar código-fonte]

Diana visitando o esquadrão de drogas da Polícia de West Midlands em 1987.

Em novembro de 1989, Diana visitou um hospital de hanseníase na Indonésia.[171][140] Após sua visita, ela se tornou patrona da Missão da Hanseníase, uma organização dedicada a fornecer medicamentos, tratamento e outros serviços de apoio àqueles que estão afligidos com a doença. Ela continuou sendo a patrona desta instituição[136] e visitou vários de seus hospitais ao redor do mundo, especialmente na Índia, Nepal, Zimbábue e Nigéria até sua morte em 1997.[108][172] Ela tocou as pessoas afetadas pela doença quando muitas pessoas acreditavam que ela poderia ser contraída através de contato casual.[108][171] "Sempre foi minha preocupação tocar as pessoas com hanseníase, tentando mostrar em uma simples ação que elas não são injuriadas, nem somos repelidas", comentou.[172] O Centro de Educação e Mídia de Saúde de Diana, Princesa de Gales, em Noida, Índia, foi inaugurado em sua homenagem em novembro de 1999, financiado pelo Fundo Memorial de Diana, Princesa de Gales para dar apoio social às pessoas afetadas pela hanseníase e pela incapacidade.[172]

A Princesa também era uma defensora dos jovens sem-teto e falou em nome deles dizendo que "eles merecem um começo decente na vida"..[173] "Nós, como parte da sociedade, devemos assegurar que os jovens - que são nosso futuro - tenham a oportunidade que merecem", disse ela.[173] Diana costumava levar os jovens Guilherme e Henrique para visitas particulares aos serviços do Centrepoint e aos abrigos para sem-teto.[35][174][175] "Os jovens de Centrepoint sempre foram realmente tocados por suas visitas e por seus sentimentos genuínos por eles", disse um dos funcionários da instituição de caridade. O príncipe Guilherme tornou-se mais tarde o patrono desta instituição de caridade.[174]

Morte[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Morte de Diana, Princesa de Gales
Túnel da Ponte de l'Alma em abril de 1998.

Em 31 de agosto de 1997, Diana morreu após um acidente automobilístico no túnel da Ponte de l'Alma, em Paris, França, quando era perseguida por sete paparazzi em motos.[176] Diana estava em um jantar com o milionário egípcio Dodi Al-Fayed, seu atual namorado e herdeiro da cadeia de lojas Harrods, em um restaurante do Hotel Ritz quando decidiram sair do local, logo começou a perseguição por parte dos paparazzi. Diana entrou em uma Mercedes-Benz S280 sedan 1997, acompanhada por Dodi Al-Fayed, pelo guarda-costas de Fayed, Trevor Rees-Jones e pelo motorista Henri Paul, rumo ao apartamento de Fayed. Devido a embriaguez, o motorista Henri perdeu o controle do carro e bateu fortemente no 13° pilar do túnel abaixo da ponte numa velocidade de 170 Km/h, enquanto fugia dos paparazzi.[177]

Henri Paul e Dodi Al-Fayed morreram imediatamente. O guarda-costas Trevor Rees-Jones era o mais próximo do ponto de impacto e o único ocupante do carro que estava utilizando o cinto de segurança, que com a forte colisão da S280, o duplo airbag foi acionado na hora do impacto. Rees-Jones foi o único sobrevivente do acidente e passou por uma grande cirurgia com inúmeros ossos partidos, trauma no peito e lesão cerebral. Depois de meses em coma no hospital, disse que não tinha lembranças do acidente.[178] Diana, que estava sentada ao banco de trás, bateu brutalmente no banco à sua frente durante o impacto, causando uma hemorragia interna, ferimentos e lesões nos pulmões e na cabeça, e quebra de ossos (bacia e braço).[176] Lady Di foi transportada para o Hospital Pitié-Salpêtrière, onde, apesar das numerosas tentativas de reanimação cardiorrespiratória, morreu às 4 da madrugada.

A carruagem com o corpo de Diana sendo escoltada pela guarda real.
Os portões do Palácio de Kensington rodeados de flores em tributo a Diana.

Em 5 de setembro, a Rainha Isabel II a homenageou em uma transmissão ao vivo pela televisão. O funeral de Diana aconteceu na Abadia de Westminster em 6 de setembro. Seus filhos caminharam na procissão fúnebre atrás de seu caixão, junto com seu ex-marido, o Príncipe de Gales, o Duque de Edimburgo, o irmão de Diana, Lord Spencer, e representantes de algumas de suas instituições de caridade. No funeral de Diana, seu irmão Conde Spencer disse: "Acima de tudo, nós agradecemos pela vida de uma mulher que tenho muito orgulho em poder chamar de minha irmã - a única, a complexa, a extraordinária a insubstituível Diana, cuja beleza, interna e externa, jamais se extinguirá de nossas mentes". O corpo de Lady Di foi levado para Althorp House, propriedade da família Spencer onde a princesa passou sua infância, e foi sepultado numa pequena ilha no centro de um lago do grande jardim aberto da propriedade, com um pequeno monumento próximo ao local.[179] O seu funeral foi assistido por aproximadamente dois bilhões de pessoas em todo o mundo.[180]

O cantor norte-americano Michael Jackson selecionou a canção "Gone Too Soon" na compilação Diana Princess of Wales Tribute em sua nobreza, pois em diversas ocasiões Michael nunca escondeu o quanto a admirava e amizade que tinham. O cantor britânico Elton John, grande amigo de Diana, compôs a música Candle in the Wind em homenagem à princesa. Esta composição foi a reedição de uma composição homônima de 1973, que havia sido feita em homenagem a Marilyn Monroe. A nova versão foi composta em parceria com Bernie Taupin e a primeira linha da letra foi alterada de "Goodbye Norma Jean" ("Adeus, Norma Jean" - nome verdadeiro de Marilyn), para "Goodbye England's Rose" ("Adeus rosa da Inglaterra"). A versão foi cantada ao vivo uma única vez, durante o funeral de Diana. Depois da homenagem, Elton foi nomeado cavaleiro pela Rainha Isabel II, por ter oferecido apoio emocional à família pelo trágico acidente.[181]

Legado[editar | editar código-fonte]

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

Estátua de cera de Diana no museu Madame Tussauds, em Londres

Diana continua sendo um dos membros mais populares da família real britânica ao longo da história e também é creditada por influenciar as gerações mais jovens da família real.[182][183][184] Na opinião de Eugene Robinson, do The Washington Post, ela "imbuiu seu papel de princesa real com vitalidade, ativismo e, acima de tudo, glamour".[185] Ela era conhecida por seu carisma, estilo, compaixão e trabalho de caridade, bem como pelo seu casamento conturbado com o príncipe de Gales.[186][187] Diana era comumente referida como "a mulher mais fotografada do mundo".[12][185] Ela é creditada por ampliar a gama de trabalhos de caridade realizados pela família real num estilo mais moderno.[187] Diana era amplamente conhecida por seus encontros com pacientes doentes e em estado terminal, os quais ela confortava, uma ação que lhe rendeu mais popularidade.[188] Seu trabalho de caridade, que às vezes incluía o contato físico com pessoas afetadas por doenças graves, ocasionalmente teve uma reação negativa na mídia.[184] Em sua entrevista para Martin Bashir, em 1995, ela revelou o desejo de se tornar uma figura amada entre as pessoas, dizendo que gostaria de ser "uma rainha do coração das pessoas, no coração das pessoas".[189] Alicia Carroll, do The New York Times, descreveu Diana como um "sopro de ar fresco", que foi a principal razão pela qual a família real se tornou conhecida nos Estados Unidos.[190]

Na opinião de Theodore Dalrymple, a popularidade de Diana derivava "tanto de sua extrema diferença das pessoas comuns quanto de sua semelhança com elas". Ele disse que, ao ir a público sobre seus problemas conjugais e bulimia, ela conquistou a admiração de "todos aqueles que foram infelizes em seus casamentos", bem como de pessoas que sofriam de problemas psicológicos.[191] Em um artigo para o The Guardian, Monica Ali disse que, ao falar publicamente sobre seu transtorno alimentar, Diana teve uma "influência duradoura sobre o debate público", principalmente em relação às questões de saúde mental.[187]

Diana tinha uma relação ambivalente com a mídia. Em muitas ocasiões, ela alegou que os jornalistas e os paparazzi tumultuavam sua vida e, em outras, ela mesma os procurava e lhes dava informações.[192] Peter Conrad, do The Guardian, alegou que foi Diana quem permitiu que os jornalistas e paparazzi entrassem em sua vida, já que ela sabia que eles eram a fonte de seu poder.[193] Christopher Hitchens acreditava que Diana mantinha uma relação próxima com a imprensa "em busca de uma solução pessoal para uma vida infeliz."[194]

Diana também foi objeto de críticas ao longo de sua vida. Alguns de seus críticos e biógrafos, como Anthony O'Hear e Sally Bedell Smith, acusaram-na de ser "autoindulgente" em suas causas filantrópicas e de usar seu trabalho de caridade para promover a si mesma.[195][67] No entanto, Diana também utilizava sua fama como uma ferramenta para atrair a atenção pública para as causas que ela apoiava.[192] Smith caracterizou Diana como imprevisível, egocêntrica, possessiva e manipuladora,[67] enquanto Tony Blair a descreveu como "extraordinariamente cativante" e um "meteoro imprevisível", cuja morte trouxe mudanças para a monarquia.[196] Sarah Lyall, do The New York Times, escreveu sobre o legado de Diana para a família real e o Reino Unido e afirmou que, "bem ou mal", sua morte "abriu uma porta para que o País se tornasse mais emotivo e expressivo." Lyall também a caracterizou como "glamourosa, magnética, fotogênica, [...] manipuladora e intuitiva [...] uma estrela de reality show antes mesmo disto existir."[197]

Diana havia se tornado o que Blair descreveu como a "princesa do povo",[193] e sua morte repentina gerou um espasmo de tristeza e luto sem precedentes.[198] Matthew D'Ancona, do The Guardian, descreveu Diana como "a rainha do reino do sentimento" e disse que a extensiva reação do público à sua morte "foi um ousado sinal de pontuação em uma nova narrativa nacional que favorecia a desinibição, a empatia e a franqueza pessoal."[199] A jornalista Anne Applebaum acredita que Diana não teve nenhum impacto na opinião pública após sua morte,[187] enquanto Allan Massie, do The Telegraph, descreveu-a como a "celebridade das celebridades", cujos sentimentos "continuam a moldar nossa sociedade".[200] Numa matéria para o The Independent, a jornalista Yvonne Roberts disse que Diana não foi uma "santa" e nem uma "revolucionária", mas "pode ​​ter encorajado algumas pessoas" a se envolverem em questões como as minas terrestres, AIDS e lepra.[201] Escrevendo para o The Guardian, Monica Ali descreveu Diana como "única, fascinante e imperfeita. Seu legado pode ser misto, mas não é insubstancial. Sua vida foi breve, mas ela deixou sua marca."[187]

Em 1999, a revista Time nomeou Diana como uma das 100 Pessoas Mais Importantes do Século XX.[202] Em 2002, Diana ficou em terceiro lugar, com pouco mais de treze por cento dos votos válidos, na lista dos maiores britânicos de todos os tempos, perdendo as duas primeiras colocações para Winston Churchill e Isambard Kingdom Brunel, primeiro e segundo colocados, respectivamente.[203][204] Em 2003, o canal VH1 a posicionou na nona posição em sua lista dos 200 Maiores Ícones da Cultura Pop, que reconhece as pessoas "que significativamente inspiraram e impactaram a sociedade americana."[205] Em 2006, o público japonês a colocou na vigésima posição em sua lista das 100 Figuras Históricas no Japão.[206] Em 2018, Diana apareceu na décima quinta colocação na enquete da BBC History para escolher "100 Mulheres que Mudaram o Mundo".[207] Em 2020, a revista Time incluiu o nome de Diana em sua lista das 100 Mulheres do Ano. Ela foi escolhida como A Mulher do Ano de 1987 por seus esforços em desestigmatizar as condições que afetam os pacientes com HIV/AIDS.[208]

O interesse de Diana em ajudar as pessoas levou ao estabelecimento do Diana Memorial Award, prémio conferido desde 1999 a jovens que têm demonstrado devoção e compromisso para com as causas advogadas pela princesa.[209][210] Logo após a sua morte, foi criado o Fundo Memorial de Diana, Princesa de Gales, que tem como objetivo arrecadar dinheiro para dar continuidade ao trabalho humanitário desenvolvido por ela dentro e fora do Reino Unido. Foi dotado de doações feitas por pessoas ao redor do mundo nos dias e meses posteriores a sua morte. Estas totalizaram cerca de 20 milhões de euros, além de um adicional de 80 milhões gerados através de atividades comerciais - incluindo uma doação feita por Elton John e pela gravadora PolyGram - gerado a partir da canção Candle in the Wind 1997 -, bem como a venda de produtos licenciados.[211][212][213] Os príncipes Guilherme e Henrique organizaram um concerto em homenagem a Diana, que foi realizado em 1° de julho de 2007, dia em que completaria 46 anos de idade.[214]

Ícone da moda[editar | editar código-fonte]

A Princesa de Gales no Festival de Cinema de Cannes de 1987. O vestido sem alças de Catherine Walker,[215] que foi inspirado em um vestido usado por Grace Kelly em To Catch a Thief,[216][217] é considerado um dos vestidos mais icônicos usados no festival ao longo de sua história.[218] Foi mais tarde vendido ao Julien's Auctions por mais de £80.000.[219]

Diana era um ícone da moda cujo estilo era imitado por mulheres de todo o mundo. Iain Hollingshead do The Telegraph escreveu: "[Diana] tinha a habilidade de vender roupas só de olhar para elas".[220][221] Um exemplo precoce do efeito ocorreu durante seu namoro com Carlos em 1980, quando as vendas das botas Hunter Wellington dispararam depois que ela foi fotografada usando um par na propriedade de Balmoral.[220] De acordo com estilistas e pessoas que trabalharam com Diana, ela usou a moda e o estilo para endossar suas causas caridosas, expressar-se e comunicar-se.[222] Diana continuou sendo uma figura de destaque para seu estilo de moda,[223][224] e ainda é considerada uma inspiração para estilistas,[225] celebridades,[226] e mulheres jovens.[227] As noras de Diana, Catherine e Meghan, acreditam ser influenciadas por ela no desenvolvimento de seu próprio guarda-roupa profissional.[228][229][230]

A princesa escolheu seu estilo de se vestir com base tanto nas exigências da família real quanto nos estilos modernos populares na Grã-Bretanha[231] e desenvolveu sua tendência de moda pessoal.[232] Durante as viagens diplomáticas, suas roupas e trajes foram escolhidos para combinar com os trajes dos países de destino, e enquanto estava fora de serviço ela costumava usar jaquetas soltas e pulôveres.[226][233] "Ela sempre foi muito atenciosa sobre como suas roupas seriam interpretadas, era algo que realmente importava para ela", de acordo com Anna Harvey, ex-editora da Vogue britânica e mentora de moda de Diana.[226][234] Catherine Walker estava entre as designers favoritas de Diana,[232] com quem ela trabalhou para criar seu "uniforme real"[216] Para suas visitas ao exterior e estaduais, Walker e seu marido costumavam fazer pesquisas e estavam determinados a desenhar roupas que não brilhassem mais que Diana.[222]

Diana também usava conjuntos de empresas de moda como Versace, Armani, Chanel, Dior, Gucci e Clarks.[226][235][236] Entre seus trajes icônicos estão um decote de David e Elizabeth Emanuel usado por uma Diana recém noiva em um evento beneficente,[234] um vestido de coquetel de Christina Stambolian, comumente conhecido como o "vestido de vingança", que ela usou após a admissão de Carlos como adultério,[237] um vestido de noite de Victor Edelstein que ela usou em uma recepção na Casa Branca e mais tarde ficou conhecido como o "Vestido Travolta",[226][216][232] e um vestido e jaqueta de Catherine Walker incrustado em pérolas chamou o "Vestido Elvis",[236][232] que ela usou pela primeira vez em uma visita oficial a Hong Kong.[238][239]

No início dos anos 80, Diana preferiu usar vestidos com colarinhos florais, blusas de massa e pérolas.[226][232] Estes itens rapidamente se tornaram tendências da moda.[226] Seu hábito de usar vestidos de ombros largos e tecidos luxuosos lhe rendeu o apelido de "Dynasty Di".[216][238] Nos anos após seu casamento e depois de seu divórcio, Diana ficou mais confiante em suas escolhas e seu estilo passou por uma mudança,[216][224] com suas novas escolhas consistindo de blazers, vestidos de um ombro e fora do ombro, ternos de dois tons temáticos, ternos de estilo militar e trajes de cor nua.[224] Camisa branca e jeans, vestidos xadrez, macacões e vestidos de bainha estavam entre as outras tendências de moda que ela tentou.[224][240] Sua maneira de se vestir começou a ser influenciada por outras celebridades incluindo Cindy Crawford, Madonna, Elizabeth Taylor, assim como muitas outras.[232] Nos anos 90, Diana foi frequentemente fotografada agarrando-se a bolsas distintas fabricadas pela Gucci e Dior. Ela popularizou as bolsas e elas se tornaram tão intimamente associadas a ela que depois seriam conhecidas como Gucci Diana e Lady Dior, respectivamente.[241]

Memoriais[editar | editar código-fonte]

Memorial da princesa em Althorp, onde Diana está sepultada.
Fonte Memorial de Diana, em Hyde Park, Londres.
Estátua de Diana no Sunken Garden do Palácio de Kensington.

Imediatamente após sua morte, muitos locais ao redor do mundo se tornaram brevemente memoriais para Diana onde o público deixou flores e outras homenagens. Seu filho, o príncipe Guilherme, declarou que o derramamento de luto público após sua morte "mudou a psique britânica, para melhor". O maior memorial foi realizado fora dos portões do Palácio de Kensington, onde as pessoas deixaram milhares de flores e homenagens. Os memoriais permanentes incluem:

A Chama da Liberdade foi erguida em 1989 na Praça de l'Alma, em Paris, acima da entrada do túnel no qual o acidente fatal ocorreu mais tarde. Tornou-se um memorial não oficial para Diana.[243] A Praça de l'Alma foi renomeada como Praça Diana, Princesa de Gales em 2019.[244]

Em novembro de 2002, uma placa de bronze de £4.000 foi revelada por Earl Spencer em Northampton Guildhall como um memorial a sua irmã.[245] Em fevereiro de 2013, a Universidade OCAD em Toronto anunciou que seu novo centro de artes seria nomeado o Centro de Artes Visuais da Princesa de Gales.[246] A Princesa Diana Drive foi nomeada em sua memória em Trenton, Nova Jersey. As netas de Diana, a princesa Carlota Isabel Diana de Cambridge (nascida em 2015)[247] e Lilibet Diana Mountbatten-Windsor (nascida em 2021),[248] bem como sua sobrinha, Lady Charlotte Diana Spencer (nascida em 2012)[249], receberam seu nome em homenagem a ela.

Em 29 de setembro de 2021, uma placa azul, colocada em sua homenagem por English Heritage, foi revelada em seu antigo apartamento 60 Coleherne Court, Old Brompton Road, Londres.[250]

Títulos, honras e brasão de armas[editar | editar código-fonte]

Títulos e estilos[editar | editar código-fonte]

Estilo de tratamento de
Diana, Princesa de Gales
Royal Monogram of Princess Diana of Wales.svg

Monograma Real da Princesa

Estilo Sua Alteza
Tratamento direto Sua Alteza Real (1981-1996)
  • 1 de julho de 1961 – 9 de junho de 1975: A Honorável Diana Frances Spencer
  • 9 de junho de 1975 – 29 de julho de 1981: Lady Diana Frances Spencer
  • 29 de julho de 1981 – 28 de agosto de 1996: Sua Alteza Real, a Princesa de Gales
  • 28 de agosto de 1996 – 31 de agosto de 1997: Diana, Princesa de Gales

O título completo de Diana, enquanto esteve casada com o príncipe Carlos, era "Sua Alteza Real a Princesa de Gales, Condessa de Chester, Duquesa da Cornualha, Duquesa de Rothesay, Condessa de Carrick, Baronesa de Renfrew, Senhora das Ilhas e Princesa da Escócia".

Honras[editar | editar código-fonte]

Brasões de armas[editar | editar código-fonte]

Brasão de armas de Lady Diana Spencer (1961-1981)
Brasão de armas de S. A. R. a Princesa de Gales enquanto esteve casada (1981-1996)
Brasão de armas de Diana, Princesa de Gales, após seu divórcio (1996-1997)

Como esposa do Príncipe de Gales, Diana usava um brasão de armas que incluía o real brasão de armas do Reino Unido com um plano, um escudo e um letreiro do brasão de armas do principado de Gales (o brasão do Príncipe de Gales), juntando dois brasões em um escudo com o 1° e o 4° quarteis plano branco, e o 2° e o 3° quartéis suportando três douradas bandas entrelaçadas com três bandas sinistras em um fundo de cena vermelho desfigurado com três conchas (o brasão de armas do Conde Spencer, pai de Diana). Os guardiões foram um leão coroado dourado do Brasão de Armas Real e um grifo alado do brasão dos Spencer. O escudo teve a coroa do Príncipe de Gales. Seu lema era Dieu Defend le Droit (Deus defende o direito, em português), também usado no brasão dos Spencer. Com o divórcio, Diana passou a usar o brasão da família Spencer coroado com uma pequena coroa real.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Nome Nascimento Casamento Seus filhos
Data Cônjuge
Príncipe Guilherme, Duque de Cambridge 21 de junho de 1982 29 de abril de 2011 Catarina Middleton Príncipe Jorge de Cambridge
Princesa Carlota de Cambridge
Príncipe Luís de Cambridge
Príncipe Henrique, Duque de Sussex 15 de setembro de 1984 19 de maio de 2018 Meghan Markle Archie Mountbatten-Windsor
Lilibet Diana Mountbatten-Windsor

Antepassados[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Sangue azul já importa menos em casamentos reais». British Broadcasting Corporation. Consultado em 21 de abril de 2012 
  2. «O trono britânico - [Guia dos Curiosos]». O Guia dos Curiosos. Consultado em 21 de abril de 2012. Cópia arquivada em 3 de junho de 2012 
  3. «Quem foi a princesa Diana e por que ela se tornou um ícone». VEJA. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  4. «Irmão de Diana revela trauma de infância da princesa: 'Nossa mãe foi embora'». CLAUDIA. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  5. «Princess Diana Short Biography |». Biography Online (em inglês). Consultado em 22 de outubro de 2020 
  6. «Prince Charles's and Princess Diana's affairs». Harper's Bazaar 
  7. Cardoso, Beatriz (5 de julho de 2020). «Caça às bruxas: a perseguição midiática de Diana a Meghan Markle». Telas por Elas. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  8. «Personalidades que reuniram milhões de pessoas em seus funerais». G1. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  9. «Most watched UK TV broadcasts ever: from Boris's lockdown address to Princess Diana's wedding». The Week UK (em inglês). Consultado em 22 de outubro de 2020 
  10. «UOL - Brasil Online - Funeral de Diana bate recorde de audiência na TV - 06/09/97 21h43». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  11. a b «Folha de S.Paulo - Nobel da Paz vai para luta contra minas - 11/10/97». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  12. a b «A mais fotografada do mundo – Morte de Lady Di – Memória». Consultado em 22 de outubro de 2020 
  13. «TIME 100 Persons of The Century». Time (em inglês). 6 de junho de 1999. ISSN 0040-781X. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  14. «Folha de S.Paulo - Investigação: Inquérito do caso Diana culpa motorista - 11/01/99». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  15. Previdelli, Fabio. «Aventuras na História · Acidente ou assassinato? As bizarras teorias sobre a morte da Princesa Diana». Aventuras na História. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  16. «Influência de Diana resiste a duas décadas - 31/08/2017 - Mundo - Folha de S.Paulo». m.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de outubro de 2020 
  17. «A morte de Diana obrigou a monarquia britânica a se modernizar». ISTOÉ Independente. 29 de agosto de 2017. Consultado em 4 de dezembro de 2020 
  18. Morton, Andrew (1997). Diana: Her True Story – In Her Own Words (em inglês). [S.l.]: New York : Simon & Schuster. 70 páginas. ISBN 0-684-85080-X 
  19. Bradford, Sarah (2006). Diana (em inglês). Nova York; Toronto; Londres: Viking. 2 páginas. ISBN 978-0-670-03807-7 
  20. «Princess Diana:The Early Years» (em inglês). British Royals. Consultado em 21 de abril de 2012. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2017 
  21. «Diana, Princess of Wales». The British Monarchy. The Royal Household. 21 de dezembro de 2015. Consultado em 17 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2017 
  22. Faulkner, Larissa J. (1997). «Shades of Discipline: Princess Diana, The U.S. Media, and Whiteness». Iowa Journal of Cultural Studies. 31. 16. Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2013 
  23. Moncreiffe of that Ilk, Sir Iain (1982).Royal Highness. London: Hamish Hamilton. p. 38.
  24. «Diana Spencer (Princess of Wales) > Ancestors». RoyaList. Consultado em 7 de setembro de 2014 
  25. Addams Reitwiesner, William. «The ancestry of HRH The Duchess of Cornwall». Consultado em 12 de abril de 2016 
  26. «Biography of Diana, Princess of Wales» (em inglês). Biography Online. Consultado em 21 de abril de 2012 
  27. «Princess Diana Biography - Facts, Birthday, Life Story» (em inglês). Biography.com. Consultado em 21 de abril de 2012 
  28. Brown, Tina (2007). The Diana Chronicles (em inglês). [S.l.]: Doubleday. 41 páginas. ISBN 978-0-385-51708-9 
  29. Bradford, Sarah (2006). Diana (em inglês). [S.l.]: Viking. pp. 2, 20. ISBN 978-0-670-03807-7 
  30. Brown, Tina (2007). The Diana Chronicles (em inglês). Londres; Nova York: Doubleday. 42 páginas. ISBN 978-0-385-51708-9 
  31. Brown, Tina (2007). The Diana Chronicles (em inglês). Londres; Nova York: Doubleday. pp. 40–41. ISBN 978-0-385-51708-9 
  32. «Em vídeo inédito, Diana fala de infância "infeliz"». Portal Terra. Consultado em 21 de abril de 2012 
  33. «Princess Diana - Lady Diana Spencer» (em inglês). princess-diana.co.uk. Consultado em 21 de abril de 2012. Arquivado do original em 9 de fevereiro de 2012 
  34. «Nannies tell new details of Princess Diana's childhood - CNN» (em inglês). CNN.com. Consultado em 21 de abril de 2012. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2013 
  35. a b c d e f g «"International Special Report: Princess Diana, 1961–1997"» (em inglês). The Washington Post. 30 de janeiro de 1999. Consultado em 17 de abril de 2021. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2000 
  36. a b «Haunted by the image of fame: Diana, Princess of Wales» (em inglês). The Guardian. Consultado em 21 de abril de 2012 
  37. Bradford, Sarah (2006). Diana (em inglês). Nova York; Toronto; Londres: Viking. 23 páginas. ISBN 978-0-670-03807-7 
  38. a b c d e f g h i j k l m n o p q r «"Diana, Princess of Wales"» (em inglês). The British Monarchy. 21 de dezembro de 2015. Consultado em 17 de abril de 2021. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2017 
  39. «Lady Diana - Biografia - UOL Educação». UOL Educação. Consultado em 21 de abril de 2012 
  40. «History of Vacani» (PDF) (em inglês). Vacani (Clapham) School of Dance. Arquivado do original (PDF) em 1 de outubro de 2008 
  41. a b «Sloane Rangers adapt to survive» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 21 de abril de 2012 
  42. «Diana, Princess of Wales» (em inglês). Direct Says. Consultado em 21 de abril de 2012 
  43. Morton, Andrew (1997). Diana: Her True Story – In Her Own Words (em inglês). [S.l.]: New York: Simon & Schuster. 118 páginas. ISBN 0-684-85080-X 
  44. Bradford, Sarah (2006). Diana (em inglês). Nova York; Toronto; Londres: Viking. 40 páginas. ISBN 978-0-670-03807-7 
  45. «"Descendant of 4 Kings Charms Her Prince"» (em inglés). Londres: Daily Times. 24 de julho de 1981. Consultado em 17 de abril de 2021 
  46. «"Royal weekend fuels rumours"» (em inglês). Londres: The Age. 17 de novembro de 1980. Consultado em 17 de abril de 2021 
  47. Dimbleby, Jonathan (1994). The Prince of Wales: A Biography (em inglês). Nova York: William Morrow and Company. 279 páginas. ISBN 0-688-12996-X 
  48. a b c «"It was love at first sight between British people and Lady Diana"» (em inglês). Londres: The Leader Post. 15 de julho de 1981. Consultado em 17 de abril de 2021 
  49. a b «"1981: Charles and Diana marry"» (em inglês). BBC. 29 de julho de 1981. Cópia arquivada em 7 de março de 2008 
  50. Denney, Colleen (2000). How We Got bare: The '70s (em inglês). Nova York: Basic Books. 98 páginas. ISBN 0-465-04195-7 
  51. Denney, Colleen (2000). How We Got bare: The '70s (em inglês). Nova York: Basic Books. 98 páginas. ISBN 0-465-04195-7 
  52. «"Duchess Kate 'to receive special honour from the Queen' to celebrate Her Majesty's record reign"» (em inglês). Hello Magazine. 3 de setembro de 2018. Consultado em 17 de abril de 2021 
  53. Brown, Tina (2007). The Diana Chronicles (em inglês). Londres; Nova York: Doubleday. 195 páginas. ISBN 978-0-385-51708-9 
  54. Brown, Tina (2007). The Diana Chronicles (em inglês). Londres; Nova York: Doubleday. 195 páginas. ISBN 978-0-385-51708-9 
  55. «"Obituary: Sir George Pinker"» (em inglês). Londres: Daily Telegraph. 1 de maio de 2007. Consultado em 17 de abril de 2021. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2012 
  56. «"Timeline: Diana, Princess of Wales"» (em inglês). BBC. 5 de julho de 2004. Consultado em 17 de abril de 2021 
  57. «"1982: Princess Diana gives birth to boy"» (em inglês). BBC. Consultado em 17 de abril de 2021 
  58. «"Princess Diana Revealed Postpartum Depression 'Hit Hard' After William's Birth: 'I Was Troubled'"» (em inglês). People. 18 de abril de 2019. Consultado em 17 de abril de 2021 
  59. Morton, Andrew (1997). Simon & Schuster, ed. Diana: Her True Story – In Her Own Words (em inglês). Nova York: [s.n.] pp. 142–143. ISBN 0-684-85080-X 
  60. «"Prince William Biography"» (em inglês). People. Consultado em 17 de abril de 2021. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2008 
  61. Morton, Andrew (1997). Simon & Schuster, ed. Diana: Her True Story – In Her Own Words (em inglês). Nova York: [s.n.] 184 páginas. ISBN 0-684-85080-X 
  62. «Lady Di siempre luchó para que Harry y William tuvieran una infancia normal, aseguran varias biografías» (em espanhol). El Universo. 28 de outubro de 2019. Consultado em 17 de abril de 2021 
  63. «1995: Diana admits adultery in TV interview». BBC. Consultado em 12 de agosto de 2021 
  64. «1995: Diana admits adultery in TV interview». BBC. Consultado em 12 de agosto de 2021 
  65. «The Panorama Interview with the Princess of Wales». BBC News. 20 de novembro de 1995. Consultado em 12 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 4 de março de 2011 
  66. a b c Kermode, Frank (22 de agosto de 1999). «Shrinking the Princess». The New York Times. Consultado em 12 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2017  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "NYT-Critics" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  67. a b Montalbano, D. (21 de dezembro de 1995). «Queen Orders Charles, Diana to Divorce». Los Angeles Times. Londres. Consultado em 12 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 8 de março de 2014 
  68. «Divorce': Queen to Charles and Diana». BBC. 20 de dezembro de 1995. Consultado em 12 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 7 de março de 2008 
  69. «Princess Diana agrees to divorce». Gadsden Times. Londres. AP. 28 de fevereiro de 1996. Consultado em 12 de agosto de 2021 
  70. a b c d e Lyall, Sarah (13 de julho de 1996). «Charles and Diana Agree on Divorce Terms». The New York Times. Consultado em 12 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 7 de março de 2016 
  71. a b «Special: Princess Diana, 1961–1997». Time. 12 de fevereiro de 1996. Consultado em 12 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 6 de abril de 2010 
  72. «Dark side of Diana described by ex-aide». The Guardian. 24 de setembro de 2000. Consultado em 12 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2017 
  73. «Text of Charles and Diana's divorce decree». CNN. 28 de agosto de 1996. Consultado em 12 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 6 de março de 2005 
  74. Grove, Jack (27 de março de 2013). «Tribunal slams academic for bringing anti-Semitism case». Times Higher Education. Consultado em 12 de agosto de 2021 
  75. «Divorce: Status And Role of The Princess of Wales» (Nota de imprensa). Buckingham Palace. 12 de julho de 1996. Consultado em 12 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 3 de junho de 2012 – via PR Newswire 
  76. Pearson, Allison (23 de abril de 2011). «Royal wedding: Diana's ghost will be everywhere on Prince William's big day». The Telegraph. Reino Unido. Cópia arquivada em 30 de junho de 2012 
  77. «Royal Split». The Deseret News. Londres: AP. 28 de fevereiro de 1996. Consultado em 20 de agosto de 2021 
  78. «'Took him to the cleaners': Prince Charles' strict demand in Princess Diana divorce». The New Zealand Herald. 15 de julho de 2020. Consultado em 20 de agosto de 2021 
  79. Radnofsky, Louise (17 de janeiro de 2008). «We could have saved Diana, former Met chief tells inquest». The Guardian. Consultado em 20 de agosto de 2021 
  80. Erlandson, Robert A. (3 de setembro de 1997). «Princess' death was avoidable, expert says Diana should have let Scotland Yard guard her, security consultant says». The Baltimore Sun. Consultado em 20 de agosto de 2021 
  81. a b Ansari, Massoud; Andrew, Alderson (16 de janeiro de 2008). «Dr Hasnat Khan: Princess Diana and me». Sunday Telegraph. Londres. Consultado em 20 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2008 
  82. «Princess Diana's 'Mr Wonderful' Hasnat Khan Still Haunted by her Death». Sky News. 13 de janeiro de 2008. Consultado em 20 de agosto de 2021 
  83. Truscott, Claire (14 de janeiro de 2008). «Background to Dr Hasnat Khan and Diana, Princess of Wales». The Guardian. Consultado em 20 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2013 
  84. «Imran and Jemima Khan Welcomed Princess Diana In Pakistan». Huffington Post. 25 de maio 2011. Consultado em 20 de agosto de 2021 
  85. «Princess Diana was 'madly in love' with heart surgeon Hasnat Khan». The Telegraph. 31 de julho de 2013. Consultado em 20 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2015 
  86. «Hasnat Khan Tells Diana Inquest They Enjoyed "Normal" Sex Life, Says She Ended Affair». Huffington Post. 25 de maio de 2011. Consultado em 20 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2012 
  87. Farouky, Jumana (14 de janeiro de 2008). «Diana's Butler Tells Some Secrets». Time. Consultado em 20 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2013 
  88. Milmo, Cahal (25 de outubro de 2002). «Diana did not talk to me in final months, admits her mother». The Independent. Consultado em 20 de agosto de 2021 
  89. Davies, Caroline (21 de outubro de 2016). «Countess Raine Spencer, stepmother of Princess Diana, dies aged 87». The Guardian. Consultado em 20 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 24 de junho de 2017 
  90. «The Life of Diana, Princess of Wales 1961–1997: Separation And Divorce». BBC. Consultado em 20 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2010 
  91. Dominick Dunne (19 de maio de 2010). «Two Ladies, Two Yachts, and a Billionaire». Vanity Fair. Nova York. Consultado em 20 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2013 
  92. «Royal engagement photos through the years as Harry and Meghan's glamorous pictures prove they are Hollywood through and through». The Telegraph. 21 de dezembro de 2017. Consultado em 9 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2018 
  93. «The newlyweds tour of Wales and the moment the nation fell in love with Diana». ITV News. 29 de agosto de 2017. Consultado em 9 de setembro de 2021 
  94. «Statement regarding the State Opening of Parliament in May 2013». The British Monarchy. 1 de abril de 2013. Consultado em 9 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2016 
  95. «The celebrities who have turned on the Christmas lights on Regent Street». The Telegraph. 16 de novembro de 2015. Consultado em 9 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2017 
  96. Mosley, Charles, ed. (2003). Burke's Peerage, Baronetage and Knightage. III 107th ed. Wilmington, Delaware: Burke's Peerage and Gentry LLC. p. 3696. ISBN 0-9711966-2-1 
  97. Evans, Elinor (15 de novembro de 2020). «The Crown S4 E6 real history: Charles and Diana's 1983 royal tour of Australia & the start of 'Dianamania'». BBC History. Consultado em 9 de setembro de 2021 
  98. «"Princess Diana Revealed Postpartum Depression 'Hit Hard' After William's Birth: 'I Was Troubled'"» (em inglês). People. 18 de abril de 2019. Consultado em 17 de abril de 2021 
  99. «Royal Tours of Canada». Canadian Crown. Government of Canada. Consultado em 9 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de junho de 2012 
  100. «Who are the 'tartan terrorists'?». BBC News. 2 de março de 2002. Consultado em 9 de setembro de 2021 
  101. «Pope John Paul II in pictures». The Telegraph. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2017 
  102. «Pope John Paul II in pictures». The Telegraph. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2017 
  103. Paddock, Richard C. (7 de maio de 1986). «Diana Faints at Expo». The Washington Post. Consultado em 13 de novembro de 2021 
  104. Paddock, Richard C. (7 de maio de 1986). «Princess Diana Faints on Visit to California Expo Pavilion». Los Angeles Times. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de junho de 2017 
  105. a b «The burqa Princess Diana packed for her first tour of the Arabian Gulf». The National. 30 de agosto de 2018. Consultado em 13 de novembro de 2021 
  106. «The Crown: Inside Princess Diana's Night at the Opera During Her Historic 1989 Visit to N.Y.C.». People. 16 de novembro de 2020. Consultado em 13 de novembro de 2021 
  107. a b c d e f g h i j k l m n «Diana, Princess of Wales». The Telegraph. 31 de agosto de 1997. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2015 
  108. a b c «Elizabeth Blunt Remembers Diana». BBC. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  109. «Prince Charles, Princess Diana visit Hungary». Associated Press. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2013 
  110. «Distinguished guests from overseas such as State Guests, official guests (1989–1998)». The Imperial Household Agency. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2013 
  111. «Royal Visits, Part I». Queen's University Archives. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2016 
  112. a b «Prince Charles, Princess Diana leave Brazil after issue-oriented visit». Deseret News. 28 de abril de 1991. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2015 
  113. a b c «Diana, Princess of Wales was a global humanitarian figure who dedicated her life to helping improve the lives of disadvantaged people». The Diana, Princess of Wales Memorial Fund. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2016 
  114. Rayner, Gordon (16 de abril de 2016). «Duke and Duchess of Cambridge pay loving tribute to Diana on visit to India's Taj Mahal». The Telegraph. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2017 
  115. Holden, Anthony (Fevereiro de 1993). «Diana's Revenge». Vanity Fair. Consultado em 13 de novembro de 2021 
  116. «Princess Diana in Moscow Beauty will save». viola.bz. 17 de janeiro de 2012. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de julho de 2017 
  117. Hallemann, Caroline (22 de janeiro de 2018). «Here's what Gianni Versace's funeral was really like». Town & Country. Consultado em 13 de novembro de 2021 
  118. a b «Press: Royal Pain». Time. 8 de dezembro de 1980. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  119. «Another round in Prince Charles' matrimonial sweepstakes». United Press International. 22 de novembro de 1980. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  120. «Timeline: Diana, Princess of Wales». BBC. 5 de julho de 2004. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  121. a b c d e f g «1993: Diana sues over gym photos». BBC News. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  122. a b «Gym owner defends Princess pictures: Bryce Taylor says 98 per cent of people would also have tried his 'legal scam' to make money». The Independent. 17 de novembro de 1993. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2017 
  123. «The Royal Watch». Philadelphia Daily News. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2014 
  124. «Royal Watch». People. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2014 
  125. «The Honorary Freedom». City of London. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2018 
  126. Rayner, Gordon (21 de abril de 2013). «Duchess of Cambridge walks in Diana's footsteps by becoming Patron of Natural History Museum». The Telegraph. Londres. Consultado em 14 de novembro de 2021 
  127. a b c Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome 100-Charities
  128. «Barnardo's and royalty». Barnardo's. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 7 de março de 2016 
  129. Furness, Hannah (12 de abril de 2013). «Prince Harry to follow in his mother's footsteps in support of Headway charity». The Telegraph. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 26 de março de 2016 
  130. «About the Chester Childbirth Appeal». Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2016 
  131. Durand, Carolyn (15 de outubro de 2015). «Prince William Gives Moving Tribute Speech About Princess Diana at Charity Event». ABC News. Consultado em 14 de novembro de 2021 
  132. Durand, Carolyn (15 de outubro de 2015). «Prince William Gives Moving Tribute Speech About Princess Diana at Charity Event». ABC News. Consultado em 14 de novembro de 2021 
  133. «Harry honours his mother's legacy on the anniversary of her death». Hello!. 31 de agosto de 2011. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2015 
  134. «Diana appeals for the elderly after dropping their charity». The Herald Scotland. 14 de outubro de 1996. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de março de 2016 
  135. a b «Charities devastated after Diana quits as patron». The Independent. 17 de julho de 1996. Consultado em 14 de novembro de 2021 
  136. «Diana Memorial Charity Fund Set Up». BBC News. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 14 de março de 2017 
  137. «Diana, Princess of Wales, to open Richard Attenborough Centre» (PDF). University of Leicester. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 10 de janeiro de 2017 
  138. «Toddler Stands In For Diana». BBC. 4 de setembro de 1997. Consultado em 14 de novembro de 2021 
  139. a b c Allen, Nick; Rayner, Gordon (10 de janeiro de 2008). «Queen 'was against' Diana's Aids work». The Telegraph. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2015 
  140. «Princess Diana». HIV Aware. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de maio de 2015 
  141. «Princess Diana Charity Work». Biography Online. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 18 de maio de 2015 
  142. «Diana, Princess of Wales». Learning to Give. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 10 de maio de 2015 
  143. «HIV/Aids: a timeline of the disease and its mutations». The Telegraph. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 18 de maio de 2015 
  144. «Princess Diana's charity work and causes (image 8)». The Telegraph. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2015 
  145. a b «Prince Harry calls for regular HIV and Aids testing». BBC News. 13 de outubro de 2017. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2017 
  146. «Princess Diana's charity work and causes (image 13)». The Telegraph. Consultado em 14 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2015 
  147. «Diana 'Thrilled' To Meet Mandela In South Africa». Sun-Sentinel. 18 de março de 1997. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  148. Holt, William (18 de julho de 2013). «Prince Harry posts photo of mother and Nelson Mandela». Yahoo. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de março de 2016 
  149. «Princess Diana 1961 - 1997 Lady Diana : Princess of Wales» (em inglês). princess-diana.us. Consultado em 21 de abril de 2012. Arquivado do original em 10 de novembro de 2012 
  150. a b «Mandela and Diana charities join forces». BBC. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2015 
  151. Walker, Tim (21 de abril de 2011). «Kate Middleton is an 'icon' to lesbians, says Tipping the Velvet author Sarah Waters». The Telegraph. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2015 
  152. «Prince Harry accepts Attitude Legacy Award for Princess Diana's groundbreaking Aids activism». Attitude. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  153. «Charles e Diana: o conto de fadas que se tornou pesadelo». Revista Veja. Consultado em 21 de abril de 2012. Arquivado do original em 15 de abril de 2012 
  154. «Princesa Diana [O Guia dos Curiosos]». O Guia dos Curiosos. Consultado em 21 de abril de 2012 
  155. «1997: Princess Diana sparks landmines row» (em inglês). British Broadcasting Corporation. Consultado em 21 de abril de 2012 
  156. a b «Princess Diana's anti-mine legacy» (em inglês). Cable News Network. Consultado em 21 de abril de 2012 
  157. «Lady Di A Princesa do Povo» (em inglês). Revista EcoFênix. Consultado em 21 de abril de 2012. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2013 
  158. «House of Commons Hansard Debates for 10 July 1998 (pt 1)». British Parliament. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2007 
  159. a b c d «Our history». Children with Cancer UK. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de março de 2016 
  160. a b c «27 years of saving young lives». Children with Cancer UK. 16 de novembro de 2015. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de março de 2016 
  161. a b c «Diana, Princess of Wales». Children with Cancer UK. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de março de 2016 
  162. a b c Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome BBC-Charities
  163. a b «President of The Royal Marsden». The Royal Marsden Cancer Charity. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2016 
  164. «Our President». The Royal Marsden. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  165. «Prince William becomes President of the Royal Marsden Hospital». Official website of the Prince of Wales. 4 de maio de 2007. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2016 
  166. McGirk, Tim (22 de fevereiro de 1996). «Diana flies in to battle royal in Pakistan». The Independent. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  167. Rowley, Storer (17 de maio de 2018). «Princess Diana's visit to Northwestern remembered on eve of royal wedding». Northwestern Now. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  168. «Diana Photo Gallery (13)». The Washington Post. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  169. «Diana Photo Gallery (15)». The Washington Post. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 27 de março de 2016 
  170. a b «The Life of Diana, Princess of Wales 1961–1997». BBC. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2010 
  171. a b c «Diana, Princess of Wales (1961–1997)». The Leprosy Mission. Reino Unido. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2016 
  172. a b «People Princess Diana speaks out for homeless young». Sarasota Herald-Tribune. 8 de dezembro de 1995. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  173. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Centrepoint-patron
  174. Furness, Hannah (23 de janeiro de 2018). «Charities must work together or risk confusing donors, Prince William warns». The Telegraph. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2018 
  175. a b Bazo, Gabriela (31 de agosto de 2017). «Morte de Diana, 'a princesa do povo', completa 20 anos; relembre o acidente e sua repercussão». G1.com. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  176. Neto, Renato (Agosto de 2020). «A morte da princesa Diana: os seis dias que abalaram a monarquia britânica!». Rainhas Trágicas. Consultado em 20 de novembro de 2020 
  177. «Acidente com princesa Diana. O que aconteceu ao único sobrevivente da tragédia?». Flash!. 31 de agosto de 2019. Consultado em 20 de novembro de 2020 
  178. «Althorp House: Mansão onde a Princesa Diana está sepultada». Viajoarios.com. 6 de julho de 2017. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  179. «Há 23 anos, 2,5 bilhões de pessoas viam pela TV o funeral de Diana». meionorte.com. 6 de setembro de 2020. Consultado em 20 de novembro de 2020 
  180. «Candle in the Wind by Elton John» (em inglês). Songfacts. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2014 
  181. Princess Diana's influence on the royal family lives on The Guardian
  182. «Princess Diana remains UK's most beloved royal». CBS News. 20 de agosto de 2012 
  183. a b «We will never forget how Princess Diana made us feel». The Telegraph. 25 de Junho de 2011 
  184. a b «International Special Report: Princess Diana, 1961–1997». The Washington Post. 30 de Janeiro de 1999 
  185. The power of Diana's charisma University of Alberta
  186. a b c d e Ali, Monica (30 de Março de 2011). «Royal rebel: the legacy of Diana». The Guardian 
  187. Farewell, Diana Time, 1997
  188. Why Princess Diana still fascinates us NBC News
  189. America's obsession with royalty started with Princess Diana The New York Times
  190. The Goddess of Domestic Tribulations City Journal, 1997
  191. a b The princess and the press BBC
  192. a b Diana, the myth: 10 years on The Guardian
  193. Mother Teresa or Mrs. Simpson: Which Was the Real Diana? Los Angeles Times
  194. Author defends Diana criticism BBC
  195. «Princess Diana's death was 'global event' says Blair». BBC. 1 de Setembro de 2010 
  196. Diana’s Legacy: A Reshaped Monarchy, a More Emotional U.K. The New York Times
  197. Richard Weight, Patriots: National Identity in Britain 1940–2000 (2002) pp. 659, 681
  198. Diana showed that we need emotion, but it’s had a downside The Guardian
  199. Why Diana is still the spirit of the age The Telegraph
  200. One year on: Dry your eyes, she was no saint and her death changed nothing The Independent
  201. Quittner, Joshua (14 de junho de 1999). «Princess Diana: Time 100 People of the Century». Time. Cópia arquivada em 8 de março de 2013 
  202. «10 Great Britons» (em inglês). Get a UK Job.com. Consultado em 21 de abril de 2012. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2013 
  203. «Churchill voted greatest Briton» (em inglês). British Broadcasting Corporation. Consultado em 21 de abril de 2012 
  204. «The 200 Greatest Pop Culture Icons Complete Ranked List». PR Newswire. 21 de julho de 2003. Consultado em 13 de junho de 2019. Cópia arquivada em 11 de maio de 2016 
  205. «Japanese rank their favorite 100 historical figures». Japan Probe. 8 de maio de 2006. Cópia arquivada em 15 de abril de 2017 
  206. Brown, Mark (9 de agosto de 2018). «Marie Curie tops BBC History poll of women who changed the world». The Guardian 
  207. «1987: Diana, Princess of Wales». Time. 5 de março de 2020 
  208. «Althorp - Day Visits & Public Events - The Exhibition» (em inglês). Althorp.com. Consultado em 21 de abril de 2012. Arquivado do original em 21 de abril de 2012 
  209. «PRINCESS DIANA» (em inglês). Paralumun New Age Village. Consultado em 21 de abril de 2012. Cópia arquivada em 10 de maio de 2012 
  210. «Written evidence submitted by Comic Relief» (em inglês). International Development Committee. Consultado em 21 de abril de 2012 
  211. «Elton John Biography» (em inglês). The Rock and Roll Hall of Fame. Consultado em 21 de abril de 2012 
  212. «Diana, Princess of Wales Memorial Fund» (em inglês). Charity Commission. Consultado em 21 de abril de 2012 
  213. «RTP1 transmite 'Concert for Diana'». Diário de Notícias. Consultado em 21 de abril de 2012 
  214. Jackson Gee, Tabi (23 de maio de 2016). «What was the secret behind Bella Hadid's sensational Cannes dress?». The Telegraph. Consultado em 19 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2017 
  215. a b c d e «Princess Diana's changing fashion style explored in exhibition». BBC News. 19 de fevereiro de 2017. Consultado em 10 de março de 2017. Cópia arquivada em 12 de março de 2017 
  216. «Best Cannes Film Festival dresses of all time». Marie Claire. 11 de maio de 2016. Consultado em 19 de fevereiro 2017. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2017 
  217. Chung, Madelyn (12 de maio de 2016). «The Most Iconic Cannes Film Festival Dresses Of All-Time». The Huffington Post. Consultado em 19 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2017 
  218. «Princess Diana's 1987 Cannes Film Festival dress auctions for £81k!». InStyle UK. 11 de maio de 2011. Consultado em 19 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2017 
  219. a b «Will Kate kick off a war of the Welles?». The Telegraph. 17 de junho de 2015. Cópia arquivada em 2 de abril de 2016 
  220. «The Woman We Loved». Newsweek. 17 de junho de 2015. Cópia arquivada em 6 de março de 2016 
  221. a b Paton, Elizabeth (22 de fevereiro de 2017). «Why Are We Still Obsessed With Princess Diana's Style?». The New York Times. Consultado em 13 de março de 2017. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2017 
  222. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Telegraph-fashion2
  223. a b c d Elbaum, Rachel (30 de agosto de 2012). «Forever fashionable: Princess Diana's style legacy lives on». NBC News. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2017 
  224. «The Princess Diana looks that could be from today». The Telegraph. 25 de fevereiro de 2017. Consultado em 10 de março de 2017. Cópia arquivada em 12 de março de 2017 
  225. a b c d e f g Holt, Bethan (19 de novembro de 2016). «Why Princess Diana remains an enduring style icon for all generations». The Telegraph. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2017 
  226. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Guardian-ASOS
  227. «30 times the Duchess of Cambridge dressed like Princess Diana». The Telegraph. 17 de janeiro de 2020. Consultado em 9 de dezembro de 2020 
  228. Holt, Bethan (28 de fevereiro de 2017). «How The Duchess of Cambridge has developed a 'caring wardrobe' just like Diana's». The Telegraph. Consultado em 9 de dezembro de 2020 
  229. Bailey, Alyssa (3 de abril de 2019). «Every Time Meghan Markle Dressed Like Princess Diana». Elle. Consultado em 15 de fevereiro de 2021 
  230. «Diana, Style Icon». CBS News. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2017 
  231. a b c d e f Hudson, Mark (22 de fevereiro de 2017). «Diana: Her Fashion Story, review: this riveting show of Diana's dresses shows just how magnificent she was». The Telegraph. Consultado em 10 de março de 2017. Cópia arquivada em 12 de março de 2017 
  232. Tashjian, Rachel (23 de fevereiro de 2017). «How Princess Diana Became a Fashion Icon». Vanity Fair. Consultado em 3 de abril de 2017. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2017 
  233. a b Mower, Sarah (1 de novembro de 2013). «Princess Diana's Iconic Style: Why We're Still Fascinated by Her Fashion Today». Vogue. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 25 de novembro de 2016 
  234. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Diana-Rihanna
  235. a b Neel, Julia (15 de abril de 2011). «Style File – Diana, Princess Of Wales». Vogue. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 21 de novembro de 2016 
  236. Adams, Rebecca (1 de julho de 2013). «Princess Diana's Black Dress Was The Best 'Revenge' After Separation». The Huffington Post. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2017 
  237. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Holt-Fashion
  238. Durand, Carolyn; Hasan, Lama (23 de fevereiro de 2017). «Princess Diana's fashion style on display at Kensington Palace». ABC News. Consultado em 2 de abril de 2017. Cópia arquivada em 3 de abril de 2017 
  239. Crimmens, Tamsin (17 de dezembro de 2016). «Princess Diana's Iconic Fashion Moments». Elle. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 3 de julho de 2017 
  240. Newbold, Alice (6 de julho de 2021). «Gucci Has Reinvented One of Princess Diana's Favorite Handbags». Vogue. Consultado em 7 de julho de 2021 
  241. «Austrians unveil memorial to Princess Diana». BBC News. 2 de janeiro de 2013. Consultado em 31 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2017 
  242. Bennhold, Katrin (31 de agosto de 2007). «In Paris, 'pilgrims of the flame' remember Diana». International Herald Tribune. Consultado em 23 de abril de 2016. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2008 
  243. Chazan, David (30 de maio de 2019). «Paris pays homage to Princess Diana by naming a square after her, 22 years after fatal car crash». The Telegraph. Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  244. «Diana memorial unveiled». BBC. 7 de novembro de 2002. Consultado em 29 de maio de 2018 
  245. Alcoba, Natalie (13 de fevereiro de 2013). «Royal assent: William and Harry cheer OCAD University decision to name new arts centre after Princess Diana». National Post. Consultado em 1 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2013 
  246. «Royal princess named Charlotte Elizabeth Diana». London: BBC. 4 de maio de 2015. Consultado em 16 de maio de 2015. Cópia arquivada em 7 de maio de 2015 
  247. Foster, Max; Said-Moorhouse, Lauren (6 de junho de 2021). «Meghan and Prince Harry welcome second child». CNN. Consultado em 6 de junho de 2021 
  248. «Earl Spencer names baby daughter after Diana, Princess of Wales». The Telegraph. UK. 6 de agosto de 2012. Consultado em 5 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2017 
  249. «Lady Diana Spencer, later Princess of Wales, honoured with Blue Plaque». English Heritage. 29 de setembro de 2021. Consultado em 29 de setembro de 2021 
  250. Williamson 1981a.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Diana Spencer
1 de julho de 1961 – 31 de agosto de 1997
Precedida por
Maria de Teck
Coat of Arms of Diana, Princess of Wales (1981-1996).svg
Princesa de Gales
29 de julho de 1981 – 28 de agosto 1996
Sucedida por
Camila Shand